Pebmed

Cadastre-se grátis
Home / Terapia Intensiva / Estatinas associadas com risco reduzido de delirium em pacientes hospitalizados

Estatinas associadas com risco reduzido de delirium em pacientes hospitalizados

Tempo de leitura: 2 minutos.

O delirium ou estado de confusão mental é comumente definido como um transtorno mental orgânico temporário caracterizado por início agudo, nível de consciência alterado, curso flutuante e distúrbios na orientação, memória, atenção, pensamento e comportamento. Aproximadamente 20% dos idosos hospitalizados têm delirium, embora este estado não seja diagnosticado em, pelo menos, um de cada três casos.

É uma condição particularmente comum após a realização de cirurgia maior (50%), afeta a maioria dos pacientes em UTI e está associada a aumento da mortalidade e morbidade, taxa de admissão em instituições de cuidados prolongados, hospitalização prolongada, aumento das complicações pós-operatórias e piores resultados funcionais.

Um estudo observacional retrospectivo mostrou que a taxa de delirium em pacientes com estatinas, incluindo atorvastatina, pravastatina e sinvastatina, foi metade (ou menos) quando comparados com pacientes que não utilizaram estatinas. O estudo foi conduzido entre setembro de 2012 e setembro de 2015, e teve como objetivo examinar a associação entre o uso de estatina e o risco de delirium em pacientes hospitalizados com admissão na UTI.

Na população de pacientes antes do pareamento (n=6.664), um total de 1.532 pacientes (22,3%) foram diagnosticados com delirium, sendo 14,2% dos pacientes na coorte de estatina (n=2.777) e 28,1% dos pacientes na coorte de não-estatina (n=3,887).

Veja também: ‘Delirium – haloperidol é a melhor escolha para pacientes em cuidado paliativo?’

A idade média da população foi de 66,5 (desvio padrão: 15,9) anos. A maioria era do sexo masculino (53,5%) e a média do tempo de permanência hospitalar foi de 9,1 (desvio padrão: 9,8) dias.

Na população avaliada, a doença cerebrovascular foi prevalente (19,4%), mas muitos dos fatores predisponentes remanescentes para delirium foram raros, incluindo doença de Parkinson (0,8%), comprometimento funcional (0,9%), visão comprometida (1,5%), deficiência auditiva (1,8%) psicose ou dependência de drogas ou álcool (1,9%) e demência (0,9%).

O uso de estatinas foi associado a uma diminuição significativa no risco de delirium (odds ratio [OR]: 0,47; intervalo de confiança [IC] de 95%: 0,38 a 0,56). Considerando o tipo de estatina utilizada, atorvastatina (OR: 0,51; IC 95%: 0,41 a 0,64), pravastatina (OR: 0,40; IC 95%: 0,28 a 0,58) e sinvastatina (OR: 0,33; IC 95%: 0,21 a 0,52) foram significativamente associadas a uma frequência reduzida de delirium.

Portanto, o uso de estatinas foi associado de forma independente à redução do risco de delirium em pacientes hospitalizados. Ao considerar os tipos de estatinas utilizadas, esta redução foi significativa em pacientes com atorvastatina, pravastatina e sinvastatina. É recomendado que ensaios clínicos randomizados envolvendo vários tipos de estatinas sejam realizados em pacientes hospitalizados para validar seu uso em proteção contra delirium.

E mais: ‘Quais antibióticos causam delirium?’

Autora:

Revisado por:

Referências:

  • Mather JF, Corradi JP, Waszynski C, Noyes A, Duan Y, Grady J, Dicks R. Statin and Its Association With Delirium in the Medical ICU. Crit Care Med. 2017 Sep;45(9):1515-1522. doi: 10.1097/CCM.0000000000002530.

About Juliana Festa

Juliana Festa
Graduação em Biomédica pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO, com aperfeiçoamento em Oncologia no Instituto Nacional de Câncer - INCA, pós-graduação em Tecnologia Industrial Farmacêutica pela Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ e mestrado pelo Programa de Farmacologia e Química Medicinal do Instituto de Ciências Biomédicas da UFRJ. Atualmente, faz parte do Programa de Doutorado em Ciência Médicas da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ) e atua como Analista de Projetos Sênior de uma consultoria em saúde.

Check Also

analgesia

Perfil de crianças reinternadas em um ano em UTI Pediátrica brasileira

Publicação do Jornal de Pediatria tenta explicar o alto índice de reinternação de crianças em um período de 1 ano em uma…

2 comments

  1. Avatar
    UBIRATAN ROSA PASSOS

    ESTUDO OBSERVACIONAL RETROSPECTIVO…
    AGUARDO ESTUDOS COM EVIDÊNCIAS MAIS SÓLIDAS (SUGERIDO POR ESSE ARTIGO), EMBORA EU TENHA CERTA DESCONFIANÇA ATÉ DOS RANDOMIZADOS, DUPLO CEGOS E COMPARADOS COM PLACEBO, POIS FICO NA DÚVIDA SOBRE OS PROVÁVEIS CONFLITOS DE INTERESSES.

    • Avatar
      Ana Carolina Pomodoro

      Olá, Ubiratan! Realmente, alguns estudos não são muito claros em sua parte de materiais e métodos, mas buscamos trazer para discutirmos com os colegas no nosso portal os diversos tipos de estudo, justamente para que sejamos mais críticos ao lermos qualquer publicação. Agradecemos sua constante participação e lhe convidamos a continuar conosco!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.