Exposição à poluição do ar aumenta as chances de infarto do miocárdio?

Sua avaliação é fundamental para que a gente continue melhorando o Portal Pebmed

Quer acessar esse e outros conteúdos na íntegra?

Cadastrar Grátis

Faça seu login ou cadastre-se gratuitamente para ter acesso ilimitado a todos os artigos, casos clínicos e ferramentas do Portal PEBMED

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Seu conteúdo tem o objetivo de informar panoramas recentes da medicina, devendo ser interpretado por profissionais capacitados.

Para diagnósticos e esclarecimentos, busque orientação profissional. Você pode agendar uma consulta aqui.

O infarto agudo do miocárdio é importante causa de morte em todo o mundo. Já existem estudos associando a poluição atmosférica como fator causal para o aumento de casos, exposição a partículas com diâmetro aerodinâmico ≤ 2,5 micrometros e ≤ 10 micrometros, além de dióxido sulfúrico (SO2), dióxido de nitrogênio (NO2), monóxido de carbono (CO) e ozônio (O3) contribuem para a ocorrência de infarto agudo do miocárdio.

Leia também: Inflamação e infarto agudo do miocárdio: novos horizontes na prevenção

Um estudo chinês decidiu investigar o impacto na exposição em curto espaço de tempo a poluição do ar em maior escala, a fim de confirmar os achados na literatura.

Poluição atmosférica como fator causal para o aumento de casos de infarto agudo do miocárdio

Tome as melhores decisões clinicas, atualize-se. Cadastre-se e acesse gratuitamente conteúdo de medicina escrito e revisado por especialistas

Método do estudo

Foram analisados 151.608 casos de infarto do miocárdio na província Hubei na China de 2013 a 2018. Foi avaliada a exposição de cada uma das substâncias supracitadas de acordo com o endereço do domicílio do paciente acometido, analisaram a concentração média ponderada pela distância inversa em estações de monitoramento de qualidade do ar vizinhas.

Saiba mais: ESC 2020: Início precoce da colchicina pode alterar desfecho no infarto agudo do miocárdio?

Após análises os pesquisadores confirmaram que as partículas com diâmetro aerodinâmico ≤ 2,5 micrometros e ≤ 10 micrometros, além do dióxido de nitrogênio (NO2) estavam relacionados com um aumento da mortalidade por infarto do miocárdio. A mortalidade relacionada a partículas ≤ 2,5 micrometros e ≤ 10 micrometros se elevou rapidamente até atingir um ponto de platô com níveis de exposição mais elevados. Já no caso do NO2 a associação foi linear ascendente, ou seja, quanto maior a exposição maior a mortalidade. Além disso a exposição ao NO2 esteve relacionada a maior mortalidade em adultos mais idosos.

Conclusão

Esses dados concluem que a exposição a poluição do ar é danosa à saúde, aumenta a mortalidade por infarto do miocárdio, especialmente em populações mais velhas. A redução dessa exposição deve ser objetivada com o intuito de reduzir esses desfechos.

Autor(a):

Referências bibliográficas:

  • Liu Y, Pan J, et al.  Short-Term Exposure to Ambient Air Pollution and Mortality From Myocardial Infarction. J Am Coll Cardiol. 2021 Jan;77(3):271–281. doi: 1016/j.jacc.2020.11.033.

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Seu conteúdo tem o objetivo de informar panoramas recentes da medicina, devendo ser interpretado por profissionais capacitados.

Para diagnósticos e esclarecimentos, busque orientação profissional. Você pode agendar uma consulta aqui.

Tags

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Entrar | Cadastrar