Exposição à poluição do ar aumenta as chances de infarto do miocárdio?

Já existem estudos associando a poluição atmosférica como fator causal para o aumento de casos de infarto agudo do miocárdio.

O Portal PEBMED é destinado para médicos e demais profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar esse conteúdo crie um perfil gratuito no AgendarConsulta.

O infarto agudo do miocárdio é importante causa de morte em todo o mundo. Já existem estudos associando a poluição atmosférica como fator causal para o aumento de casos, exposição a partículas com diâmetro aerodinâmico ≤ 2,5 micrometros e ≤ 10 micrometros, além de dióxido sulfúrico (SO2), dióxido de nitrogênio (NO2), monóxido de carbono (CO) e ozônio (O3) contribuem para a ocorrência de infarto agudo do miocárdio.

Leia também: Inflamação e infarto agudo do miocárdio: novos horizontes na prevenção

Um estudo chinês decidiu investigar o impacto na exposição em curto espaço de tempo a poluição do ar em maior escala, a fim de confirmar os achados na literatura.

Poluição atmosférica como fator causal para o aumento de casos de infarto agudo do miocárdio

Método do estudo

Foram analisados 151.608 casos de infarto do miocárdio na província Hubei na China de 2013 a 2018. Foi avaliada a exposição de cada uma das substâncias supracitadas de acordo com o endereço do domicílio do paciente acometido, analisaram a concentração média ponderada pela distância inversa em estações de monitoramento de qualidade do ar vizinhas.

Saiba mais: ESC 2020: Início precoce da colchicina pode alterar desfecho no infarto agudo do miocárdio?

Após análises os pesquisadores confirmaram que as partículas com diâmetro aerodinâmico ≤ 2,5 micrometros e ≤ 10 micrometros, além do dióxido de nitrogênio (NO2) estavam relacionados com um aumento da mortalidade por infarto do miocárdio. A mortalidade relacionada a partículas ≤ 2,5 micrometros e ≤ 10 micrometros se elevou rapidamente até atingir um ponto de platô com níveis de exposição mais elevados. Já no caso do NO2 a associação foi linear ascendente, ou seja, quanto maior a exposição maior a mortalidade. Além disso a exposição ao NO2 esteve relacionada a maior mortalidade em adultos mais idosos.

Conclusão

Esses dados concluem que a exposição a poluição do ar é danosa à saúde, aumenta a mortalidade por infarto do miocárdio, especialmente em populações mais velhas. A redução dessa exposição deve ser objetivada com o intuito de reduzir esses desfechos.

Referências bibliográficas:

  • Liu Y, Pan J, et al.  Short-Term Exposure to Ambient Air Pollution and Mortality From Myocardial Infarction. J Am Coll Cardiol. 2021 Jan;77(3):271–281. doi: 1016/j.jacc.2020.11.033.
Cadastre-se ou faça login para acessar esse e outros conteúdos na íntegra
Cadastre-se grátis Fazer login
Veja mais beneficios de ser usuário do Portal PEBMED: Veja mais beneficios de ser usuário
do Portal PEBMED:
7 dias grátis com o Whitebook Aplicativo feito para você, médico, desenhado para trazer segurança e objetividade à sua decisão clínica.
Acesso gratuito ao Nursebook Acesse informações fundamentais para o seu dia a dia como anamnese, semiologia.
Acesso gratuito Fórum Espaço destinado à troca de experiências e comentários construtivos a respeito de temas relacionados à Medicina e à Saúde.
Acesso ilimitado Tenha acesso a noticias, estudos, atualizacoes e mais conteúdos escritos e revisados por especialistas
Teste seus conhecimentos Responda nossos quizes e estude de forma simples e divertida
Conteúdos personalizados Receba por email estudos, atualizações, novas condutas e outros conteúdos segmentados por especialidades

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo

Selecione o motivo:
Errado
Incompleto
Desatualizado
Confuso
Outros

Sucesso!

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo.

Você avaliou esse artigo

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Baixe e-books, e outros materiais para aprimorar sua prática médica e gestão Baixe e-books, e outros materiais
para aprimorar sua prática
médica e gestão