Página Principal > Saúde Pública > Febre amarela: região metropolitana do Rio tem primeiros casos registrados
mosquito pousado na pele de uma pessoa

Febre amarela: região metropolitana do Rio tem primeiros casos registrados

Tempo de leitura: 2 minutos.

Três novos casos de febre amarela foram registrados ontem, dia 12, pela Secretaria de Estado de Saúde (SES) do Rio de Janeiro, sendo dois na região metropolitana, nos municípios de Niterói e São Gonçalo. O terceiro aconteceu em Macaé, onde foi registrada mais uma morte pela doença. Ao todo, são 21 casos da doença no estado e oito óbitos desde março deste ano.

Segundo as informações divulgadas, os dois registros da região metropolitana são de pessoas que contraíram a doença em Maricá, cidade que já conta com uma morte. Em Macaé, este foi o quarto caso, sendo dois óbitos.

No estado do Rio, Casimiro de Abreu é o município com mais registros, seguido de Macaé, Porciúncula e outras oito cidades que tiveram apenas um caso: Maricá, Silva Jardim, Santa Maria Madalena, São Fidélis, São Pedro da Aldeia, Cachoeiras de Macacu, Niterói e São Gonçalo.

Segundo o último informe do Ministério da Saúde, de 31 de maio, desde dezembro do ano passado, o país teve 792 casos e 274 mortes confirmados por febre amarela. A maior parte dos registros está na região Sudeste, principalmente em Minas Gerais e Espírito Santo, e alguns foram confirmados no Centro Oeste e no Norte. Este é o maior surto da doença no Brasil, e uma intensificação da vacinação vem sendo feita em diversos municípios.

Veja também: ‘Febre Amarela: veja as recomendações do Ministério da Saúde’

Como diagnosticar

Relembre os principais sintomas da febre amarela e de outras doenças que lembram uma virose comum e podem atrapalhar o médico no diagnóstico.

O mais importante vem na segunda fase da doença, onde as complicações e os riscos aparecem. Clique aqui e saiba como cuidar do seu paciente.

Veja mais: ‘Você sabe reconhecer um paciente com febre amarela?’

 

Referências:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.



Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.