Ginecologia e Obstetrícia

Fertilização in vitro e resultados gestacionais precoces após a vacinação contra Covid-19 

Tempo de leitura: 2 min.

Artigos sobre efeitos vacinais adversos resultantes da vacinação contra Covid-19 vêm sendo publicados nos últimos meses em grande quantidade, visto ser uma grande preocupação da população mundial. Além disso, venho observando uma grande preocupação da comunidade científica com a preservação da fertilidade dos casais em idade fértil e que querem conceber durante esse período de pandemia. Por este motivo, trago hoje um artigo sobre fertilização in vitro e resultados gestacionais precoces após a vacinação contra Covid-19. 

Leia também: Inteligência artificial pode melhorar seleção espermática para FIV?

O artigo em questão foi publicado no Obstetrics & Gynecology em janeiro de 2022. É um estudo de coorte retrospectivo, no qual foram incluídas pacientes  submetidas a hiperestimulação ovariana controlada ou transferência de embriões congelados-descongelados euploides únicos em um único centro acadêmico. Pacientes totalmente vacinados com vacina de mRNA Covid-19 foram comparadas com pacientes não vacinadas que ciclaram durante o mesmo período de tempo. 

Metodologia

Entre 222 pacientes vacinadas e 983 pacientes não vacinadas que foram submetidas a ciclos controlados de hiperestimulação ovariana entre fevereiro e setembro de 2021, não houve associação na análise ajustada entre a taxa de vacinação contra Covid-19 e fertilização ou qualquer dos desfechos secundários avaliados: óvulos recuperados, oócitos maduros recuperados, razão de oócitos maduros, taxa de blastulação ou taxa euploide.  

Saiba mais: A infecção pelo SARS-CoV-2 e a vacinação contra Covid-19 interferem na fertilidade do casal?

Entre 214 pacientes vacinadas e 733 pacientes não vacinadas submetidas à transferência de embriões congelados e descongelados euploides únicos, a análise ajustada não demonstrou associação significativa entre vacinação e gravidez clínica (razão de chances ajustada [aOR] 0,79, IC 95% 0,54–1,16) ou qualquer um dos desfechos secundários: gravidez, gravidez em curso, perda de gravidez bioquímica, ou perda clínica da gravidez. 

Conclusão

Os autores concluíram que a administração de vacinas mRNA contra a doença Covid-19 não foram associadas a um efeito adverso na estimulação ovariana ou nos resultados precoces da gravidez após a fertilização in vitro. As descobertas dos pesquisadores contribuem para o crescente corpo de evidências sobre a segurança da vacinação mRNA contra Covid-19 em mulheres que estão tentando engravidar. 

Referências Bibliográficas: 

  • Aharon D, Lederman M, Ghofranian A, Hernandez-Nieto C, Canon C, Hanley W, Gounko D, Lee JA, Stein D, Buyuk E, Copperman AB. In Vitro Fertilization and Early Pregnancy Outcomes After Coronavirus Disease 2019 (COVID-19). Vaccination, Obstetrics & Gynecology. 2022 January 25. doi10.1097/AOG.0000000000004713
Compartilhar
Publicado por
Letícia Suzano Lelis Bellusci

Posts recentes

Suplementos Alimentares no Idoso: pontos de atenção

Os idosos são um grupo de atenção quando o assunto é suplementos alimentares. Saiba mais…

2 horas atrás

Morte encefálica: faz sentido um anestesista em uma cirurgia para doação de órgãos?

A anestesia é usada para amenizar a resposta fisiológica resultante da morte encefálica e otimizar…

3 horas atrás

Você conhece a sequência atrasada de IOT? [podcast]

Neste episódio, o intensivista Vinicius Zofoli conversa sobre a realização da sequência atrasada de intubação…

4 horas atrás

SUS: Sancionada lei que amplia prevenção de câncer em mulheres

Foi sancionada a lei que amplia a prevenção, a detecção e tratamento de diferentes tipos…

5 horas atrás

O escore MELD sódio deve ser ajustado por sexo?

Um estudo avaliou os parâmetros laboratoriais do escore MELD de forma a propor um ajuste…

6 horas atrás

Uso de LOLA no tratamento de encefalopatia hepática aguda grave

A encefalopatia hepática é uma disfunção do sistema nervoso central causada por insuficiência hepática e/ou…

7 horas atrás