IM/ACP 2021: abordagem da dor musculoesquelética aguda - PEBMED

IM/ACP 2021: abordagem da dor musculoesquelética aguda

Sua avaliação é fundamental para que a gente continue melhorando o Portal Pebmed

Quer acessar esse e outros conteúdos na íntegra?

Cadastrar Grátis

Faça seu login ou cadastre-se gratuitamente para ter acesso ilimitado a todos os artigos, casos clínicos e ferramentas do Portal PEBMED

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Seu conteúdo tem o objetivo de informar panoramas recentes da medicina, devendo ser interpretado por profissionais capacitados.

Para diagnósticos e esclarecimentos, busque orientação profissional. Você pode agendar uma consulta aqui.

O Internal Medicine Meeting da American College of Physicians (IM/ACP 2021) é um dos maiores encontros de Medicina Interna da atualidade. Já temos compartilhado muitos conteúdos referentes ao congresso, dentre eles o manejo da dor crônica. Neste texto, falaremos de um tópico próximo, o manejo da dor musculoesquelética aguda, com base na palestra realizada por Devan Kansagara, da Oregon Health and Science University.

médica indicando tratamentos para dor musculoesquelética aguda

Tome as melhores decisões clinicas, atualize-se. Cadastre-se e acesse gratuitamente conteúdo de medicina escrito e revisado por especialistas

Revisão sistemática manejo de dor aguda

A palestra iniciou com uma revisão sistemática que tinha como objetivo o avaliar a eficácia comparativa de tratamentos ambulatoriais para dor aguda (menos de quatro semanas) decorrentes de lesões musculoesqueléticas (excluído dor lombar). Foram incluídos 207 ensaios clínicos, com um total de 32.959 participantes e análise de 45 terapias.

Noventa e nove ensaios (48%) envolveram populações com diversas lesões musculoesqueléticas, 59 (29%) incluíram pacientes com entorses, 13 (6%) com lesão do chicote e 11 (5%) com distensões musculares; os testes restantes incluíram várias lesões, desde fraturas não cirúrgicas a contusões.

Os agentes anti-inflamatórios não esteroidais tópicos (AINEs) provaram ter o maior benefício, seguidos por AINEs orais e paracetamol com ou sem diclofenaco. Os efeitos desses agentes sobre a dor foram modestos. Em relação aos opioides, em comparação com o placebo, o paracetamol associado a um opioide melhorou a dor intermediária (1 a 7 dias), mas não a dor imediata (≤2 horas), o tramadol foi ineficaz e os opioides aumentaram o risco de danos gastrointestinais e neurológicos.

Recomendações guideline ACP para dor aguda

A ACP e a American Academy of Family Physicians (AAFP) recomendam para o tratamento de pacientes com dor aguda musculoesquelética (exceto dor lombar que foi abordada em outro guideline):

  • AINEs tópicos com ou sem mentol como primeria linha de tratamento para reduzir ou aliviar sintomas, incluindo dor, melhorar função física e a satisfação do paciente com o tratamento. (recomendação forte baseada em evidências de certeza moderada);
  • AINEs orais para reduzir ou aliviar sintomas, incluindo dor, melhorar função física e a satisfação do paciente com o tratamento. Também pode ser uma alternativa o paracetamol para reduzir a dor. (uma recomendação condicional com evidência de certeza moderada);
  • Acupuntura para reduzir dor e melhorar a função física, ou com estímulo elétrico transcutâneo para reduzir dor, (uma recomendação condicional com evidência de baixa certeza).

A ACP e a AAFP não sugerem o tratamento de dor aguda musculoesquelética (exceto dor lombar) com opioides, incluindo tramadol. Isso se justifica pelos efeitos colaterais dos opioides (neurológicos e trato gastrointestinal), tendência de os pacientes prolongarem uso de opioides, além de apenas a combinação de paracetamol e opioide ter mostrado melhora em mais de um desfecho. (uma recomendação condicional com evidência de baixa certeza).

Mensagem prática

  • No tratamento de dor aguda, excetuando dor lombar, foi recomendado uso de AINES tópicos como primeira linha. AINES orais, paracetamol, acupuntura e estimulação elétrica transcutânea também devem ser considerados.
  • Não foi recomendado o uso de opioides no tratamento da dor aguda.

Veja mais do congresso:

Autora:

Referências bibliográficas:

  • Amir Qaseem, MD, PhD, MHA et al Nonpharmacologic and Pharmacologic Management of Acute Pain From Non–Low Back, Musculoskeletal Injuries in Adults: A Clinical Guideline From the American College of Physicians and American Academy of Family Physicians. https://doi.org/10.7326/M19-3602
  • Busse JW, et al. Management of Acute Pain From Non-Low Back, Musculoskeletal Injuries : A Systematic Review and Network Meta-analysis of Randomized Trials. Ann Intern Med. 2020 Nov 3;173(9):730-738. doi: 10.7326/M19-3601. Epub 2020 Aug 18. PMID: 32805127.

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Seu conteúdo tem o objetivo de informar panoramas recentes da medicina, devendo ser interpretado por profissionais capacitados.

Para diagnósticos e esclarecimentos, busque orientação profissional. Você pode agendar uma consulta aqui.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Entrar | Cadastrar