Leia mais:
Leia mais:
ADA 2022: empaglifozina ou agonistas de GLP-1 em internações por infarto?
Check-up Semanal: encefalopatia hepática, colicistite aguda e mais! [podcast]
Rivaroxabana profilática pós-infarto previne formação de trombo em ventrículo esquerdo?
Prasugrel melhor que ticagrelor no infarto com angioplastia
Dicas de como manejar um infarto sem supra de ST

Infarto agudo do miocárdio (IAM) com supra do segmento ST pós-TAVI       

Sua avaliação é fundamental para que a gente continue melhorando o Portal Pebmed

O Portal PEBMED é destinado para médicos e demais profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar seu currículo na internet, se conectar com pacientes e aumentar seus diferenciais, crie um perfil gratuito no AgendarConsulta, o site parceiro da PEBMED.

Pacientes submetidos a implante transcateter de válvula aórtica (TAVI) geralmente são mais idosos e pelo menos metade tem algum grau de doença arterial coronariana (DAC), a ocorrência de infarto agudo do miocárdio (IAM) com supradesnivelamento do segmento ST (com supra de ST) é bem mais baixa nesta população do que na população em geral. Porém, quando o paciente apresenta este evento, geralmente tem maior mortalidade e complicações. O IAM após este procedimento pode ser secundário a causas diferentes da aterosclerótica, como obstrução do fluxo coronário, trombose do folheto valvar, embolia para a coronária e migração tardia da válvula. Recentemente foi publicado um estudo que avaliou alguns aspectos desta população de alto risco.

Leia também: ESC 2020: Qual o melhor esquema antitrombótico em pacientes submetidos ao TAVI?

Infarto agudo do miocárdio (IAM) com supra do segmento ST pós-TAVI   

Características do estudo

Estudo multicêntrico que incluiu 118 pacientes, de 38 centros, com IAM com supra após TAVI (0,3% de um total de 42.252 pacientes submetidos ao procedimento). Os pacientes que foram submetidos a angioplastia primária (102 pacientes) foram comparados a um grupo controle, composto por pacientes com IAM sem supra de ST encaminhados a angioplastia primária, sem antecedente de TAVI.

Resultados

A idade média dos pacientes era de 80 anos, metade era do sexo masculino e o risco de mortalidade pelo STS era de 5,6%. Todos foram avaliados com cineangiocoronariografia ou angiotomografia de coronárias antes do procedimento, sendo que 34,7% não tinham doença coronária significativa e 42,4% tinham doença multiarterial. A maioria dos pacientes realizou o procedimento via transfemoral e o tipo de prótese variou entre as autoexpansíveis (54,2%), expansíveis por balão (44,9%) e as expansíveis de forma mecânica (0,8%).

As taxas de AVC foram de 5,1%, complicações vasculares maiores de 44,9% e sangramento grave de 4,2%. Na alta, 60,1% recebeu dupla antiagregação plaquetária, 21,2% anticoagulação oral e 17% antiagregação única.

O intervalo entre o procedimento e a ocorrência de IAM com supra foi de 255 dias, sendo que 34% ocorreu no mês seguinte ao procedimento. O tempo médio entre o início dos sintomas e a chegada ao hospital foi de 130 minutos e o ECG mostrou IAM anterior em 35,6% dos casos, inferior em 32,2% e lateral em 5,9%. Na avaliação inicial, 46,6% tinham sinais de insuficiência cardíaca e desses, 17,8% tinham choque cardiogênico e 11% apresentaram parada cardiorrespiratória. 86% dos pacientes foram para angioplastia primária, um paciente recebeu trombólise pré-hospitalar e o restante foi tratado clinicamente, sem realização de exame invasivo.

A mortalidade intra-hospitalar foi de 25,4%, ocorrência de AVC de 6,8% e insuficiência renal aguda de 12,7%. A mortalidade dos pacientes que não foram submetidos a intervenção coronária percutânea foi de 60%.

Saiba mais: ACC 2021: sacubitril + valsartana ou ramipril para pacientes com IAM e IC?

Quando esses pacientes foram comparados a pacientes com IAM com supra sem TAVI prévia, os primeiros tinham idade mais avançada (80 x 64 anos) e maior presença de comorbidades, como diabetes (31,4% x 16,6%), hipertensão (83,3% x 50,8%), DAC prévia (69,6% x 12,5%) e cirurgia de revascularização miocárdica (13,7% x 1,1%). Todas essas diferenças foram significantes, com p < 0,001.

O tempo médio para a chegada ao hospital foi maior no grupo controle (130 x 180 min), porém o tempo porta balão foi 33% maior no grupo com TAVI (40 x 30 min). Os procedimentos nos pacientes com TAVI foram mais demorados, com maior uso de contraste e maior número de injeções não seletivas. Além disso, os resultados mostraram maior ocorrência de processo não aterosclerótico como causador do IAM (17,6 x 4,3%), sendo o mecanismo mais comum a embolia coronária relacionada ao procedimento, que ocorreu em 12 pacientes (em 10 pacientes ocorreu no mesmo dia). Angioplastia sem sucesso ocorreu com mais frequência nos pacientes com TAVI (16,5% x 3,9%).

No seguimento médio de 7 meses após o IAM, 42,4% dos pacientes morreram. As taxas de mortalidade, AVC, IAM e eventos cardiovasculares maiores por 100 pessoas ano foram respectivamente 34,1, 6,0, 4,9, e 46,9 e os fatores associados a maior risco de mortalidade foram clearence < 60, Killip ≥ 2 e angioplastia sem sucesso. O risco de mortalidade, AVC e eventos cardiovasculares maiores foram mais altos nesta população quando comparado aos com IAM com supra sem TAVI prévia.

Discussão e conclusão

Paciente submetidos a TAVI tem baixa ocorrência de IAM com supra de ST e quando o tem, chegam rapidamente ao hospital, provavelmente por já terem diagnóstico de doença cardíaca. Porém, o tempo porta balão e a taxa de angioplastia sem sucesso é maior neste grupo de pacientes e tem correlação com a mortalidade, que foi bastante alta tanto no intra-hospitalar (25%) quanto no seguimento (33%). O insucesso da angioplastia pode estar relacionado a dificuldade de acesso a coronária devido a presença da prótese.

Além disso, outros motivos que podem ter contribuído para este desfecho pior podem ser a idade mais avançada dos pacientes e a apresentação inicial mais instável, com sinais de IC, choque cardiogênico e PCR, o que também contribuiu para a não realização de estudo invasivo em uma parte dos pacientes.

É importante ressaltar que os pacientes deste estudo eram de risco intermediário e alto e estes achados podem não se aplicar aos pacientes com TAVI de baixo risco.

Concluindo: IAM com supra pós-TAVI é raro, porém com desfecho pior. Mais estudos são necessários, principalmente na tentativa de técnicas que facilitem o acesso à coronária para realização de angioplastia nestes casos, técnicas no implante da prótese que possam diminuir a ocorrência de complicações como a embolia de coronária, além de estudos que avaliem o melhor meio para manejo do infarto não aterotrombótico.

Referências bibliográficas:

  • Faroux F, et al. ST-Segment Elevation Myocardial Infarction Following Transcatheter Aortic Valve Replacement. J Am Coll Cardiol. 2021 May, 77 (17) 2187–2199. doi: 10.1016/j.jacc.2021.03.014
Autor(a):

Cadastre-se ou faça login para acessar esse e outros conteúdos na íntegra
Cadastre-se grátis Fazer login
Veja mais beneficios de ser usuário do Portal PEBMED: Veja mais beneficios de ser usuário
do Portal PEBMED:
7 dias grátis com o Whitebook Aplicativo feito para você, médico, desenhado para trazer segurança e objetividade à sua decisão clínica.
Acesso gratuito ao Nursebook Acesse informações fundamentais para o seu dia a dia como anamnese, semiologia.
Acesso gratuito Fórum Espaço destinado à troca de experiências e comentários construtivos a respeito de temas relacionados à Medicina e à Saúde.
Acesso ilimitado Tenha acesso a noticias, estudos, atualizacoes e mais conteúdos escritos e revisados por especialistas
Teste seus conhecimentos Responda nossos quizes e estude de forma simples e divertida
Conteúdos personalizados Receba por email estudos, atualizações, novas condutas e outros conteúdos segmentados por especialidades
Referências bibliográficas:

    O Portal PEBMED é destinado para médicos e demais profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

    Caso tenha interesse em divulgar seu currículo na internet, se conectar com pacientes e aumentar seus diferenciais, crie um perfil gratuito no AgendarConsulta, o site parceiro da PEBMED.

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado.

    Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.