Pebmed - Notícias e Atualizações em Medicina
Cadastre-se grátis
Home / Clínica Médica / Já ouviu falar da síndrome de overtraining?
costas musculosas de mulher com síndrome de overtraining

Já ouviu falar da síndrome de overtraining?

Acesse para ver o conteúdo
Esse conteúdo é exclusivo para usuários do Portal PEBMED.

Para continuar lendo, faça seu login ou inscreva-se gratuitamente.

Preencha os dados abaixo para completar seu cadastro.

Ao clicar em inscreva-se, você concorda em receber notícias e novidades da medicina por e-mail. Pensando no seu bem estar, a PEBMED se compromete a não usar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.

Inscreva-se ou

Seja bem vindo

Voltar para o portal

O sucesso de um treinamento envolve a aplicação de cargas e recuperação adequadas para ganho de performance. A fadiga esperada pós-treino gera pequena queda de performance pontual, porém posterior ganho após descanso, o que leva o nome de overreaching funcional. Caso o balanço entre o estresse do treinamento e a recuperação não seja alcançado, uma resposta anormal pode ocorrer. Tal resposta, queda de performance, é chamada de overreaching não funcional.

A síndrome de overtraining é definida como o estado de má adaptação que se prolonga por mais de dois meses.

Embora seja descrita como excesso de treinamento, a etiologia da síndrome de overtraining é multifatorial, por isso é necessário a exclusão de fatores confundidores de cansaço no atleta, como doenças orgânicas, infecções, dietas restritivas, além de distúrbios do sono.

Seus sintomas englobam alterações psicológicas, fisiológicas, bioquímicas e imunológicas. Alterações de humor, fadiga persistente, dificuldade de concentração e insônia são alguns deles.

Mais da autora: Medicina de aventura: viajando para altitude

Não há uma ferramenta única para o diagnóstico de má adaptação do atleta, sendo recomendado a combinação das medidas das cargas internas e externas relevantes específicas para a natureza de cada esporte. Testes de desempenho, biomarcadores (ex.: testosterona e cortisol), marcadores fisiológicos (ex.: variabilidade cardíaca) e questionários de humor e recuperação podem auxiliar nesse diagnóstico.

O tratamento deve ser específico e individualizado, sendo o repouso o principal elemento. Atentar aos fatores nutricionais e distúrbios de humor que devem ser tratados quando identificados.

Por fim, a prevenção, por meio da monitorização do treinamento, do conhecimento do estado físico e psicológico do atleta, além do estímulo a bons padrões de nutrição e sono é fundamental.

Inscreva-se agora e receba todas as atualizações em Medicina! 

Autor:

Referências bibliográficas:

  • Burke L, Deakin V. Clinial sports nutrition. 5th edition. Australia: Mc Graw Hill education; 2017.
  • Soligard T, Schwellnus M, Alonso JM, et al. How much is too much? (Part 1) International Olympic Committee consensus statement on load in sport and risk of injury. Br J Sports Med. 2016 Sep;50(17):1030-41
  • Soligard T, Schwellnus M, Alonso JM, et al. How much is too much? (Part 2) International Olympic Committee consensus statement on load in sport and risk of illness. Br J Sports Med. 2016 Sep;50(17):1043-52.
  • Load, Overload, and Recovery in the Athlete: Select Issues for the Team Physician-A Consensus Statement. Med Sci Sports Exerc. 2019 Apr;51(4):821-828.
  • Overtraining syndrome in athletes – UpToDate. Halson S. Jul 2019.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.