Página Principal > Colunistas > Mudança de hábito: vale a pena solicitar hemoglobina glicada aos pacientes com hiperglicemia hospitalar
teste glicose

Mudança de hábito: vale a pena solicitar hemoglobina glicada aos pacientes com hiperglicemia hospitalar

Como já foi definida previamente, a hiperglicemia hospitalar (HH) é a elevação da glicemia maior que 140 mg/dL em ambiente intra-hospitalar. Várias situações estão incluídas neste diagnóstico:

  • Pacientes com diabetes mellitus (DM) prévio que apresentam descompensação glicêmica no momento da internação.
  • Pacientes que não sabiam ter DM e fazem o diagnóstico no momento da internação, e
  • Pacientes sabidamente normoglicêmicos, que apresentam hiperglicemia na internação.

A hemoglobina glicada (ou HbA1c) é um exame que reflete a exposição da hemoglobina à glicose no sangue. Como usualmente o tempo médio de vida de uma hemácia é, em média, de 100 a 120 dias, o exame de HbA1c nos dá uma ideia de como foi a média da glicemia nos últimos três meses. A glicação é um processo não enzimático e a glicosilação seria um processo enzimático. Como a hemoglobina é alvo de um processo não enzimático pela glicose, o termo “hemoglobina glicada” é mais apropriado do que “hemoglobina glicosilada”.

Quer receber diariamente notícias médicas no seu WhatsApp? Cadastre-se aqui!

O estudo ADAG (A1c-Derived Average Glucose Study) avaliou pacientes com DM1, DM2 e sem DM para a correlação do exame de HbA1c e a média estimada de glicemia. A correlação linear entre a HbA1c e a concentração plasmática de glicose resultou na fórmula: Média estimada de glicemia (em mg/dL) = 28,7 x HbA1c (em %) – 46,7. A tabela abaixo mostra exemplos de valores de HbA1c e a correspondente média estimada de glicemia dos últimos três meses:

Hemoglobina glicada (HbA1c, em %)

Média estimada de glicemia (em mg/dL) dos últimos três meses
5

97

6

126

7

154

8

183

9

212

10

240

11

269

12

298

 

Devemos avaliar o resultado da hemoglobina glicada com maior cuidado em pacientes com hemoglobinopatias ou situações em que há maior ou menor produção de hemácias (turn over). São condições que interferem no turn over de hemácias: a gestação (segundo e terceiro trimestre), a perda ou a transfusão sanguíneas recentes, o uso de eritropoetina, anemias hemolíticas, deficiência nutricional de ferro, ácido fólico e vitamina B12, entre outras.

Diretrizes e consensos recentes recomendam a solicitação de HbA1c para os pacientes hospitalizados que desenvolvam hiperglicemia hospitalar. O exame de hemoglobina glicada (HbA1c) deve ser solicitado logo no início da internação e pode ter grande importância diagnóstica, especialmente na diferenciação entre hiperglicemia de estresse e DM não diagnosticado. O exame de HbA1c pode nos auxiliar na definição do de DM prévio à internação. Um exame de HbA1c maior ou igual a 6,5% define o diagnóstico de diabetes mellitus, inclusive em ambiente hospitalar.  A HbA1c também pode nos ajudar a adequar o tratamento do paciente na alta hospitalar. Quanto maior a HbA1c do paciente, mais agressivo  deve ser o tratamento ambulatorial do DM na alta hospitalar, pois indica que o controle glicêmico prévio à internação já estava inadequado.

Mais do autor: ‘Hipoglicemia no hospital: faz sentido tratar com glicose endovenosa todos os pacientes?’

O aplicativo InsulinAPP também pode nos auxiliar nas orientações para a alta hospitalar dos pacientes que desenvolvem hiperglicemia hospitalar, independente de diagnóstico prévio conhecido ou não de DM. O InsulinAPP é um aplicativo brasileiro que foi desenvolvido por médicos endocrinologistas do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP que auxilia no controle glicêmico hospitalar.

O  aplicativo  está  disponível  gratuitamente  para  smartphones  com  sistemas iOS  (iPhone, iPad) e Android, além da versão web para desktops. Para acesso ao Facebook, clique aqui.

Autor:

Referências:

  • Umpierrez GE, Hellman R, Korytkowski MT, Kosiborod M, Maynard GA, Montori VM, Seley JJ, 165 Van den Berghe G; Endocrine Society. Management of hyperglycemia in hospitalized patients in 166 non-critical care setting: an endocrine society clinical practice guideline. J Clin Endocrinol Metab. 167 2012;97(1):16-38.
  • Pasquel FJ, Gomez-Huelgas R, Anzola I, Oyedokun F, Haw JS, Vellanki P, Peng L, Umpierrez GE. Predictive Value of Admission Hemoglobin A1c on Inpatient Glycemic Control and Response to Insulin Therapy in Medicine and Surgery Patients With Type 2 Diabetes. Diabetes Care. 2015 Dec; 38(12): e202–e203.
  • American Diabetes Association. Classification and Diagnosis of Diabetes. Diabetes Care 2017 Jan; 40(Supplement 1): S11-S24.
  • Nathan DM, Kuenen J, Borg R, Zheng H, Schoenfeld D, Heine RJ; A1c-Derived Average Glucose Study Group. Translating the A1C assay into estimated average glucose values. Diabetes Care. 2008;31(8):1473-8.
  • Toyoshima MT, de Souza AB, Admoni SN, Cukier P, Lottenberg SA, Latronico AC, Nery M. New digital tool to facilitate subcutaneous insulin therapy orders: an inpatient insulin dose calculator. Diabetol Metab Syndr. 2015 Dec 21;7:114.

Um comentário

  1. Marcelo de Castro Lima

    Muito bom o conteúdo. Um assunto por vezes mais capcioso pros não endocrinologistas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.