Leia mais:
Leia mais:
A seleção de medicamentos anticonvulsivantes para o tratamento da epilepsia
Gravidez e Covid-19: quais os riscos? [podcast]
Nervo vago: terapia de estimulação como aliado contra crises epilépticas
Pandemia causa redução no uso de anticoncepcionais
Quais colírios usar no atendimento ou prescrever para tratamento de gestantes?

Mudanças na frequência de convulsões e drogas para epilepsia durante a gravidez

Sua avaliação é fundamental para que a gente continue melhorando o Portal Pebmed

Quer acessar esse e outros conteúdos na íntegra?

Cadastrar Grátis

Faça seu login ou cadastre-se gratuitamente para ter acesso ilimitado a todos os artigos, casos clínicos e ferramentas do Portal PEBMED

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar seu currículo na internet, se conectar com pacientes e aumentar seus diferenciais, crie um perfil gratuito no AgendarConsulta, o site parceiro da PEBMED.

O acompanhamento de uma gestante portadora de epilepsia ou que desenvolve síndrome convulsiva durante a gravidez pode representar a necessidade de equilíbrio entre a necessidade de medicamentos para controle das crises que podem ser ruins para a mãe, para o feto ou até fatais para ambos e a possibilidade de efeitos colaterais das drogas utilizadas para esses fins no feto em desenvolvimento.

Leia também: Epilepsia de lobo temporal: aspectos importantes para a prática clínica

Mudanças na frequência de convulsões e drogas antiepilépticas durante a gravidez

Tome as melhores decisões clinicas, atualize-se. Cadastre-se e acesse gratuitamente conteúdo de medicina escrito e revisado por especialistas

Estudos recentes

Vários estudos citam taxas próximas de 79% de aumento nas crises de epilepsia, podendo evoluir com morte súbita relacionada às crises convulsivas durante a gravidez. A Academia Americana de Neurologia ainda tem poucos estudos que comprovem que a gravidez piora as crises em pacientes convulsivos prévias por falta de estudos com controles não grávidas para observar sua evolução durante a gravidez.

Com intuito de estudar gestantes e não gestantes, foi publicado no New England Journal Of Medicine em 24 de dezembro de 2020 um estudo com os seguintes objetivos:

  1. Mulheres epilépticas prévias têm maior frequência de crises durante a gravidez do que fora da gravidez.
  2. Avaliar se esse aumento de frequência se dá no pré parto, durante o parto ou pós-parto.
  3. Avaliar mudança de dose das drogas anticonvulsivantes durante a gravidez e fora dela e os fatores de risco fetais com essa mudança de dose.

Através de um estudo observacional, prospectivo reunindo 20 centros americanos que trabalham com síndromes convulsivas, incluindo mulheres de 14 a 45 anos de idade, basicamente excluindo aquelas que não conseguiam fazer a contagem do número de crises (por doença neurológica instalada e avançada), que tenham feito abuso de álcool ou drogas no último ano, QI menor que 70 ou que tenham feito alterações nas dosagens de suas medicações nos últimos 90 dias ou recentemente antes da gravidez. A avaliação foi feita de dezembro de 2012 a janeiro de 2016, resultando numa coorte de 460 mulheres (351 grávidas e 109 controles).

Saiba mais: Epilepsia: conheça o guia básico de prescrição de drogas anti-epilépticas [Purple Day]

As gestantes recebiam visitas regulares durante a gestação (pré parto número total de 4visitas, periparto em até 10 dias e seguimento por 18 meses pós parto) e anotações eram feitas checando número de crises, mudanças de medicações, eventos gestacionais como abortos, óbitos fetais.

Conclusões do estudo:

  • As pacientes apresentaram maior frequência de crises durante a gravidez do que no período de peri ou pós parto. Sendo similar no grupo de não grávidas que era acompanhado em paralelo.
  • As mudanças de dosagens das medicações foram observadas nas gestantes em relação ao mesmo período observacional das não gestantes.

Por se tratar de estudo observacional as limitações observadas relacionaram-se às possíveis classificações dos subtipos de crises convulsivas que poderiam ser utilizadas e a monitorização do uso das medicações pode não ter sido eficaz já que os dados eram registrados somente nas visitas às pacientes e controles.

Autor(a):

Referências bibliográficas:

  • Pennell PB, et al. Changes in Seizure Frequency and Antiepileptic Therapy during Pregnancy. N Engl J Med 2020; 383:2547-2556. doi: 10.1056/NEJMoa2008663
Cadastre-se ou faça login para acessar esse e outros conteúdos na íntegra
Cadastrar Fazer login
Veja mais beneficios de ser usuário do Portal PEBMED: Veja mais beneficios de ser usuário
do Portal PEBMED:
7 dias grátis com o Whitebook Aplicativo feito para você, médico, desenhado para trazer segurança e objetividade à sua decisão clínica.
Acesso gratuito ao Nursebook Acesse informações fundamentais para o seu dia a dia como anamnese, semiologia.
Acesso gratuito Fórum Espaço destinado à troca de experiências e comentários construtivos a respeito de temas relacionados à Medicina e à Saúde.
Acesso ilimitado Tenha acesso a noticias, estudos, atualizacoes e mais conteúdos escritos e revisados por especialistas
Teste seus conhecimentos Responda nossos quizes e estude de forma simples e divertida
Conteúdos personalizados Receba por email estudos, atualizações, novas condutas e outros conteúdos segmentados por especialidades

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar seu currículo na internet, se conectar com pacientes e aumentar seus diferenciais, crie um perfil gratuito no AgendarConsulta, o site parceiro da PEBMED.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Entrar | Cadastrar