Novos anticoagulantes orais no perioperatório e situações de sangramento: o que a nova diretriz recomenda

Sua avaliação é fundamental para que a gente continue melhorando o Portal Pebmed

Quer acessar esse e outros conteúdos na íntegra?

Cadastrar Grátis

Faça seu login ou cadastre-se gratuitamente para ter acesso ilimitado a todos os artigos, casos clínicos e ferramentas do Portal PEBMED

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar seu currículo na internet, se conectar com pacientes e aumentar seus diferenciais, crie um perfil gratuito no AgendarConsulta, o site parceiro da PEBMED.

Tempo de leitura: [rt_reading_time] minutos.

Os novos anticoagulantes (NOACs) já são amplamente utilizados no dia a dia dos médicos. Para ajudar os profissionais de saúde no manejo desses medicamentos no perioperatório e situações de sangramento, a American Heart Association (AHA) publicou um novo guideline.

Entre as recomendações, você não pode deixar de saber:

– Os NOACs estão amplamente disponíveis como alternativas ou terapias de primeira linha para a prevenção do AVC na fibrilação atrial e tromboembolismo venoso.

– Os NOACs funcionam através da inibição direta da trombina (dabigatrana) ou do fator Xa (rivaroxabana, apixabana e edoxaban). Cada um deles tem um início de ação rápido, uma meia-vida mais curta e uma farmacocinética mais previsível em comparação com a varfarina.

– Embora não recomendado rotineiramente, o monitoramento laboratorial é possível para os NOACs. Um tempo de tromboplastina parcial (PTT) normal provavelmente exclui os níveis terapêuticos de dabigatrana. Um nível de atividade anti-Xa indetectável provavelmente exclui concentrações clinicamente relevantes de rivaroxabana, apixabana e edoxaban.

– Hospitais devem adotar protocolos de reversão de anticoagulantes com representação multidisciplinar

Veja também: ‘Conduta de emergência em sangramentos pelos novos anticoagulantes’

– O efeito anticoagulante da dabigatrana é rapidamente revertido com idarucizumab dado como duas infusões intravenosas consecutivas de 2,5 g cada. Os concentrados do complexo protrombínico (PCCs) e hemodiálise também podem ser eficazes, especialmente se implementados dentro de algumas horas de ingestão oral.

– Rivaroxabana, apixabana e edoxaban não têm um agente de reversão específico disponível atualmente. As opções de manejo incluem a utilização de PCCs fator IV ou plasma fresco congelado.

– Ainda no contexto de hemorragia intracraniana e uso concomitante de NOAC, recomenda-se um controle rápido da pressão sanguínea até < 140 mmHg. Não está claro se/quando um NOAC pode ser reintroduzido após uma hemorragia intracraniana

– Em pacientes em terapia com NOACs que sofrem um AVC isquêmico agudo, recomenda-se evitar o uso de ativadores de plasminogênio tecidual recombinante, a menos que testes laboratoriais sensíveis sejam normais ou o doente não tenha tomado um NOAC em > 48 horas. Em geral, recomenda-se suspender a retomada de qualquer anticoagulante durante 1 – 2 semanas após um AVC em pacientes com FA (menor tempo para pacientes que sofrem de ataques isquêmicos transitórios ou AVCs menores, não incapacitantes).

– Em doentes submetidos a um procedimento de baixo risco de sangramento (por exemplo, pequenas cirurgias dentárias, dermatológicas, oftalmológicas ou endoscopias sem biópsia), recomenda-se não interromper o NOAC para o procedimento.

– Em caso de procedimentos com risco de hemorragia moderado – elevado, recomenda-se a suspensão do NOAC com base na depuração da creatinina (única para cada subclasse de NOAC). Devido a curta meia-vida dos NOACs, não é necessária heparina para estes pacientes.

– Para pacientes em terapia crônica com NOAC que sofrem de uma síndrome coronária aguda e necessitem de cateterização cardíaca urgente, deve iniciar-se a terapia antiplaquetária dupla (DAPT) e heparina adequadas e o NOAC interrompido.

– Em pacientes com FA submetidos a stent coronariano, pesar os benefícios e riscos ao determinar a duração da terapia tripla (anticoagulantes mais DAPT). O uso de inibidores da bomba de próton e a prevenção de medicamentos anti-inflamatórios não esteroides são aconselhados durante este período.

Referências:

Cadastre-se ou faça login para acessar esse e outros conteúdos na íntegra
Cadastrar Fazer login
Veja mais beneficios de ser usuário do Portal PEBMED: Veja mais beneficios de ser usuário
do Portal PEBMED:
7 dias grátis com o Whitebook Aplicativo feito para você, médico, desenhado para trazer segurança e objetividade à sua decisão clínica.
Acesso gratuito ao Nursebook Acesse informações fundamentais para o seu dia a dia como anamnese, semiologia.
Acesso gratuito Fórum Espaço destinado à troca de experiências e comentários construtivos a respeito de temas relacionados à Medicina e à Saúde.
Acesso ilimitado Tenha acesso a noticias, estudos, atualizacoes e mais conteúdos escritos e revisados por especialistas
Teste seus conhecimentos Responda nossos quizes e estude de forma simples e divertida
Conteúdos personalizados Receba por email estudos, atualizações, novas condutas e outros conteúdos segmentados por especialidades

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar seu currículo na internet, se conectar com pacientes e aumentar seus diferenciais, crie um perfil gratuito no AgendarConsulta, o site parceiro da PEBMED.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Entrar | Cadastrar