Página Principal > Cardiologia > Novos anticoagulantes orais no perioperatório e situações de sangramento: o que a nova diretriz recomenda
mão segurando vários medicamentos

Novos anticoagulantes orais no perioperatório e situações de sangramento: o que a nova diretriz recomenda

Os novos anticoagulantes (NOACs) já são amplamente utilizados no dia a dia dos médicos. Para ajudar os profissionais de saúde no manejo desses medicamentos no perioperatório e situações de sangramento, a American Heart Association (AHA) publicou um novo guideline.

Entre as recomendações, você não pode deixar de saber:

– Os NOACs estão amplamente disponíveis como alternativas ou terapias de primeira linha para a prevenção do AVC na fibrilação atrial e tromboembolismo venoso.

– Os NOACs funcionam através da inibição direta da trombina (dabigatrana) ou do fator Xa (rivaroxabana, apixabana e edoxaban). Cada um deles tem um início de ação rápido, uma meia-vida mais curta e uma farmacocinética mais previsível em comparação com a varfarina.

– Embora não recomendado rotineiramente, o monitoramento laboratorial é possível para os NOACs. Um tempo de tromboplastina parcial (PTT) normal provavelmente exclui os níveis terapêuticos de dabigatrana. Um nível de atividade anti-Xa indetectável provavelmente exclui concentrações clinicamente relevantes de rivaroxabana, apixabana e edoxaban.

– Hospitais devem adotar protocolos de reversão de anticoagulantes com representação multidisciplinar

Veja também: ‘Conduta de emergência em sangramentos pelos novos anticoagulantes’

– O efeito anticoagulante da dabigatrana é rapidamente revertido com idarucizumab dado como duas infusões intravenosas consecutivas de 2,5 g cada. Os concentrados do complexo protrombínico (PCCs) e hemodiálise também podem ser eficazes, especialmente se implementados dentro de algumas horas de ingestão oral.

– Rivaroxabana, apixabana e edoxaban não têm um agente de reversão específico disponível atualmente. As opções de manejo incluem a utilização de PCCs fator IV ou plasma fresco congelado.

– Ainda no contexto de hemorragia intracraniana e uso concomitante de NOAC, recomenda-se um controle rápido da pressão sanguínea até < 140 mmHg. Não está claro se/quando um NOAC pode ser reintroduzido após uma hemorragia intracraniana

– Em pacientes em terapia com NOACs que sofrem um AVC isquêmico agudo, recomenda-se evitar o uso de ativadores de plasminogênio tecidual recombinante, a menos que testes laboratoriais sensíveis sejam normais ou o doente não tenha tomado um NOAC em > 48 horas. Em geral, recomenda-se suspender a retomada de qualquer anticoagulante durante 1 – 2 semanas após um AVC em pacientes com FA (menor tempo para pacientes que sofrem de ataques isquêmicos transitórios ou AVCs menores, não incapacitantes).

As melhores condutas médicas você encontra no Whitebook. Baixe o aplicativo #1 dos médicos brasileiros. Clique aqui!

– Em doentes submetidos a um procedimento de baixo risco de sangramento (por exemplo, pequenas cirurgias dentárias, dermatológicas, oftalmológicas ou endoscopias sem biópsia), recomenda-se não interromper o NOAC para o procedimento.

– Em caso de procedimentos com risco de hemorragia moderado – elevado, recomenda-se a suspensão do NOAC com base na depuração da creatinina (única para cada subclasse de NOAC). Devido a curta meia-vida dos NOACs, não é necessária heparina para estes pacientes.

– Para pacientes em terapia crônica com NOAC que sofrem de uma síndrome coronária aguda e necessitem de cateterização cardíaca urgente, deve iniciar-se a terapia antiplaquetária dupla (DAPT) e heparina adequadas e o NOAC interrompido.

– Em pacientes com FA submetidos a stent coronariano, pesar os benefícios e riscos ao determinar a duração da terapia tripla (anticoagulantes mais DAPT). O uso de inibidores da bomba de próton e a prevenção de medicamentos anti-inflamatórios não esteroides são aconselhados durante este período.

Veja aqui a publicação completa do AHA.

Referências:

  • Management of Patients on Non–Vitamin K Antagonist Oral Anticoagulants in the Acute Care and Periprocedural Setting: A Scientific Statement From the American Heart Association. Circulation 2017;Feb 6:[Epub ahead of print]. – Disponível em: https://www.acc.org/latest-in-cardiology/ten-points-to-remember/2017/02/17/14/15/management-of-patients-on-noacs

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.