Leia mais:
Leia mais:
O início do tratamento anti-hipertensivo pode ter impacto na qualidade de vida?
Quiz: Mulher com lesões amareladas nas pálpebras. Qual o diagnóstico?
Renina e o diagnóstico de hiperaldosteronismo primário
ESC 2021: qual é a meta pressórica ideal em pacientes hipertensos idosos?
ESC 2021: produto “substituto do sal” pode reduzir o risco cardiovascular

O início do tratamento anti-hipertensivo pode ter impacto na qualidade de vida?

Sua avaliação é fundamental para que a gente continue melhorando o Portal Pebmed

Quer acessar esse e outros conteúdos na íntegra?

Cadastrar Grátis

Faça seu login ou cadastre-se gratuitamente para ter acesso ilimitado a todos os artigos, casos clínicos e ferramentas do Portal PEBMED

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar seu currículo na internet, se conectar com pacientes e aumentar seus diferenciais, crie um perfil gratuito no AgendarConsulta, o site parceiro da PEBMED.

A hipertensão não controlada leva a aumento de morbidade e mortalidade. Alguns dos motivos que podem contribuir para o controle inadequado são a má aderência medicamentosa e a inércia médica (falha em iniciar ou intensificar o tratamento anti-hipertensivo em pacientes com a doença não controlada). 

O diagnóstico e tratamento da hipertensão estão associados ao impacto na qualidade de vida relacionada a saúde (QVRS), que pode também contribuir para a má aderência ao tratamento. Alguns estudos sugerem que a QVRS pode melhorar ao longo do tempo, porém os estudos que avaliaram estes aspectos são controversos e o motivo para essas alterações não é muito claro.

Foi feito então um estudo que avaliou alteração da QVRS por meio do questionário EQ-5D e sua relação com fatores de risco maiores para doença cardiovascular (DCV) em pacientes recém-diagnosticados com hipertensão, no primeiro ano de tratamento.

Leia também: Whitebook: hipertensão

O início do tratamento anti-hipertensivo pode ter impacto na qualidade de vida?

Tome as melhores decisões clinicas, atualize-se. Cadastre-se e acesse gratuitamente conteúdo de medicina escrito e revisado por especialistas

Características do estudo e população envolvida

Estudo observacional realizado em centros de atenção primária da Finlândia, entre 2015 e 2018. Os critérios de inclusão eram: pacientes entre 30 e 75 anos que iriam iniciar o tratamento anti-hipertensivo pela primeira vez por diagnóstico de hipertensão, que tivessem celular com possibilidade de receber SMS e que fossem capazes de cuidar de sua medicação, medir a pressão arterial (PA) de forma adequada e que concordassem em receber prescrições eletrônicas.

Todos os pacientes tinham medias de peso, altura, PA e circunferência abdominal. A PA no consultório foi considerada a média de 3 medidas e a PA residencial a média de todas as medidas por 7 dias (três medidas realizadas duas vezes ao dia, entre 6 e 9 horas da manhã e entre 6 e 9 horas da noite). Foram realizados exames laboratoriais e eletrocardiograma (ECG).

Para a avaliação da qualidade de vida foi utilizado o questionário EQ-5D, que avalia cinco domínios da saúde: mobilidade, autocuidado, atividade habituais, dor/desconforto, ansiedade/depressão, sendo que cada domínio recebe uma pontuação de 1 a 3 (sem problemas, problemas moderados, problemas graves). A informação do questionário foi convertida para uma escala que varia de 0,59 a 1,00, sendo 1 a melhor QVRS possível. Além disso, esse questionário tem uma escala visual para avaliação da percepção de saúde como um todo, com pontuação que varia de 0 (o pior possível) a 100 (o melhor possível). O questionário foi aplicado no início do tratamento e ao final do primeiro ano.

O grupo intervenção foi avaliado pelo médico e recebeu auxílio de um checklist para início da medicação e de SMS personalizado por 12 meses e o grupo controle recebeu o tratamento habitual. O alvo de PA estabelecido foi < 140×90 mmHg para a maioria da população e 140×80 mmHg para os diabéticos. Para as medidas domiciliares, os alvos estabelecidos foram respectivamente 135×85 mmHg e 135×75 mmHg. 

Resultados

Foram avaliados 111 pacientes, 57 no grupo intervenção e 54 no grupo controle. Do total, 62% eram mulheres e a idade média era de 59 anos.  

Após um ano houve redução significativa das medidas de PA no consultório e residencial, tanto sistólica quanto diastólica, redução do colesterol total, do LDL e do consumo de álcool. Houve mudança do tratamento medicamentoso por ocorrência de efeitos colaterais em 23% dos pacientes. Ao final do primeiro ano, 30% dos pacientes estavam no alvo da medida de PA no consultório e 36% no alvo da medida residencial. 

A QVRS, avaliada pelo índice do EQ-5D piorou e a tendência foi semelhante em todos os domínios, porém a magnitude dessa piora foi pequena (0,045), próxima do valor considerado mínimo (0,05) para representar uma mudança significativa. Além disso, o valor do índice encontrado neste estudo (0,87) foi maior que em estudos prévios. A escala visual permaneceu semelhante e os outros desfechos do estudo não tiveram mudança significativa.

Saiba mais: Hipertensão arterial na gestação e suas múltiplas faces

Este estudo mostrou redução de diversos fatores de risco cardiovasculares no primeiro ano de tratamento da hipertensão e uma piora leve da QVRS, sendo que não houve correlação do nível de mudança da PA com a QVRS

Apenas receber o diagnóstico de hipertensão pode ter impacto na QVRS, porém este efeito parece não ser permanente. Além disso, outros fatores relacionados a baixa QVRS são tratáveis (dislipidemia, depressão, tabagismo, macroalbuminúria) e a QVRS pode aumentar ao longo do tempo. Os mecanismos que parecem ter relação com a melhora são a boa relação médico-paciente, ênfase em mudanças de estilo de vida, principalmente realização de atividade física, além de bom controle do tratamento, aderência medicamentosa e continuidade do cuidado.

Conclusão

Mais estudos nesta área, principalmente estudos longitudinais e de duração mais prolongada, poderão trazer mais informações que auxiliem na elaboração de intervenções e protocolos de tratamento que melhorem o controle da hipertensão e a QVRS.

Autor(a):

Referências bibliográficas:

  • Thakola A, et al. The impact of antihypertensive treatment initiation on health-related quality of life and cardiovascular risk factor levels: a prospective, interventional study. BMC Cardiovascular Disorders. 2021;21(444). doi: 10.1186/s12872-021-02252-7.
Cadastre-se ou faça login para acessar esse e outros conteúdos na íntegra
Cadastrar Fazer login
Veja mais beneficios de ser usuário do Portal PEBMED: Veja mais beneficios de ser usuário
do Portal PEBMED:
7 dias grátis com o Whitebook Aplicativo feito para você, médico, desenhado para trazer segurança e objetividade à sua decisão clínica.
Acesso gratuito ao Nursebook Acesse informações fundamentais para o seu dia a dia como anamnese, semiologia.
Acesso gratuito Fórum Espaço destinado à troca de experiências e comentários construtivos a respeito de temas relacionados à Medicina e à Saúde.
Acesso ilimitado Tenha acesso a noticias, estudos, atualizacoes e mais conteúdos escritos e revisados por especialistas
Teste seus conhecimentos Responda nossos quizes e estude de forma simples e divertida
Conteúdos personalizados Receba por email estudos, atualizações, novas condutas e outros conteúdos segmentados por especialidades

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar seu currículo na internet, se conectar com pacientes e aumentar seus diferenciais, crie um perfil gratuito no AgendarConsulta, o site parceiro da PEBMED.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Entrar | Cadastrar