Pebmed - Notícias e Atualizações em Medicina
Cadastre-se grátis
Home / Clínica Médica / O que preciso saber sobre o teste da “nuquinha”?
mulher grávida com as mãos na barriga em frente ao monitor de ultrassonografia após teste da nuquinha

O que preciso saber sobre o teste da “nuquinha”?

Acesse para ver o conteúdo
Esse conteúdo é exclusivo para usuários do Portal PEBMED.

Tenha acesso ilimitado a todos os artigos, quizzes e casos clínicos do Portal PEBMED.

Faça seu login ou inscreva-se gratuitamente!

Preencha os dados abaixo para completar seu cadastro.

Ao clicar em inscreva-se, você concorda em receber notícias e novidades da medicina por e-mail. Pensando no seu bem estar, a PEBMED se compromete a não usar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.

Inscreva-se ou

Seja bem vindo

Voltar para o portal

Desde o início de sua aplicação na medicina, a ultrassonografia se consolida como uma ferramenta propedêutica fundamental e valiosa na prática médica. Na maioria das vezes, é o principal exame complementar solicitado e sua aplicabilidade abrange várias áreas. Contudo, é no campo da obstetrícia que tem se fortalecido cada vez mais. Nesse contexto, conheceremos a translucência nucal (TN) ou popularmente conhecido, teste da “nuquinha”.

Durante a gestação, o ultrassom permite a identificação da maioria das anormalidades fetais identificáveis ainda na vida intraútero. Diante desse fato é possível que a equipe multiprofissional que acompanha essa gestação esteja apta a formular estratégias de tratamento mais eficazes diante de um diagnóstico de alteração anatomofuncional.

As intervenções poderão ser realizadas, por exemplo, no momento do parto, no pós-parto imediato ou, até mesmo, precocemente ainda intraútero. Nesse caminho, a translucência nucal surge como um dos indicadores que auxiliam na análise da presença ou não de anormalidades.

A avaliação da TN ocorre através da ultrassonografia obstétrica ainda de primeiro trimestre. Portanto, deve ser solicitada como o primeiro ultrassom, devendo ser realizado até, no máximo, a 14ª semana de gestação. Vale ressaltar, no entanto, que a esse exame inicial avalia também, entre outros fatores, a idade gestacional e a viabilidade da gestação, sendo importante deixar claro na solicitação a necessidade de avaliar a TN. O intervalo ideal ainda continua sendo entre a 11ª semana até 13ª semana e seis dias de gestação. O valor de referência que indica normalidade é de até 2,5 mm.

Mais do autor: O clínico deve utilizar ultrassonografia na emergência?

Uma revisão feita para avaliar a contribuição da ultrassonografia de primeiro trimestre apontou que a TN aumentada é uma expressão fenotípica que resulta de uma série de processos fisiopatológicos diferentes, os quais podem ter como fatores desencadeantes: defeito ou falência cardíaca; anomalias no sistema linfático; composição alterada da matriz extracelular da derme; compressão do mediastino por malformações na caixa torácica ou conteúdos intratorácicos anômalos; anemia; hipoproteinemia e infecções – parvovírus B19.

Esse mesmo estudo aponta também que, em fetos cromossomicamente normais, a prevalência de óbito espontâneo aumenta exponencialmente com a espessura da TN. Fetos com TN entre os percentis 95 e 99 apresentam um risco de óbito de 1,3%; quando a TN mede de 3,5 e 4,5 mm, o risco é de 2,7%; e fetos com TN maior ou igual a 6,5 mm apresentam risco de óbito de 19%56,57.

As chances de uma gestação evoluir sem anormalidades ou qualquer tipo de complicação são de aproximadamente 70% quando a medida da TN se encontra entre 3,5 e 4,4 mm; 50% entre 4,5 e 5,4 mm; 30% se estiver entre 5,5 e 6,4 mm; e 15% quando tiver 6,5 mm ou mais.

Leia também: Ultrassom: como e quando solicitar? Veja 5 indicações

Nesse caminho, ressalta-se que é de suma importância uma avaliação mais detalhada do feto ainda no primeiro trimestre. A TN então se coloca como um excelente indicador da presença de anormalidade ou não. Assim, o médico que acompanha consultas de pré natal deve estar atento para melhor conduzir suas gestantes, deixando o período gestacional e o parto ambientes de maior segurança tanto para a gestante quanto para seu filho.

Autor:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

×

Adicione o Portal PEBMED à tela inicial do seu celular: Clique em Salvar na Home Salvar na Home e "adicionar à tela de início".

Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.