Pebmed - Notícias e Atualizações em Medicina
Cadastre-se grátis
Home / Clínica Médica / O uso da corticoterapia na Covid-19: resultados do ensaio clínico com dexametasona

O uso da corticoterapia na Covid-19: resultados do ensaio clínico com dexametasona

Esse conteúdo é exclusivo para
médicos.

Para ter acesso, identifique-se através do login ou cadastre-se gratuitamente!

A nova e atual pandemia mundial denominada Covid-19, síndrome respiratória associada ao novo coronavírus SARS-CoV-2, tem desafiado profundamente pesquisadores e profissionais de saúde quanto à decisão sobre o melhor esquema terapêutico para limitar ou prevenir a evolução a temida “tempestade de citocinas” (“cytokine storm”), que pode conduzir à síndrome da angústia respiratória aguda (SARA), com consequente hipoxemia silenciosa, insuficiência respiratória e ao óbito dos pacientes infectados.

A heterogeneidade da resposta imune pró-inflamatória na Covid-19 entre os indivíduos infectados com SARS-CoV-2, associada a prognósticos distintos, geralmente pior em idosos (“inflame-aging”) e em indivíduos com comorbidades, tem profundamente intrigado a comunidade científica. Os imunotipos descritos tem sido alvo de estudos moleculares diversos no intuito de compreender a fisiopatologia e possivelmente prever quais indivíduos tem a maior probabilidade de progredir para SARA, sepse, disfunção orgânica, consequentemente com pior evolução clínica (Mathew et al., 2020, Meftahi et al. 2020).

As suposições iniciais sobre o uso de anti-inflamatórios não esteroidais (AINES) ou corticoides para o tratamento surgiram ainda durante o início da epidemia na China, e foram baseadas inicialmente na literatura científica relacionada às epidemias anteriores por outros coronavírus, SARS-CoV e MERS-Cov (Severe acute respiratory syndrome – SARS, e Middle East respiratory syndrome – MERS), que ocorreram em 2002-2003 e 2012, respectivamente. As publicações sugeriram que o uso precoce desses medicamentos poderiam favorecer a replicação viral e resultar em pior prognóstico.

Corticoterapia na Covid-19

Os primeiros artigos sobre o assunto, publicados até fevereiro de 2020 em revistas científicas internacionais, divulgaram resultados que contraindicavam o uso de AINES ou corticoides para o tratamento precoce de Covid-19 de forma a impedir a evolução da doença para quadros respiratórios de maior gravidade. E tais contraindicações foram prontamente adotadas pela Organização Mundial de Saúde (OMS) em guideline divulgado em 28 de janeiro de 2020.

Russell, Millar & Baillie (2020), por exemplo, publicaram na revista Lancet uma revisão baseada nos estudos prévios com influenza, vírus sincicial respiratório, SARS-CoV e MERS-CoV com diversas conclusões negativas sobre o uso de corticoides, incluindo complicações endócrinas, psicose, aumento da mortalidade e outros. A mesma publicação reforçava que mesmo na vigência de SARA ou mesmo no choque séptico, haveria evidências insuficientes para recomendar o uso de corticoterapia para pacientes críticos.

Veja mais: Tocilizumabe tem eficácia como tratamento da Covid-19?

Também na Lancet, em semanas posteriores, Shang et al. (2020) questionaram a forma de revisão realizada pela publicação anterior e suas conclusões não adequada, e contribuiu para manter a questão do uso de corticoterapia como controversa, a ser esclarecida por novos ensaios clínicos. Os mesmos definiram o uso de corticosteroides como uma possível “faca de dois gumes” para o tratamento Covid-19, descrevendo os possíveis prós e contras (Lu et al., 2020), já que indivíduos com imunodeficiências específicas podem apresentar melhor prognóstico).

Com a progressão dos estudos clínicos sobre os esquemas terapêuticos para a Covid-19, divulgados entre março e abril de 2020, surgiram maiores evidências que favoreceram os benefícios da corticoterapia para doentes críticos graves com SARA em ventilação mecânica, sendo sustentado por Yang et al. (2020), pela Surviving Sepsis Campaign (2020) e outros protocolos institucionais.

Em março, por exemplo, Russell et al (2020) criticaram as conclusões premeditadas adotadas pela OMS sobre a exclusão do uso de AINES e de corticoterapia baseadas em estudos prévios com abordagens questionáveis. Tais autores inclusive sugerem o uso de corticoides em indivíduos não submetidos à intubação orotraqueal-ventilação mecânica.

Novo ensaio clínico com dexametasona

Esta semana, foram divulgados os resultados preliminares de um ensaio clínico randomizado importante, realizado pelo grupo RECOVERY (Randomised Evaluation of Covid-19 Therapy). O estudo comparou os efeitos do uso de doses baixas de dexametasona (6 mg por via oral ou parenteral) por dez dias por 2.104 pacientes com Covid-19 em múltiplos centros hospitalares (n 0 175) no Reino Unido, com 4.321 pacientes submetidos ao tratamento usual adotado até o momento no país.

Leia também: Combinação de interferon, lopinavir/ritonavir e ribavirina para o tratamento de Covid-19

O uso de dexametasona diminuiu a mortalidade em 1/3 dos doentes sob ventilação mecânica, e 1/5 entre pacientes sob oxigenioterapia não invasiva. Não houve diferença entre os pacientes que não necessitaram de suporte ventilatório. Baseado nesses resultados, uma morte seria prevenida a cada oito doentes com Covid-19 grave sob ventilação mecânica ou em 25 pacientes com necessidade de oxigenioterapia.

O pesquisador Dr. Peter Horby, um dos líderes do estudo, ressalta que que a dexametasona consiste na primeira droga que apresenta efeito benéfico à sobrevida de pacientes com Covid-19 que necessitam de suporte complementar de oxigênio. Há efeito direto na redução da mortalidade, o que clareia as possibilidades de aperfeiçoamento dos esquemas terapêuticos para prevenir complicações pela infecção viral.

Conclusões

Ainda permanece sob investigação o uso precoce ambulatorial de corticoide em doses não elevadas para pacientes infectados com SARS-CoV-2, como sugerido por Kronbichler et al. (2020), para prevenir a tempestade de citocinas, a progressão para necessidade de oxigenioterapia e progressivamente para a SARA. Assim como continuam os estudos sobre o verdadeiro papel das citocinas, incluindo interferon tipo I, interleucina-7, -1β, -6, e TNF-α na fisiopatologia inflamatória da Covid-19, como possíveis alvos específicos para a melhor terapêutica com cloroquina ou inibidores da JAK ou outros fármacos.

Outros detalhes sobre a controversa discussão sobre os esquemas terapêuticos com melhores efeitos para combater as complicações da Covid-19 podem ser consultados nas referências abaixo.

Autor:

Referências bibliográficas:

  • RECOVERY Trial (Randomised Evaluation of COVID-19 Therapy ) – Reg. ISRCTN50189673 – Disponível em: https://www.recoverytrial.net/
  • Alhazzani W, Møller MH, Arabi YM, et al. Surviving Sepsis Campaign: Guidelines on the Management of Critically Ill Adults with Coronavirus Disease 2019 (COVID-19). Crit Care Med. 2020;48(6):e440-e469. doi:10.1097/CCM.0000000000004363
  • England JT, Abdulla A, Biggs CM, et al. Weathering the COVID-19 storm: Lessons from hematologic cytokine syndromes [published online ahead of print, 2020 May 15]. Blood Rev. 2020;100707. doi:10.1016/j.blre.2020.100707
  • Jamilloux Y, Henry T, Belot A, et al. Should we stimulate or suppress immune responses in COVID-19? Cytokine and anti-cytokine interventions. Autoimmun Rev. 2020;19(7):102567. doi:10.1016/j.autrev.2020.102567
  • Kronbichler A, Effenberger M, Eisenhut M, Lee KH, Shin JI. Seven recommendations to rescue the patients and reduce the mortality from COVID-19 infection: An immunological point of view. Autoimmun Rev. 2020;19(7):102570. doi:10.1016/j.autrev.2020.102570
  • Lu X, Chen T, Wang Y, Wang J, Yan F. Adjuvant corticosteroid therapy for critically ill patients with COVID-19. Crit Care. 2020;24(1):241. Published 2020 May 19. doi:10.1186/s13054-020-02964-w
  • Mathew D, Giles JR, Baxter AE, et al. Deep immune profiling of COVID-19 patients reveals patient heterogeneity and distinct immunotypes with implications for therapeutic interventions. Preprint. bioRxiv. 2020;2020.05.20.106401. Published 2020 May 23. doi:10.1101/2020.05.20.106401
  • Meftahi GH, Jangravi Z, Sahraei H, Bahari Z. The possible pathophysiology mechanism of cytokine storm in elderly adults with COVID-19 infection: the contribution of “inflame-aging” [published online ahead of print, 2020 Jun 11]. Inflamm Res. 2020;1-15. doi:10.1007/s00011-020-01372-8
  • Russell B, Moss C, George G, et al. Associations between immune-suppressive and stimulating drugs and novel COVID-19-a systematic review of current evidence. Ecancermedicalscience. 2020;14:1022. Published 2020 Mar 27. doi:10.3332/ecancer.2020.1022
  • Russell B, Moss C, Rigg A, Van Hemelrijck M. COVID-19 and treatment with NSAIDs and corticosteroids: should we be limiting their use in the clinical setting?. Ecancermedicalscience. 2020;14:1023. Published 2020 Mar 30. doi:10.3332/ecancer.2020.1023
  • Russell CD, Millar JE, Baillie JK. Clinical evidence does not support corticosteroid treatment for 2019-nCoV lung injury. Lancet. 2020;395(10223):473-475. doi:10.1016/S0140-6736(20)30317-2
  • Shang L, Zhao J, Hu Y, Du R, Cao B. On the use of corticosteroids for 2019-nCoV pneumonia. Lancet. 2020;395(10225):683-684. doi:10.1016/S0140-6736(20)30361-5
  • Tay MZ, Poh CM, Rénia L, MacAry PA, Ng LFP. The trinity of COVID-19: immunity, inflammation and intervention. Nat Rev Immunol. 2020;20(6):363-374. doi:10.1038/s41577-020-0311-8
  • Tufan A, Avanoğlu Güler A, Matucci-Cerinic M. COVID-19, immune system response, hyperinflammation and repurposing antirheumatic drugs. Turk J Med Sci. 2020;50(SI-1):620-632. Published 2020 Apr 21. doi:10.3906/sag-2004-168
  • Vabret N, Britton GJ, Gruber C, et al. Immunology of COVID-19: Current State of the Science [published online ahead of print, 2020 May 6]. Immunity. 2020;52(6):910-941. doi:10.1016/j.immuni.2020.05.002
  • Yang Z, Liu J, Zhou Y, Zhao X, Zhao Q, Liu J. The effect of corticosteroid treatment on patients with coronavirus infection: a systematic review and meta-analysis. J Infect. 2020;81(1):e13-e20. doi:10.1016/j.jinf.2020.03.062
  • Zha L, Li S, Pan L, et al. Corticosteroid treatment of patients with coronavirus disease 2019 (COVID-19). Med J Aust. 2020;212(9):416-420. doi:10.5694/mja2.50577
  • Zhang W, Zhao Y, Zhang F, et al. The use of anti-inflammatory drugs in the treatment of people with severe coronavirus disease 2019 (COVID-19): The Perspectives of clinical immunologists from China. Clin Immunol. 2020;214:108393. doi:10.1016/j.clim.2020.108393
  • Zhong J, Tang J, Ye C, Dong L. The immunology of COVID-19: is immune modulation an option for treatment? [published online ahead of print, 2020 May 20]. Lancet Rheumatol. 2020;doi:10.1016/S2665-9913(20)30120-X

2 comentários

  1. Avatar

    QUAL A ESPECIFICIDADE DA DEXAMETASONA EM RELAÇÃO AOS DEMAIS AINES?

  2. Avatar
    KELLEN CORINA DE FREITAS

    Muito interessante esse tema! Gostaria que desse sua opinião, de quais medicamentos poderiam serem utilizados, nós pacientes atendidos nas UBS, na primeira semana com síndrome Gripal.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

×

Adicione o Portal PEBMED à tela inicial do seu celular: Clique em Salvar na Home Salvar na Home e "adicionar à tela de início".

Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.