Orientações para reabilitação respiratória para pneumonia por Covid-19

A Covid-19 pode causar disfunção respiratória, física e psicológica nos pacientes afetados. Portanto, o processo de reabilitação respiratória é fundamental.

O Portal PEBMED é destinado para médicos e demais profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar esse conteúdo crie um perfil gratuito no AgendarConsulta.

A infecção por coronavírus (Covid-19) é uma doença infecciosa do trato respiratório altamente contagiosa e que pode causar disfunção respiratória, física e psicológica nos pacientes afetados. Portanto, o processo de reabilitação é fundamental durante o tratamento clínico e após a cura. Já existem evidências na literatura que propõem programas práticos de reabilitação.

Os pacientes se veem com seu espaço limitado, aumentam o tempo sentados ou deitados, levando a diminuição da força muscular, diminuição da capacidade de excreção de escarro, riscos de eventos tromboembólicos e também de problemas psicológicos, os quais podem levar à intolerância ao exercício.

Com o objetivo de padronizar os procedimentos em reabilitação respiratória, o Comitê de Reabilitação Respiratória da Associação Chinesa de Medicina de Reabilitação, publicou a segunda edição de “Orientação para a Reabilitação Respiratória da Pneumonia por Covid-19”. Bem como já foram publicados alguns estudos chineses sobre o mesmo tema.

médico prescrevendo reabilitação respiratória para paciente com covid-19

Princípios da reabilitação respiratória na Covid-19

  • Objetivo: melhorar os sintomas de dispneia (falta de ar), aliviar a ansiedade, reduzir as complicações, prevenir e reduzir as incapacidades e melhorar a qualidade de vida;
  • Tempo do programa de reabilitação: durante toda a internação e também no pós-alta (6 a 8 semanas). Para pacientes em estado crítico a intervenção de reabilitação não é recomendada;
  • Plano de reabilitação respiratória e motora deve ser ajustado as demais comorbidades do paciente.

A recomendação da Associação Chinesa divide os pacientes infectados em três grupos durante hospitalização: (1) sintomas leves/moderados; (2) sintomas graves/críticos e (3) pós-alta.

Momento da intervenção da reabilitação respiratória

Com base no entendimento limitado do mecanismo fisiopatológico da Covid-19, observações clínicas descobriram que cerca de 3% a 5% dos pacientes comuns dentro de sete a 14 dias após a infecção podem progredir para sintomas graves, por isso, é recomendado que a intensidade das atividades seja leve, pois o objetivo é manter a aptidão física existente.

Critérios de exclusão para reabilitação respiratória:

  1. Temperatura corporal > 38,0 ℃;
  2. Tempo de diagnóstico inicial ≤ 7 dias;
  3. Tempo desde o início até a dispneia ≤3 dias;
  4. Exame de imagem com progressão da imagem torácica dentro de 24-48 horas > 50%;
  5. Saturação de oxigênio no sangue: ≤ 95%;
  6. Pressão arterial: pressão arterial estática <90/60 mmHg ou > 140/90 mmHg.

Leia também: Características clínicas de pneumonia refratária por Covid-19

Reabilitação em pacientes hospitalizados com sintomas leves/moderados

  1. Educação do paciente sobre a doença e o processo de tratamento, por meio de contato direto, vídeos ou manuais. Os recursos de telemedicina também podem ser usados
  2. Repouso relativo, sono adequado, dieta equilibrada e cessação do tabagismo.
  3. Atividades:
    • Intensidade do exercício: leve, com escore de dispneia de Borg menor ou igual a 3 (em 10 pontos); Freqüência: 2 vezes ao dia. Duração: 15 a 45 minutos. Pode ser realizado de forma intermitente;
    • Exercícios respiratórios, adequação postural, manutenção de amplitude de movimento, exercícios físicos aeróbios leves;
  1. Intervenção psicológica – identificar transtornos psicológicos através de escalas auto-aplicáveis e, se necessário, procurar profissionais de psicologia.

Reabilitação em pacientes hospitalizados com sintomas graves

As intervenções de reabilitação devem abranger três aspectos principais: (1) gerenciamento da postura; (2) atividades precoces; (3) manejo respiratório.

Momento da intervenção

O tratamento de reabilitação respiratória pode ser iniciado quando todas as seguintes condições forem atendidas:

  1. Sistema respiratório: concentração de oxigênio inalado (FiO 2) ≤ 0,6; saturação de oxigênio no sangue (SpO2) ≥ 90%; frequência respiratória : ≤ 40 vezes / min; pressão expiratória final positiva (PEEP) ≤ 10 cmH2O.
  2. Sistema cardiovascular: pressão arterial sistólica ≥ 90 mmHg e ≤ 180 mmHg; pressão arterial média (PAM) ≥ 65 mmHg e ≤ 110 mmHg; frequência cardíaca: entre 40 a 120 batimentos/min. Ausência de sinais de: arritmias, isquemia miocárdica, choque, trombose venosa instável, embolia pulmonar, estenose aórtica.
  3. Sistema nervoso: Escala de Agitação-Sedação de Richmond (RASS) -2 ~ + 2.
  4. Outros: Nenhuma fratura instável de membros e coluna vertebral; nenhuma doença grave do fígado e rim ou danos na função hepática e renal recentemente progressivos; nenhum sangramento ativo; temperatura corporal ≤38,5 ℃.

Intervenções de reabilitação respiratória:

  1. Gerenciamento da postura: quando as condições fisiológicas permitirem, aumentar gradualmente a posição antigravitacional, como a cabeceira da cama elevada até 60 ° na posição sentada. O ortostatismo pode ser realizado 30 minutos a cada vez, três vezes ao dia.
  2. Atividade: trocas posturais, transferências, treinamento ativo ou passivo (a depender do grau de sedação), de movimento articular completo, alongamentos e estimulação elétrica neuromuscular (FES).
  3. Manejo respiratório: recrutamento pulmonar e a descarga de escarro.

Veja ainda: Coronavírus: veja as principais orientações da American Thoracic Society para manejo

Reabilitação pós-alta

O objetivo é a recuperação da aptidão física, melhora da dispneia, restabelecimento da massa muscular, incluindo músculos respiratórios e tronco e ajuste psicológico.

Os pacientes graves que apresentam disfunção respiratória devem receber tratamento de reabilitação respiratória domiciliar.

  • Exercício aeróbico: iniciando com baixa intensidade e aumentando gradualmente a intensidade, duração de três a cinco vezes por semana, 20 a 30 minutos de cada vez. Para pacientes que são facilmente fatigados, o exercício intermitente pode ser usado;
  • Treinamento de força/resistência: progressivo, a carga de treinamento de cada grupo muscular alvo é de 8 a 12 RM (Repetições Máxima), intervalo de 2 minutos, frequência de 2 a 3 vezes/semana. Duração de seis semanas, com aumento semanal de 5% a 10%;
  • Treinamento de equilíbrio;
  • Treinamento do padrão respiratório: ajuste do ritmo respiratório, treinamento da atividade torácica, mobilização da participação do grupo muscular respiratório; treinamento do escarro.

Orientação para retorno as atividades de vida diária

O manual também disponibiliza links para atividades físicas orientais:

Outros estudos

Chaturvedi destacou a importância da abordagem da saúde mental em tempos de crise.

Liu e colaboradores realizaram um ensaio clínico com as intervenções em reabilitação pulmonar e física por seis semanas. A análise de desfecho primário foi a função pulmonar e de desfecho secundário foram resistência ao exercício, qualidade de vida, atividades de vida diária e alterações psicológicas. A maioria teve resultados estatisticamente significantes, exceto os dois últimos itens descritos. Ressalta ainda a importância de dar seguimento aos estudos com uma amostra maior.

Referências bibliográficas:

  • Associação Chinesa de Medicina de Reabilitação, Comitê de Reabilitação Respiratória da Associação Chinesa de Medicina de Reabilitação, Grupo de Reabilitação Cardiopulmonar do Ramo de Medicina Física e Reabilitação da Associação Médica Chinesa. 2019 Nova Orientação para a Reabilitação Respiratória da Pneumonia por Vírus Coronariano (Segunda Edição) [J / OL Revista Chinesa de Tuberculose e Doenças Respiratórias, 2020, 43 (2020-03-03) DOI: 10.3760 / cma.j.cn112147-20200228-00206.
  • Chaturvedi SK. Covid-19, Coronavirus and Mental Health Rehabilitation at Times of Crisis.J. Psychosoc. Rehabil. Ment. Health https://doi.org/10.1007/s40737-020-00162-z
  • Liu K, Zhang W, Yang Y, Zhang J, Li Y, Chen Y, Respiratory rehabilitation in elderly patients with COVID-19: A randomized controlled study, Complementary Therapies in Clinical Practice (2020), doi: https://doi.org/10.1016/j.ctcp.2020.101166.
Cadastre-se ou faça login para acessar esse e outros conteúdos na íntegra
Cadastre-se grátis Fazer login
Veja mais beneficios de ser usuário do Portal PEBMED: Veja mais beneficios de ser usuário
do Portal PEBMED:
7 dias grátis com o Whitebook Aplicativo feito para você, médico, desenhado para trazer segurança e objetividade à sua decisão clínica.
Acesso gratuito ao Nursebook Acesse informações fundamentais para o seu dia a dia como anamnese, semiologia.
Acesso gratuito Fórum Espaço destinado à troca de experiências e comentários construtivos a respeito de temas relacionados à Medicina e à Saúde.
Acesso ilimitado Tenha acesso a noticias, estudos, atualizacoes e mais conteúdos escritos e revisados por especialistas
Teste seus conhecimentos Responda nossos quizes e estude de forma simples e divertida
Conteúdos personalizados Receba por email estudos, atualizações, novas condutas e outros conteúdos segmentados por especialidades

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo

Selecione o motivo:
Errado
Incompleto
Desatualizado
Confuso
Outros

Sucesso!

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo.

Você avaliou esse artigo

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Baixe e-books, e outros materiais para aprimorar sua prática médica e gestão Baixe e-books, e outros materiais
para aprimorar sua prática
médica e gestão