Pacientes com autismo podem se beneficiar da imunoterapia? - PEBMED

Pacientes com autismo podem se beneficiar da imunoterapia?

Sua avaliação é fundamental para que a gente continue melhorando o Portal Pebmed

Quer acessar esse e outros conteúdos na íntegra?

Cadastrar Grátis

Faça seu login ou cadastre-se gratuitamente para ter acesso ilimitado a todos os artigos, casos clínicos e ferramentas do Portal PEBMED

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Seu conteúdo tem o objetivo de informar panoramas recentes da medicina, devendo ser interpretado por profissionais capacitados.

Para diagnósticos e esclarecimentos, busque orientação profissional. Você pode agendar uma consulta aqui.

Tempo de leitura: [rt_reading_time] minutos.

O transtorno do espectro autista (TEA) é uma incapacidade de desenvolvimento definida por critérios diagnósticos que incluem déficits na comunicação social e interação social. A terapia padrão-ouro é a comportamental, mas evidências recentes têm mostrado o potencial da imunoterapia. Em um novo artigo, publicado em agosto na revista Translational Psychiatry, pesquisadores apresentaram a maior série de casos de crianças com autismo tratados com imunoglobulina intravenosa (IgIV).

Para essa análise, investigadores selecionaram 82 crianças (média de idade de 9 anos; 61% do sexo masculino) de uma clínica americana de TEA para fazer rastreio de encefalite autoimune; destas, 80 tinham autismo. Entre os participantes, 31 (38%) receberam imunoglobulina intravenosa mensalmente durante dois anos.

LEIA MAIS: Exposição materna a inseticidas está associada a autismo no filho

medicação intravenosa

Tome as melhores decisões clinicas, atualize-se. Cadastre-se e acesse gratuitamente conteúdo de medicina escrito e revisado por especialistas

Imunoterapia e autismo

No total, 90% dos pais declararam alguma melhora, com 71% relatando melhorias em dois ou mais sintomas.

Em um subconjunto de pacientes, os responsáveis preencheram dois questionários antes e durante o tratamento com IgIV – a Lista de Verificação de Comportamento Aberrante (ABC) e a Escala de Responsividade Social (ERS). Foi observada uma melhoria estatisticamente significativa na ERS e ABC.

No Cunningham Panel (método diagnóstico), que analisa quatro anticorpos, 61% do grupo foram positivos para um anticorpo, e apenas uma criança teve resultados negativos no Cunningham Panel e nos níveis elevados de proteína quinase dependente de cálcio-calmodulina, que é ativada em condições autoimunes.

LEIA MAIS: Imunoterapia – avanços também no tratamento do câncer

Efeitos adversos foram identificados em 62% dos participantes, mas limitados ao período de infusão. Apenas dois (6%) pacientes descontinuaram a IgIV devido a efeitos adversos.

Pelos achados, os pesquisadores concluíram que as evidências oferecem suporte para a possibilidade de que algumas crianças com autismo podem se beneficiar da imunoterapia. Como os efeitos adversos são comuns, esse tipo de tratamento deve ser considerado com cautela.

Tenha sempre condutas atualizadas na sua mão! Baixe gratuitamente o Whitebook.

Referências:

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Seu conteúdo tem o objetivo de informar panoramas recentes da medicina, devendo ser interpretado por profissionais capacitados.

Para diagnósticos e esclarecimentos, busque orientação profissional. Você pode agendar uma consulta aqui.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Entrar | Cadastrar