Preditores de risco para falha terapêutica em infecções de prótese articular

Sua avaliação é fundamental para que a gente continue melhorando o Portal Pebmed

Quer acessar esse e outros conteúdos na íntegra?

Cadastrar Grátis

Faça seu login ou cadastre-se gratuitamente para ter acesso ilimitado a todos os artigos, casos clínicos e ferramentas do Portal PEBMED

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Seu conteúdo tem o objetivo de informar panoramas recentes da medicina, devendo ser interpretado por profissionais capacitados.

Para diagnósticos e esclarecimentos, busque orientação profissional. Você pode agendar uma consulta aqui.

Infecções de prótese articular são complicações temidas devido à alta morbidade que agregam, estando relacionadas a necessidade de reoperações, diminuição de mobilidade e qualidade de vida, e uso prolongado de antibióticos.

Estudos prévios já identificaram alguns fatores de risco associados à falha terapêutica, tais como maior duração de sintomas antes de realização de cirurgia, infecção por Staphylococcus aureus, revisão anterior da artroplastia, integridade da pele e tecidos adjacentes e uso de vancomicina. Contudo, essas conclusões foram decorrentes de trabalhos com amostras pequenas e muito homogêneas, o que dificulta sua generalização.

médico com enfermeira mostrando prótese articular

Infecções em prótese articular

Um estudo conduzido em cinco hospitais japoneses com adultos submetidos a cirurgia para tratamento de infecção de próteses de quadril e joelho buscou avaliar características potencialmente associadas à falha terapêutica. Esta foi definida como recorrência de infecção, prescrição de uso crônico de antibiótico com objetivo supressivo, artroplastia excisional, amputação durante o tempo de seguimento ou morte em 30 dias depois do procedimento. Os participantes foram acompanhados por no mínimo 30 dias, com alvo de seguimento de cinco anos.

Dos 533 casos incluídos na análise, 67% consistiam de infecções monomicrobianas, 9% eram polimicrobianas e em 24% as culturas foram negativas. Os organismos mais frequentes foram estafilococos coagulase-negativos, S. aureus, bacilos Gram-negativos e enterococos, respectivamente.

Leia também: Daptomicina é uma opção para infecções ortopédicas?

No geral, a proporção de falha terapêutica foi de 13,1% nos primeiros seis meses após o procedimento de implante de prótese (IC 95% 10,2 – 16%), 24,8% em dois anos (IC 95% 20,8 – 28,6%) e 33% em quatro anos (IC 95% 28,1 – 37,5%). Estratificando por estratégia de cirurgia, as proporções de falha foram maiores nos casos em que a cirurgia foi em tempo único do que nas realizadas em dois tempos. Infecções em próteses de quadril e de joelho tiveram taxas semelhantes de falha terapêutica.

Conclusões

Na análise multivariada, hepatopatia, presença de fístula, falha prévia de desbridamento com retenção de prótese, procedimento em tempo único e infecção por bacilo Gram-negativo foram fatores associados à falha terapêutica. De forma interessante, não houve maior risco em infecção por S. aureus, espécie bacteriana capaz de formar biofilme.

Mais da autora: Fatores de risco para bacteremia comunitária por ESBL

Os autores acreditam que o fato de todos os participantes terem sido submetidos à retirada da prótese pode explicar esse achado e que a retirada da prótese pode ser uma estratégia mais adequada em infecções por S. aureus quando existem fatores adicionais para falha.

Os resultados mostram possíveis fatores de risco, mas outro ponto de destaque é a alta proporção de falha terapêutica mesmo com remoção completa da prótese (25%), o que reflete a natureza de difícil erradicação dessas infecções.

Autor:

Referência bibliográfica:

Kandel CE,  et al. Predictors of Treatment Failure for Hip and Knee Prosthetic Joint Infections in the Setting of 1- and 2-Stage Exchange Arthroplasty: A Multicenter Retrospective Cohort. Open Forum Infect Dis. 2019 Oct 21;6(11):ofz452. doi: 10.1093/ofid/ofz452

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Seu conteúdo tem o objetivo de informar panoramas recentes da medicina, devendo ser interpretado por profissionais capacitados.

Para diagnósticos e esclarecimentos, busque orientação profissional. Você pode agendar uma consulta aqui.

Tags

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Entrar | Cadastrar