Quem é melhor para o tratamento agudo de vertigem: anti-histamínicos ou benzodiazepínicos?

Publicação trouxe uma revisão sistemática e metanálise comparando benzodiazepínicos e anti-histamínicos como agentes supressores de vertigem.

O Portal PEBMED é destinado para médicos e demais profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar esse conteúdo crie um perfil gratuito no AgendarConsulta.

A vertigem é um sintoma que afeta 20% dos adultos, com predomínio de incidência em mulheres e idosos. O tratamento dessa condição é variável e dependente da causa subjacente.

Entre as principais causas de vertigem, há a vertigem posicional postural benigna (VPPB), cujo tratamento ocorre a partir de manobras de reposicionamento cefálico. Apesar de realização desse tratamento, muitos pacientes podem experimentar a persistência desses sintomas, de forma que muitos clínicos necessitem da prescrição de agentes farmacológicos para supressão vertiginosa. Além disso, a causa específica de vertigem nem sempre é esclarecida na primeira avaliação. Sendo assim, o controle sintomático de vertigem aguda pode ser indicado sem existir uma definição diagnóstica.

Leia também: Caso clínico: Paciente com vertigem de início recente na Atenção Primária

A JAMA Neurology publicou uma revisão sistemática e metanálise que comparou benzodiazepínicos e anti-histamínicos como agentes supressores de vertigem, a fim de comparar a eficácia entre eles assim como a comparação deles com placebo.

Quem é melhor para o tratamento agudo de vertigem anti-histamínicos ou benzodiazepínicos

Como foi o estudo?

A revisão sistemática e metanálise seguiu as diretrizes do PRISMA. Foram avaliados ensaios clínicos randomizados a partir de plataformas do PubMed, CENTRAL, EMBASE, CINAHL e Scopus. O acesso de qualidade dos estudos ocorreu através do risk of bias (ROB) através do Cochrane Risk of Bias Tool.

O desfecho primário explorado foi a mudança na escala analógica visual para vertigem (escore VAS) duas horas após o tratamento. Desfechos secundários também foram avaliados: mudança de náuseas na escala de VAS duas horas após tratamento, necessidade de terapia de resgate em duas horas, resolução de vertigem em uma semana, melhora após uma semana e após um mês e resultados nistagmográficos.

Após avaliação de critérios de inclusão/exclusão da revisão sistemática, 17 estudos entre 6.934 citações foram selecionados para análise de resultados quantitativos.

Foi observado nessa revisão que os anti-histamínicos foram associados a melhora na escala de VAS em relação a todos agentes de comparação (placebo, benzodiazepínicos e outras drogas supressoras de vertigem) com diferença de 7.5 (IC95% 0.8-9.2).

Em único estudo que realiza a comparação entre anti-histamínicos e benzodiazepínicos, houve associação de melhora dos pacientes no período de duas horas naqueles que foram administrados anti-histamínicos ao comparar-se com benzodiazepínicos.

Em relação à supressão de vertigem 1 semana após o surgimento desse sintoma, os anti-histamínicos apresentaram melhora ao serem comparados com os outros agentes estudados embora não tenha sido encontrado diferença estatística. Não foram demonstradas alterações de desfecho no período de um mês.

Apenas 1 estudo com benzodiazepínicos avaliou resultados no período de uma semana ou um mês, em que os resultados apresentaram melhora de vertigem nos pacientes tratados com benzodiazepínicos ao serem comparados com placebo. Contudo, esses resultados também não apresentaram diferença estatística.

Saiba mais: Whitebook: você sabe o que é a VPPB – vertigem posicional paroxística benigna?

Mensagens finais

  • O tratamento de vertigem pode ser desafiador. Muitos pacientes podem persistir sintoma vertiginoso apesar do tratamento da causa subjacente ter sido realizado. Nessa circunstância, as drogas supressoras são uma possibilidade de intervenção para ofertar alívio de um sintoma tão incapacitante.
  • Nessa revisão sistemática, não houve evidência disponível para suportar uma associação de uso de benzodiazepínicos na melhora dos pacientes em nenhum dos desfechos traçados.
  • Evidência de nível moderado sugere que uma dose única de anti-histamínicos pode promover alívio de sintoma de vertigem aguda, ao comparar com benzodiazepínico, em um período de duas horas.
Cadastre-se ou faça login para acessar esse e outros conteúdos na íntegra
Cadastre-se grátis Fazer login
Veja mais beneficios de ser usuário do Portal PEBMED: Veja mais beneficios de ser usuário
do Portal PEBMED:
7 dias grátis com o Whitebook Aplicativo feito para você, médico, desenhado para trazer segurança e objetividade à sua decisão clínica.
Acesso gratuito ao Nursebook Acesse informações fundamentais para o seu dia a dia como anamnese, semiologia.
Acesso gratuito Fórum Espaço destinado à troca de experiências e comentários construtivos a respeito de temas relacionados à Medicina e à Saúde.
Acesso ilimitado Tenha acesso a noticias, estudos, atualizacoes e mais conteúdos escritos e revisados por especialistas
Teste seus conhecimentos Responda nossos quizes e estude de forma simples e divertida
Conteúdos personalizados Receba por email estudos, atualizações, novas condutas e outros conteúdos segmentados por especialidades

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo

Selecione o motivo:
Errado
Incompleto
Desatualizado
Confuso
Outros

Sucesso!

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo.

Você avaliou esse artigo

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Baixe e-books, e outros materiais para aprimorar sua prática médica e gestão Baixe e-books, e outros materiais
para aprimorar sua prática
médica e gestão
# Hunter BR, et al. Efficacy of Benzodiazepines or Antihistamines for Patients With Acute Vertigo: A Systematic Review and Meta-analysis. JAMA neurology. 2022. DOI:10.1001/jamaneurol.2022.1858