Pebmed - Notícias e Atualizações em Medicina
Cadastre-se grátis
Home / Colunistas / SABCS 2019: tucatinibe pode ser uma nova opção para o câncer de mama?

SABCS 2019: tucatinibe pode ser uma nova opção para o câncer de mama?

Acesse para ver o conteúdo
Esse conteúdo é exclusivo para usuários do Portal PEBMED.

Tenha acesso ilimitado a todos os artigos, quizzes e casos clínicos do Portal PEBMED.

Faça seu login ou inscreva-se gratuitamente!

Preencha os dados abaixo para completar seu cadastro.

Ao clicar em inscreva-se, você concorda em receber notícias e novidades da medicina por e-mail. Pensando no seu bem estar, a PEBMED se compromete a não usar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.

Inscreva-se ou

Seja bem vindo

Voltar para o portal

Outro estudo muito importante foi apresentado no maior evento mundial sobre câncer de mama, o San Antônio Breast Câncer Symposium (SABCS) 2019, ocorrido este mês no Texas, nos Estados Unidos. Nele, os pesquisadores incluíram uma nova droga chamada tucatinibe, um potente inibidor de tirosino kinase HER2 específico, em associação ao trastuzumabe e capecitabina em um estudo controlado com placebo.

Uma particularidade foi que pacientes com metástases cerebrais sem tratamento local foram incluídos, o que é raro em estudos deste quilate.

Novo estudo para tratamento de câncer de mama

Houve uma redução do risco de recidiva em 46% com sobrevida livra de progressão de 7,8 meses (5,6 meses no grupo controle) e o risco de morte em 34% mesmo em pacientes politratadas com inúmeras linhas de tratamento, com falhas prévias ao trastuzumabe, pertuzumabe, T-DM1 com sobrevida global de 21,9 contra 17,4 no braço sem tucatinibe.

Mesmo nos pacientes com metástases cerebrais, os benefícios foram similares com redução de 52% do risco de progressão.

Leia também: Ressonância diminui a incidência de tumor em pacientes com mamas densas?

O dobro de pacientes teve respostas objetivas no grupo que recebeu tucatinibe. O aumento de sobrevida global em quatro meses nessa população refratária é clinicamente muito relevante, ainda mais se mostrando ativa ainda em que pacientes com metástases cerebrais.

A droga se mostrou, no geral, bem tolerada, com raros casos de diarreia e transaminites.

A publicação simultânea no New England Journal of Medicine reforça a relevância desses dados, podendo se tornar o novo “standard of care” nesses casos, dependendo da “briga” com o novo anticorpo conjugado-droga trastuzumabe-deruxtecan.

Boas notícias para as pacientes com câncer de mama metastático HER2 positivo, mesmo para aquelas que já tenham falhado ou venham a falhar as já bastante ativas drogas que temos atualmente.

Autor:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

×

Adicione o Portal PEBMED à tela inicial do seu celular: Clique em Salvar na Home Salvar na Home e "adicionar à tela de início".

Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.