Setembro Verde Esperança: mês de conscientização sobre a asfixia perinatal 

A asfixia perinatal é causada pela troca gasosa prejudicada ou fluxo sanguíneo inadequado no feto devido a um insulto hipóxico-isquêmico.

O Portal PEBMED é destinado para médicos e demais profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar esse conteúdo crie um perfil gratuito no AgendarConsulta.

A asfixia perinatal é causada pela troca gasosa prejudicada ou fluxo sanguíneo inadequado no feto devido a um insulto hipóxico-isquêmico que ocorre no periparto ou intraparto. 

Leia mais: Neobrain Brasil 2019: hipotermia terapêutica em neonatologia

No mundo, por ano, 1,15 milhão de recém-nascidos (RN) é  acometido por asfixia perinatal, sendo essa doença a terceira causa mais comum de óbito neonatal e principal causa de crise convulsiva em neonatos. No Brasil, dois RN nascem com falta de oxigenação cerebral por hora. 

A falta de oxigênio no período perinatal pode evoluir com falência de múltiplos órgãos, principalmente comprometimento neurológico, levando a encefalopatia hipóxico-isquêmica, com sequelas que vão desde disfunção visual, deficiência motora, comprometimento de memória, até paralisia cerebral, retardo mental e morte. 

Sabe-se (por várias metanálises) que a hipotermia terapêutica é segura e eficaz na redução de mortalidade e sequelas.  

Devido a esses importantes desfechos, foi criada a “Campanha Nacional de Conscientização sobre Asfixia Perinatal”. 

Com o objetivo de padronizar o atendimento ao RN com asfixia perinatal, a Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP), a Fundação Oswaldo Cruz, o Instituto Nacional de Saúde da Criança, da Mulher e do Adolescente Fernandes Figueira, a Estratégia Qualineo, o Grupo Neonatologia Brasil e o Instituto Protegendo Cérebros Salvando Futuros elaboraram um documento científico contendo “Dez Passos Básicos no Atendimento ao RN com Asfixia Perinatal.”  

Saiba também: Prevalência e mortalidade por pneumotórax de acordo com idade gestacional em recém-nascidos

Setembro Verde Esperança: mês de conscientização sobre a asfixia perinatal 

Os dez passos estão listados a seguir: 

  1. Siga as diretrizes do Programa de Reanimação Neonatal da SBP. Lembre-se de controlar a temperatura na sala de parto para que fique entre 23 e 26 °C.
  2. Colete gasometria do cordão ou do RN dentro da primeira hora de vida na suspeita de evento perinatal agudo, suspeita de insulto hipóxico-isquêmico ou se for necessária a reanimação neonatal. Realize, já dentro da Unidade de Terapia Intensiva Neonatal (UTIN), uma avaliação neurológica. Recomenda-se o uso do Escore de Sarnat. Atente para acidose grave (pH < 7,0 ou BE < -16) e lembre-se que não é recomendado o uso de bicarbonato de sódio (pois aumenta a mortalidade neonatal). 
  3. Previna a hipo ou hipertermia. A normotermia deve ser preconizada para a avaliação clínica e neurológica.
  4. É necessário um acesso venoso central, de preferência cateter umbilical arterial e venoso, importantes para coletar exames, monitorar pressão arterial invasiva e infundir fluidos. 
  5. Recomenda-se restrição hídrica com taxa hídrica diária inicial entre 40 e 60 mL/kg/dia. Lembre-se de ajustar a taxa hídrica de acordo com o balanço hídrico a cada 12 horas.
  6. Evite expansão volumétrica, essa só é considerada em poucas exceções, como nos casos de hipovolemia documentada. Sabe-se que a sobrecarga hídrica está relacionada a aumento de morbidade e edema cerebral.
  7. Controle distúrbios hidroeletrolíticos e de glicose. Atente também para índices hematimétricos e coagulograma com plaquetas. É comum anemias e discrasias sanguíneas, e hemotransfusões podem ser necessárias.
  8. Atente para a pressão arterial. Solicite ecocardiograma e avalie a necessidade de aminas. 
  9. Evite hipóxia e hiperóxia. Para isso considere suporte ventilatório e tente manter saturação entre 90 a 95% com gasometria arterial normal.
  10. O tratamento preconizado é a hipotermia terapêutica, que deve ser iniciada nas primeiras 6 horas de vida do RN com suspeita de encefalopatia moderada ou grave, a fim de reduzir a morbimortalidade. Tente manter a temperatura corporal em 33,5 °C por 72 horas e, após, reaqueça o RN de forma lenta e gradual em torno de 0,2 a 0,5 °C por hora. Se possível, realizar neuromonitorização com eletroencefalograma contínuo ou de amplitude integrada, pois a maior parte das crises convulsivas no período.

A hipotermia terapêutica é a única intervenção comprovada para encefalopatia neonatal que reduz o risco de paralisia cerebral. Esta, é indicada como tratamento padrão para neonatos com EHI moderada a grave. Devendo ser iniciada nas primeiras 6 horas de vida e continuada por 72 horas na temperatura alvo de 33,5 °C. 

Mensagem final

Graças ao advento da hipotermia terapêutica, a morbimortalidade reduziu e os resultados de desenvolvimento em longo prazo para bebês com asfixia perinatal melhoraram. 

Referências bibliográficas:   

Cadastre-se ou faça login para acessar esse e outros conteúdos na íntegra
Cadastre-se grátis Fazer login
Veja mais beneficios de ser usuário do Portal PEBMED: Veja mais beneficios de ser usuário
do Portal PEBMED:
7 dias grátis com o Whitebook Aplicativo feito para você, médico, desenhado para trazer segurança e objetividade à sua decisão clínica.
Acesso gratuito ao Nursebook Acesse informações fundamentais para o seu dia a dia como anamnese, semiologia.
Acesso gratuito Fórum Espaço destinado à troca de experiências e comentários construtivos a respeito de temas relacionados à Medicina e à Saúde.
Acesso ilimitado Tenha acesso a noticias, estudos, atualizacoes e mais conteúdos escritos e revisados por especialistas
Teste seus conhecimentos Responda nossos quizes e estude de forma simples e divertida
Conteúdos personalizados Receba por email estudos, atualizações, novas condutas e outros conteúdos segmentados por especialidades

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo

Selecione o motivo:
Errado
Incompleto
Desatualizado
Confuso
Outros

Sucesso!

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo.

Você avaliou esse artigo

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Baixe e-books, e outros materiais para aprimorar sua prática médica e gestão Baixe e-books, e outros materiais
para aprimorar sua prática
médica e gestão