Pebmed - Notícias e Atualizações em Medicina
Cadastre-se grátis
Home / Colunistas / SUS altera protocolo de tratamento para tuberculose
tuberculose

SUS altera protocolo de tratamento para tuberculose

Acesse para ver o conteúdo
Esse conteúdo é exclusivo para usuários do Portal PEBMED.

Para continuar lendo, faça seu login ou inscreva-se gratuitamente.

Preencha os dados abaixo para completar seu cadastro.

Ao clicar em inscreva-se, você concorda em receber notícias e novidades da medicina por e-mail. Pensando no seu bem estar, a PEBMED se compromete a não usar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.

Inscreva-se ou

Seja bem vindo

Voltar para o portal

Tempo de leitura: 3 minutos.

O Sistema Único de Saúde (SUS) vai alterar o protocolo de tratamento da tuberculose. A nova apresentação contará com a administração de dois comprimidos, um em cada fase do tratamento, no lugar de cinco medicamentos. A expectativa é que os novos medicamentos estejam disponíveis até 2020, beneficiando 1,5 mil crianças menores de dez anos.

“A tuberculose é umas das principais causas de morte em todo o mundo. Em 2017, foi responsável por cerca de 1,3 milhão de óbitos. Apesar desse enorme preço para a saúde, a resposta à tuberculose foi, por muito tempo, lenta e subfinanciada, principalmente, na área de pesquisa e inovação. Por isso, o meu compromisso é promover ações colaborativas envolvendo diferentes países para inovação no diagnóstico, tratamento e atenção a essa doença, reduzindo óbitos e os impactos na vida dos nossos cidadãos”, assegurou o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, durante uma coletiva de imprensa.

VEJA TAMBÉM: Nova fórmula para tuberculose pediátrica estará disponível no SUS

Como é realizado atualmente o tratamento pelo SUS?

Hoje em dia, são ministrados três medicamentos na fase intensiva: rifampicina 75 mg + isoniazida 50 mg + pirazinamida 150 mg. Na fase de manutenção, são dois medicamentos: rifampicina 75 mg + isoniazida 50 mg.

Como será?

Será administrada uma dose fixa combinada com um comprimido reunindo os três medicamentos. Na fase de manutenção, um comprimido vai reunir os dois remédios. 

“Esse novo formato do tratamento vai reduzir os erros de dosagem, facilitar a administração, melhorar a adesão ao tratamento das crianças e reduzir os sofrimento da família”, afirma o Ministério da Saúde em seu portal.

Na opinião da pediatra Roberta Esteves Vieira de Castro, colunista da PEBMED, é necessário esperar a resolução final para verificar se existe a possibilidade da administração em crianças pequenas, através de solução ou diluição de comprimidos. Não somente pela dificuldade de deglutição nessa idade, mas também porque as doses são dependentes do peso.

LEIA MAIS: Estudo brasileiro cria metodologia para diagnóstico e acompanhamento da tuberculose

País está à frente da estratégia de luta global contra a tuberculose

O Ministério da Saúde atingiu os “Objetivos do Milênio de Combate à Tuberculose”, que previam reduzir, até 2015, a incidência de mortalidade da doença pela metade, quando comparado aos resultados de 1990. Em 2018, entretanto, houve 72,8 mil casos novos nos país.

Aliás, o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandeta, vai assumir em breve a presidência do Conselho da Stop TB Partnership. A instituição tem o objetivo de erradicar a tuberculose no mundo, sendo vinculada ao escritório das Nações Unidas, e conta com 1.700 representantes em mais de 100 países.

“Temos uma excelente oportunidade pela frente de preparar o caminho em nome do Conselho das Nações Unidas e da Stop TB Partnership, que acreditam que temos um importante papel a desempenhar na luta global contra a tuberculose. Durante o meu mandato, quero convidar nossos membros a abraçar essa causa, promovendo o acesso universal à saúde e abordagens inovadoras para tratar, curar e acabar com a tuberculose, para alcançar as metas da ONU HLM e erradicar a doença até 2030”, disse o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta.

SAIBA MAIS: Teste rápido molecular para tuberculose é incorporado ao SUS

Os desafios do tratamento contínuo da tuberculose

Apesar de ter cura, o abandono do tratamento é o principal motivo para a tuberculose ainda continuar fazendo vítimas fatais. De cada dez indivíduos que iniciam o tratamento, pelo menos um abandona os medicamentos. A interrupção traz complicações que podem levar a óbito.

Além disso, pode aumentar o risco de transmissão da doença para outras pessoas. Por isso, o tratamento diário e contínuo é fundamental para a cura da enfermidade, que teve 75 mil novos casos registrados no ano passado no país.

O tratamento dura, em média, seis meses. Apesar da melhora dos sintomas já nas primeiras semanas após início, a cura só é garantida ao final do esquema terapêutico.

*Esse artigo foi revisado pela equipe médica da PEBMED.

Autora: 

Referências:

4 comentários

  1. Avatar

    CORREÇÃO:Na fase intensiva do tratamento são utilizadas as seguintes medicações:rifampicina,isoniazida,pirazinamida e etambutol.

  2. Avatar
    Fellipe Xavier Pimenta

    Boa tarde. Tambem é usado o medicamento Etambutol na fase intensiva do tratamento, juntamente com rifampicina, isoniazida e pirazinamida. Esquema em vigor desde 2009 no SUS.

  3. Avatar

    CORRIGINDO:o ETAMBUTOL PARA CRIANÇAS >10 ANOS

  4. Avatar

    no caso de alergia medicamentosa, ficara difícil saber qual medicamento foi e o responsável

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.