Tratamento com laser para síndrome geniturinária da menopausa (SGM)

O laser age promovendo remodelação e estímulo de crescimento de tecidos através do estímulo de colágeno em camadas de profundidade variável.

O Portal PEBMED é destinado para médicos e demais profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar esse conteúdo crie um perfil gratuito no AgendarConsulta.

A mulher, com o aumento de sua expectativa de vida, passa quase um terço de sua vida no climatério. Essa época da vida traz alguns desafios que, muitas vezes, geram desconforto para essa população. Na esfera genital, isso se traduz na síndrome geniturinária da menopausa (SGM).

A síndrome é caracterizada pela presença de dor vaginal, dispareunia, prurido vulvar, secura vaginal, friabilidade tecidual, disfunção sexual e sintomas urinários como incontinência urinária, urgência miccional, hematúria e infecções urinárias de repetição. Essa condição acomete atrofia do epitélio urogenital, tanto na parte interna como externa da genitália feminina, incluindo os lábios menores. Dessa forma, o meato uretral fica exposto, o que facilita os sintomas urinários descritos.

Leia também: Novas evidências sobre o laser fracionado de CO2 para tratamento da síndrome geniturinária da pós-menopausa 

Tais sintomas têm um impacto negativo na vida das pacientes. Devido a eles, tem-se postulado o uso de laserterapia para tratamento em algumas situações específicas:

  • Naquelas pacientes em que o estrogênio vaginal falhou;
  • Naquelas onde estrogênio vaginal, deidroepiandrosterona vaginal e ospemifeno são contraindicados ou não bem indicados como pós câncer de mama, ou não desejados como outras terapias não hormonais;
  • Por quaisquer outras razões que a paciente não deseje usar estrogênios vaginais.

O uso de lasers tem sido direcionado em cirurgias ginecológicas, excisão ou ablação de tecidos. O laser age promovendo remodelação e estímulo de crescimento de tecidos através do estímulo de colágeno em camadas de profundidade variável do epitélio urogenital. Tanto o laser de CO2 como o laser ER: YAG laser agem de forma ablativa, com pulsos curtos, alta potência e focados, criando injúria térmica sem destruir os tecidos superficiais.

Tratamento com laser para síndrome genitourinária da menopausa (SGM)

Análise recente sobre uso de laser na síndrome geniturinária da menopausa

Um trabalho de julho de 2022 publicado no British Journal of Obstetrcis & Gynaecology analisou publicações utilizando diferentes tipos de lasers, tanto de CO2 como ER: YAG laser, laser MonaLisa (laser de  CO2 italiano patenteado tanto para pele ou mucosa) e laser SMOOTH (laser da Eslovênia não ablativo com efeito térmico gradual). A população total foi de 1.780 pacientes, tratadas com seguimento de até 24 meses.

O resumo das conclusões foi:

  • Os estrogênios vaginais ainda são considerados o padrão ouro para o tratamento dos sintomas da SGM. As pacientes devem ser adequadamente investigadas e aconselhadas sobre o alto nível de segurança e eficácia dos estrogênios vaginais e também aconselhadas sobre tratamentos não hormonais antes de considerar o laser vaginal como tratamento para SGM.
  • Embora limitadas, as evidências até o momento sugerem que a terapia a laser pode ser benéfica como tratamento não hormonal para o manejo da SGM e parece ter eficácia semelhante no tratamento dos sintomas ao estrogênio vaginal.
  • Existem incertezas sobre a eficácia e segurança a longo prazo do tratamento a laser para SGM. Os estudos até o momento têm sido em grande parte pequenos em tamanho, tanto prospectivo/retrospectivo observacional em design, com acompanhamento de curto prazo e utilizaram ferramentas heterogêneas para a avaliação da eficácia. Mais pesquisas e estudos randomizados controlados são necessários para avaliar e estabelecer a eficácia e segurança a longo prazo dessa tecnologia antes que ela possa ser recomendada para o gerenciamento do SGM.
  • As evidências sugerem que a duração do efeito da terapia a laser reduz com o tempo e, em 18 meses, os escores dos sintomas retornam aos níveis basais. Ainda não é possível determinar o efeito de doses repetidas.
  • Em estética e ginecologia, os lasers atualmente têm aprovação do FDA dos EUA apenas para “incisão, excisão, ablação, vaporização e coagulação de tecidos moles do corpo”. O tratamento do SGM nos EUA ainda precisa ser aprovado. O laser Er:YAG foi aprovado pelo FDA canadense em agosto de 2019 para uso em ‘SGM e incontinência urinária de esforço’.
  • Os médicos devem ser cautelosos ao adotar novas tecnologias sem evidências robustas para apoiar seu uso. Os médicos devem aconselhar e conscientizar as mulheres sobre as evidências limitadas de lasers na prática clínica.
  • As recomendações do grupo de consenso internacional e as diretrizes do National Institute for Health and Care Excellence (NICE) sugerem que a terapia a laser deve ser restrita a ambientes de pesquisa até que dados robustos estejam disponíveis.
  • O tratamento indiscriminado com laserterapia com pouca avaliação e aconselhamento levará a resultados de baixa satisfação e morbidade. É muito cedo para encorajar a ampla adoção da terapia a laser em ginecologia fora de um estudo de pesquisa até que os resultados de estudos maiores e multicêntricos controlados por simulação estejam disponíveis.
  • Ao usar dispositivos baseados em energia, os médicos devem garantir que tenham treinamento adequado tanto no uso de lasers, mas também nas condições que estão tratando (por exemplo, SGM, etc.). O uso de lasers para condições ginecológicas por terapeutas com laser que não sejam ginecologistas deve ser desencorajado, a menos que eles possam demonstrar treinamento e governança adequados. Também é necessária uma regulamentação adequada sobre o uso de lasers, que atualmente está em falta principalmente na indústria estética.
  • Os regimes de tratamento devem ser registrados, incluindo configurações de energia, número de passagens, parâmetros de tratamento, intervalos entre procedimentos, bem como a indicação, avaliação e resultados de acompanhamento, incluindo complicações. Os médicos devem registrar seus dados preferencialmente em um banco de dados com notificação obrigatória de eventos adversos.
  • Os médicos devem estar cientes das diferenças entre os diferentes tipos de lasers, bem como das evidências de pesquisa para a segurança e eficácia de cada laser em particular, incluindo a indicação clínica específica, tecido-alvo (por exemplo, pele, modelo animal, epitélio) e nível de energia/parâmetros de tratamento. A maioria das pesquisas publicadas examina o CO2 MonaLisa Touch (oito artigos) e o Er:Yag SMOOTH (seis artigos). As lições aprendidas com o debate da malha indicam que as empresas não devem alegar que seu produto é tão eficaz quanto outro, sem fornecer evidências específicas da eficácia e segurança de seu próprio produto. Como tal, os médicos devem citar a literatura apropriada.

Saiba mais: A menopausa influencia na Síndrome do Olho Seco?

Como qualquer terapia nova, o laser está em fase de desenvolvimento e testes — até o momento, pode ser utilizado em situações específicas indicadas. Vamos aguardar estudos mais robustos para novas conclusões.

Cadastre-se ou faça login para acessar esse e outros conteúdos na íntegra
Cadastre-se grátis Fazer login
Veja mais beneficios de ser usuário do Portal PEBMED: Veja mais beneficios de ser usuário
do Portal PEBMED:
7 dias grátis com o Whitebook Aplicativo feito para você, médico, desenhado para trazer segurança e objetividade à sua decisão clínica.
Acesso gratuito ao Nursebook Acesse informações fundamentais para o seu dia a dia como anamnese, semiologia.
Acesso gratuito Fórum Espaço destinado à troca de experiências e comentários construtivos a respeito de temas relacionados à Medicina e à Saúde.
Acesso ilimitado Tenha acesso a noticias, estudos, atualizacoes e mais conteúdos escritos e revisados por especialistas
Teste seus conhecimentos Responda nossos quizes e estude de forma simples e divertida
Conteúdos personalizados Receba por email estudos, atualizações, novas condutas e outros conteúdos segmentados por especialidades

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo

Selecione o motivo:
Errado
Incompleto
Desatualizado
Confuso
Outros

Sucesso!

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo.

Você avaliou esse artigo

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Baixe e-books, e outros materiais para aprimorar sua prática médica e gestão Baixe e-books, e outros materiais
para aprimorar sua prática
médica e gestão
# Phillips C, Hillard T, Salvatore S, Cardozo L, Toozs-Hobson P; Royal College of Obstetricians and Gynaecologists. Laser treatment for genitourinary syndrome of menopause: Scientific Impact Paper No. 72 (July 2022): Scientific Impact Paper No. 72 (July 2022). BJOG. 2022 Jul 27. doi: 10.1111/1471-0528.17195.