Pebmed - Notícias e Atualizações em Medicina
Cadastre-se grátis
Home / Colunistas / Uso de maconha entre adolescentes na era do vape, nos EUA
mulher fumando cigarro eletrônico, vape

Uso de maconha entre adolescentes na era do vape, nos EUA

Quer acessar esse e outros conteúdos na íntegra?

Cadastrar Grátis

Faça seu login ou cadastre-se gratuitamente para ter acesso ilimitado a todos os artigos, casos clínicos e ferramentas do Portal PEBMED

O vape de maconha expandiu entre os adolescentes nos Estados Unidos, de acordo com o 2019 Monitoring the Future (MTF) survey. Desde 1975, o MTF mede o uso de drogas e de álcool e as atitudes relacionadas ao uso dessas substâncias entre estudantes adolescentes americanos. A pesquisa é financiada pelo NIDA, um componente do National Institutes of Health (NIH), e realizada pela Universidade de Michigan.

Vaping é o ato de inspirar e expirar o aerossol (vapor), produzido por um cigarro eletrônico ou dispositivo similar. O termo é usado porque os cigarros eletrônicos não produzem fumaça, mas sim um aerossol, frequentemente confundido com vapor de água que, na verdade, consiste em partículas finas. Muitas dessas partículas contêm quantidades variadas de produtos químicos tóxicos que têm sido associados ao câncer, além de doenças respiratórias e cardíacas.

Maconha no vape

O tetra-hidrocanabinol (o principal constituinte psicoativo da maconha) pode ser vaporizado. No entanto, o vape de maconha produz efeitos fisiológicos e psicológicos significativamente maiores em comparação aos métodos tradicionais de fumar o tetra-hidrocanabinol, levantando preocupações sobre os possíveis efeitos à saúde.

Em carta recente publicada online na revista JAMA, Miech e colaboradores (2019) relataram a prevalência do uso de vape de maconha para 2019 entre adolescentes americanos e o aumento dessa prevalência entre 2017, 2018 e 2019.

No total, 42.531 estudantes de 396 escolas públicas e privadas dos Estados Unidos participaram da pesquisa MTF de 2019. As análises foram baseadas na pergunta “Em quantos dias (se houver) você consumiu maconha” com os períodos de “nos últimos 30 dias”, “nos últimos 12 meses” e “na sua vida”. A palavra “dias” na questão principal substituiu a palavra “ocasiões”, usada em 2017 e 2018.

Leia também: Anvisa aprova registro e produção de derivados de cannabis; plantio é rejeitado

Em 2019, o vape de maconha “quase diariamente” foi medido pela primeira vez e indicado o uso em “mais de 20 dias” nos últimos 30 dias. Uma amostra de dois terços selecionada aleatoriamente recebeu as perguntas sobre o cigarro eletrônico de maconha em 2019 e uma amostra de um terço selecionada aleatoriamente recebeu as perguntas em 2017 e 2018.

O número de estudantes selecionados aleatoriamente para receber as perguntas foi 14.560 de 43.703 em 2017, 14 857 de 44 482 em 2018 e 28 346 de 42 531 em 2019. Em 2019, a prevalência de vape de maconha nos últimos 30 dias foi de 3,9% (IC95%, 3,3%-4,7%) da 8ª série, 12,6% (IC95%, 11,1%-14,3%) da 10ª série e 14,0% (IC95%, 12,6%-15,5%) da 12ª série. Os níveis de prevalência relatados nos últimos 30 dias aumentaram significativamente de 2018 a 2019. Os aumentos absolutos foram de 1,3% (IC95%, 0,4%-2,2%; P = 0,006) nos alunos da 8ª série, 5,6% (IC95%, 3,7%-7,5%; P <0,001) na 10ª série e 6,5% (IC 95%, 4,7%-8,4%; P <0,001) na 12ª série.

Entre os alunos da 12ª série, esse aumento foi significativamente maior que o aumento de 2017 para 2018 por uma diferença absoluta de 4,0% (ou seja, 6,5%-2,5% [IC 95%, 1,3% -6,8%]; P = 0,004). Entre os alunos da 10ª série, o aumento foi de 2,9% (ou seja, 5,6%-2,7% [IC 95%, 0,1% -5,7%]; P = 0,04). Os resultados foram semelhantes nos últimos 12 meses e no tempo de vida. Os aumentos de prevalência a cada ano foram estatisticamente significantes para todas as séries. Para todos os intervalos, o aumento da prevalência entre os alunos do 12º ano foi maior entre 2018 e 2019 do que entre 2017 e 2018. Em 2019, o consumo quase diário de maconha foi relatado por 0,8% (IC95%, 0,6%-1,2%) da 8ª série, 3,0% (IC95%, 2,3%-4,0%) da 10ª série e 3,5% (IC95%, 2,9%-4,3%) da 12ª série.

Mais da autora: Obesidade infantil: consumir leite com menos gordura diminui risco?

As limitações do estudo incluem o potencial de relatar erros e a ausência de evasão do ensino médio. Entretanto, os autores destacam que, à medida que aumenta o número de adolescentes que usam maconha, também aumenta o escopo e o efeito de quaisquer consequências associadas à saúde, que podem incluir lesões pulmonares. Esse estudo mostra que o rápido aumento do consumo de maconha indica a necessidade de novos esforços de prevenção e intervenção direcionados especificamente aos adolescentes.

Quer receber as principais novidades em Medicina? Inscreva-se aqui!

Autor:

Referências bibliográficas:

  • MIECH, R. A. et al. Trends in Reported Marijuana Vaping Among US Adolescents, 2017-2019. JAMA (Online), Dezembro 2019
  • NATIONAL INSTITUTE ON DRUG ABUSE. Monitoring the Future. 2019. Disponível em: https://www.drugabuse.gov/related-topics/trends-statistics/monitoring-future. Acesso em: 09 de jan. 2020
  • RICHTER, L. What is vaping? Center on Addiction. 2018. Disponível em: https://www.centeronaddiction.org/e-cigarettes/recreational-vaping/what-vaping. Acesso em: 09 de jan. 2020

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

×

Adicione o Portal PEBMED à tela inicial do seu celular: Clique em Salvar na Home Salvar na Home e "adicionar à tela de início".

Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.