Leia mais:
Leia mais:
Afinal, o tipo sanguíneo influencia na gravidade da Covid-19?
Covid-19: O que precisamos saber sobre os testes rápidos para a prática clínica?
Duas doses da CoronaVac neutralizam ação da variante Ômicron? 
Anvisa pede atualizações a farmacêuticas sobre uso de anticorpos monoclonais contra Covid-19
Covid-19: OPAS/OMS alerta sobre o uso racional de testes de diagnóstico

Vacinas contra Covid-19: o caminho até aqui

Sua avaliação é fundamental para que a gente continue melhorando o Portal Pebmed

O Portal PEBMED é destinado para médicos e demais profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar seu currículo na internet, se conectar com pacientes e aumentar seus diferenciais, crie um perfil gratuito no AgendarConsulta, o site parceiro da PEBMED.

O desenvolvimento de vacinas eficazes contra Covid-19 foi um passo fundamental para a redução de novo casos e óbitos pela infecção e para o avanço no controle da pandemia. Ao longo do ano de 2021, tivemos grandes avanços no desenvolvimento de imunizantes, inclusive com a aprovação de novas plataformas. Ainda assim, desafios como eventos adversos inesperados e o surgimento de novas variantes também se fizeram presentes.

Confira nossa retrospectiva de vacinas contra Covid-19.

Vacinas contra Covid-19: o caminho até aqui

CoronaVac: a primeira vacina contra Covid-19 no Brasil

A CoronaVac foi o primeiro imunizante a ser amplamente utilizado no país. Os resultados iniciais mostraram uma eficácia global de 50,38%, com redução importante de novas infecções, hospitalizações e mortes.

Um estudo de vida real, conduzido no Chile, mostrou uma eficácia de 87,5% para prevenção de hospitalização, 90,3% para prevenção de internação em CTI e de 86,3% para prevenção de óbito em indivíduos completamente vacinados.

Todos os estudos mostraram um perfil de segurança favorável e não foram descritos eventos adversos especiais com relevância estatística até o momento.

Mais recentemente, preocupações com quedas observadas no título de anticorpos com o tempo motivaram questionamentos em relação ao uso da Coronavac. Estudos chineses pré-print mostraram redução importante na detecção de anticorpos quando dosados 6 a 8 meses após a segunda dose, efeito observado de forma mais prevalente em idosos.

Astrazeneca

A vacina da Astrazeneca/Oxford foi a segunda a ser disponibilizada para a população brasileira. Diferente da Coronavac — que é uma vacina inativada —, a Astrazeneca utiliza um adenovírus não replicante como vetor.

Relatos de casos de trombocitopenia com trombose pós-vacinação, entretanto, comprometeram o uso da Astrazeneca, motivando sua suspensão temporiamente no país. Especial preocupação se deu com a vacinação em gestantes e puérperas após notificação de óbito relacionado a esse evento adverso. O mecanismo de ação parece ser a formação de anticorpos antifator 4, de forma semelhante ao que ocorre na trombocitopenia induzida por heparina.

Pfizer

O terceiro imunizante contra Covid-19 a ser utilizado no Brasil é o produzido pela Pfizer/BioNTech. Com uma tecnologia baseada em RNAm, os estudos iniciais que levaram à sua aprovação mostraram uma eficácia global de aproximadamente 95%, sendo superior a 94% mesmo em faixas etárias mais altas, acima de 65 anos.

Em relação a eventos adversos, relatos de miocardite e pericardite chamaram a atenção. Embora raros, os casos parecem mais frequentes em indivíduos jovens e do sexo masculino e, em sua maioria, apresentam bom prognóstico.

Terceira dose: o que sabemos?

A descoberta e disseminação de novas variantes de SARS-CoV-2, com a deflagração de novas ondas de infecção ao redor do mundo, em conjunto com achados de quedas de títulos de anticorpos circulantes com o tempo, levou ao questionamento sobre a necessidade de doses adicionais da vacina de Covid-19.

Pequenos estudos mostram que indivíduos imunossuprimidos podem não responder adequadamente ao esquema padrão de duas doses. Da mesma forma, outros estudos vêm demonstrando melhora de resposta com a administração de terceira dose, seja em populações específicas, como os imunocomprometidos, seja na população geral, como sugere o estudo de vida real conduzido em Israel.

Atualmente, a estratégia adotada para a terceira dose é a vacinação heteróloga, isto é, a administração de um imunizante diferente do que foi utilizado para as duas primeiras doses. No Sistema Único de Saúde, o reforço está sendo realizada somente com as vacinas Pfizer e Aztrazeneca.

Autor(a):

Cadastre-se ou faça login para acessar esse e outros conteúdos na íntegra
Cadastrar Fazer login
Veja mais beneficios de ser usuário do Portal PEBMED: Veja mais beneficios de ser usuário
do Portal PEBMED:
7 dias grátis com o Whitebook Aplicativo feito para você, médico, desenhado para trazer segurança e objetividade à sua decisão clínica.
Acesso gratuito ao Nursebook Acesse informações fundamentais para o seu dia a dia como anamnese, semiologia.
Acesso gratuito Fórum Espaço destinado à troca de experiências e comentários construtivos a respeito de temas relacionados à Medicina e à Saúde.
Acesso ilimitado Tenha acesso a noticias, estudos, atualizacoes e mais conteúdos escritos e revisados por especialistas
Teste seus conhecimentos Responda nossos quizes e estude de forma simples e divertida
Conteúdos personalizados Receba por email estudos, atualizações, novas condutas e outros conteúdos segmentados por especialidades

O Portal PEBMED é destinado para médicos e demais profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar seu currículo na internet, se conectar com pacientes e aumentar seus diferenciais, crie um perfil gratuito no AgendarConsulta, o site parceiro da PEBMED.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.