Página Principal > Pediatria > Vírus zika pode causar danos substanciais à retina de bebês
bebe olhando para cima

Vírus zika pode causar danos substanciais à retina de bebês

Antes de abril de 2015, nenhum caso de infecção pelo vírus Zika (ZIKV – em inglês, Zika vírus) foi relatado no Brasil. Desde então, a infecção por ZIKV atingiu proporções epidêmicas no país e afetou mais de 1 milhão de brasileiros.

O ZIKV pode causar alterações graves na retina e na coroide que podem resultar em comprometimento visual em bebês com síndrome congênita do Zika.

Com base em uma série de casos, Ventura e colaboradores avaliaram as camadas retinianas afetadas em bebês com síndrome congênita do Zika e descreveram as anormalidades associadas à retina utilizando a tomografia de coerência óptica. Este exame de imagem é utilizado para diagnosticar e acompanhar doenças oculares congênitas e adquiridas e também para avaliar a cronicidade e a atividade desses processos.

Foram avaliados 8 bebês, sendo 3 do sexo masculino e 5 do sexo feminino. A idade média no momento da avaliação foi de 4,1 meses. Onze dos 16 olhos (69%) apresentaram alterações retinianas e a realização de tomografia de coerência óptica foi realizada em 9 (82%) deles. A tomografia de coerência óptica também foi realizada em um olho não afetado.

As melhores condutas médica você encontra no Whitebook. Baixe o aplicativo #1 dos médicos brasileiros. Clique aqui!

Os principais resultados da tomografia nos olhos afetados incluíram descontinuação da zona elipsoide e hiperreflectividade subjacente ao epitélio pigmentado da retina em 9 olhos (100%), desbaste da retina em 8 olhos (89%) e desbaste da coroide em 7 olhos (78%).

Dessa forma, concluiu-se que o vírus Zika pode causar danos substanciais à retina, incluindo as camadas interna e externa, e a coroide.

Autor:

Referência:

  • Ventura C V., Ventura LO, Bravo-Filho V, Martins TT, Berrocal AM, Gois AL, et al. Optical Coherence Tomography of Retinal Lesions in Infants With Congenital Zika Syndrome. JAMA Ophthalmol [Internet]. 2016;062(12):1–8. Available from: https://archopht.jamanetwork.com/article.aspx?doi=10.1001/jamaophthalmol.2016.4283

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.