Pebmed - Notícias e Atualizações em Medicina
Cadastre-se grátis
Home / Infectologia / Whitebook: você sabe diagnosticar corretamente a gonorreia?
medica diagnosticando a gonorreia

Whitebook: você sabe diagnosticar corretamente a gonorreia?

Esse conteúdo é exclusivo para
usuários do Portal PEBMED.

Tenha acesso ilimitado a todos os artigos, quizzes e casos clínicos do Portal PEBMED.

Faça seu login ou inscreva-se gratuitamente!

Essa semana, falamos no Portal PEBMED sobre alternativas de tratamento para gonorreia. Por isso, em nossa publicação semanal de conteúdos compartilhados do Whitebook Clinical Decision, separamos a melhor conduta na abordagem diagnóstica da doença.

As condutas médicas mais atualizadas? Só no Whitebook. Clique aqui e baixe grátis!

Este conteúdo deve ser utilizado com cautela, e serve como base de consulta. Este conteúdo é destinado a profissionais de saúde. Pessoas que não estejam neste grupo não devem utilizar este conteúdo.

Abordagem diagnóstica na gonorreia

No homem, a partir do material purulento, realiza-se a bacterioscopia com coloração de Gram para identificar diplococos Gram-negativos intracelulares em leucócitos polimorfonucleares, e cultura do gonococo em meio seletivo (Thayer-Martin modificado). O diagnóstico laboratorial de infecção por C. trachomatis e N. gonorrhoeae pode também ser feito por um método de biologia molecular (testes de amplificação de ácidos nucleicos – NAAT ou captura híbrida).

Na mulher, a coloração de Gram a partir de material obtido da endocérvice não apresenta boa sensibilidade. Para o diagnóstico da oftalmia neonatal gonocócica, faz-se o esfregaço de exsudato conjuntival e submete a coloração pelo método de Gram, com elevada acurácia. O uso do corante Giemsa permite o reconhecimento de inclusões intracitoplasmáticas de C. trachomatis; porém, essa técnica é de difícil aplicação na atenção básica. Outras opções incluem imunofluorescência direta para C. trachomatis no RN. O exame microscópico direto não é recomendado para o diagnóstico de infecções no reto ou faringe.

Os NAAT apresentam uma sensibilidade maior quando comparados à cultura, principalmente para amostras do reto e faringe. Entretanto, a especificidade pode ser baixa, sendo necessário o uso de um NAAT suplementar confirmatório.

Diagnóstico diferencial

  • Vaginose bacteriana;
  • Vaginite;
  • Gravidez ectópica (incluindo tubária);
  • Abscesso tubo-ovariano;
  • Endometriose;
  • Endometrite;
  • Cervicite mucopurulenta;
  • Epididimite;
  • Orquite;
  • Torção testicular;
  • Infecção urinária;
  • Faringite;
  • Hepatite;
  • Artrite séptica;
  • Conjuntivite não gonocócica;
  • Endocardite não gonocócica;
  • Meningite não gonocócica;
  • Uretrite não gonocócica;
  • Uretrite por herpes-simples;
  • Artrite reativa;
  • Artrite séptica não gonocócica;
  • Febre reumática;
  • Sífilis;
  • Lúpus eritematoso sistêmico;
  • Meningococcemia;
  • Tenossinovite;
  • Abuso sexual;
  • Tricomoníase;
  • Acanthosis nigricans;
  • Doença de Lyme;
  • Artrite psoriática.
Este conteúdo foi desenvolvido por médicos, com objetivo de orientar médicos, estudantes de medicina e profissionais de saúde em seu dia-a-dia profissional. Ele não deve ser utilizado por pessoas que não estejam nestes grupos citados, bem como suas condutas servem como orientações para tomadas de decisão por escolha médica. Para saber mais, recomendamos a leitura dos termos de uso dos nossos produtos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

×

Adicione o Portal PEBMED à tela inicial do seu celular: Clique em Salvar na Home Salvar na Home e "adicionar à tela de início".

Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.