Home / Saúde Pública / Zika causa defeitos congênitos em 10% das gestações
zika

Zika causa defeitos congênitos em 10% das gestações

Saúde Pública
Acesse para ver o conteúdo
Esse conteúdo é exclusivo para usuários do Portal PEBMED.

Para continuar lendo, faça seu login ou inscreva-se gratuitamente.

Preencha os dados abaixo para completar seu cadastro.

Ao clicar em inscreva-se, você concorda em receber notícias e novidades da medicina por e-mail. Pensando no seu bem estar, a PEBMED se compromete a não usar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.

Inscreva-se ou

Seja bem vindo

Voltar para o portal

Tempo de leitura: 2 minutos.

Apesar de escassos os conhecimentos sobre a evolução natural da Zika e sua patogenia, as evidências atuais são fortes o suficiente para estabelecer uma relação causal entre a infecção pelo vírus Zika (ZIKV) durante a gravidez e o aumento da frequência de abortos, natimortos, mortalidade precoce e microcefalia.

Já há um consenso científico de que o ZIKV é uma das causas da microcefalia e está associado a outros defeitos congênitos e condições neurológicas em crianças e adultos.

De 15 de janeiro a 27 de dezembro de 2016, um total de 1.297 gestações com possível infecção pelo ZIKV foram relatadas ao U.S. Zika Pregnancy Registry (USZPR) de 44 estados. Os defeitos congênitos associados ao ZIKV foram notificados em 5% (n=51/972) dos fetos/lactentes de gestações completas com evidência laboratorial de possível infecção recente pelo ZIKV (intervalo de confiança [IC] de 95%: 4% a 7%).

A proporção foi maior quando restrita a gestações com infecção pelo ZIKV confirmada laboratorialmente (10%; n=24/250 gestações completas; IC 95%: 7% -14%).

As melhores condutas médicas você encontra no Whitebook. Baixe o aplicativo #1 dos médicos brasileiros. Clique aqui!

Entre as mulheres infectadas no primeiro trimestre da gravidez, os defeitos congênitos foram reportados em 15% (IC 95%: 8% a 26%) de fetos/lactentes de gestações completas com infecção confirmada pelo ZIKV no primeiro trimestre.

Entre 895 recém-nascidos vivos de gestações com possível infecção recente pelo ZIKV, a neuroimagem pós-natal foi relatada para 221 (25%) e o teste de ZIKV de pelo menos um espécime infantil foi relatado para 585 (65%).

Veja também: ‘Zika pode estar ligado a problemas cardíacos’

Como o espectro clínico completo da infecção congênita pelo ZIKV ainda não é conhecido, todos os bebês nascidos de mulheres com evidência laboratorial de possível infecção recente por ZIKV durante a gravidez devem realizar exames de neuroimagem pós-natal e testes de ZIKV. Além de um exame físico abrangente para o recém-nascido.

Estes resultados destacam porque as mulheres grávidas devem evitar a exposição do ZIKV.

Autora:

Referência:

  • Registry USZP, Reynolds MR, Jones AM, Petersen EE, Lee EH, Rice ME, et al. Vital Signs : Update on Zika Virus – Associated Birth Defects and Evaluation of All U . S . Infants with Congenital Zika Virus Exposure —. CDC. 2017;66(13):366–73.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.