Home / Clínica Médica / Abuso Infantil: achados oculares em crianças com trauma craniano violento (TCV)

Abuso Infantil: achados oculares em crianças com trauma craniano violento (TCV)

Sua avaliação é fundamental para que a gente continue melhorando o Portal Pebmed

Quer acessar esse e outros conteúdos na íntegra?

Cadastrar Grátis

Faça seu login ou cadastre-se gratuitamente para ter acesso ilimitado a todos os artigos, casos clínicos e ferramentas do Portal PEBMED

O trauma craniano violento se refere a lesão abusiva de aceleração/desaceleração com ou sem impacto direto da cabeça. Pode ser encontrado na literatura com os nomes trauma craniano abusivo, trauma craniano não acidental ou síndrome do bebê sacudido. Os achados clínicos incluem hemorragias retinianas (geralmente bilaterais, multicamadas e extensas), hematoma subdural e/ou fraturas ocultas. Pode haver história de múltiplos traumas antes que o abuso seja detectado. O abuso infantil é uma importante causa de morte em crianças. Entre esses casos, as lesões cranianas são a causa principal da morte em 15 a 25%.

Leia também: Quais os desfechos de longo prazo do abuso físico infantil?

Crianças com traumatismo craniano podem ter hemorragias retinianas, vítreas ou do nervo óptico (só visto em autópsia) e dobras retinianas perimaculares ou retinosquise (divisão das camadas posteriores). Em uma revisão sistemática que reuniu 20 estudos observacionais com exames de 973 vítimas de abuso, a hemorragia intraocular (retiniana ou vítrea) foi vista em aproximadamente 85% das crianças com traumatismo craniano. Um exame fundoscópico com oftalmoscópio indireto deve ser feito pelo oftalmologista em toda criança com traumatismo craniano violento suspeito.

Abuso Infantil: achados oculares em crianças com trauma craniano violento (TCV)

Quando suspeitar de traumatismo craniano violento? 

  • Vômitos sem explicação;
  • Dificuldade em se alimentar;
  • Letargia ou Irritabilidade;
  • Convulsão;
  • Perda da consciência.

O que esperar do exame oftalmológico?

  • Quando presentes, as hemorragias retinianas geralmente não são acompanhadas de achados oculares externos, podendo indicar lesão intracraniano oculta. Aparecem em 47 a 100% dos casos de trauma craniano violento (na maioria das séries é 85%);
  • Pupilas pouco reativas ou um olhar preferencial podem ser notados;
  • Equimoses periorbitárias, hemorragias subconjuntivais, hifema e fraturas orbitárias podem indicar trauma direto da face e/ou órbita;
  • Sinais tardios de lesão direta grave na fundoscopia podem incluir atrofia óptica, descolamento de retina, cicatrizes retinianas e ruptura de coroide;
  • Em alguns casos as anormalidades intracranianas podem não ser encontradas na tomografia inicial. Nesses casos a detecção de hemorragias retinianas é um indicador forte de que houve traumatismo craniano e deve ser realizada uma ressonância magnética. Apesar disso, a presença de hemorragias não confirma o diagnóstico e a ausência não exclui. Na maioria dos casos, as hemorragias são bem numerosas e se estendem anteriormente a ora serrata. Em 2/3 ocorrem em múltiplas camadas;
  • Outros achados possíveis: tração vitreorretiniana, separação vítrea e retinosquise subclínica.

Ouça mais: Check-up Semanal: lesão ocular em crianças, causada por álcool e mais! [podcast]

Manejo Oftalmológico

  • Acompanhamento regular com oftalmologista;
  • Vitrectomia nos pacientes com hemorragia vítrea densa, particularmente se houver resposta boa elétrica da retina;
  • O potencial visual muitas vezes é limitado pelas lesões do sistema nervoso central e retina (atrofia óptica e cortical). Deve-se sempre lembrar que a correção dos erros refrativos e o tratamento da ambliopia pode ajudar a maximizar o potencial visual.

Autor(a):

Referências biblioográficas:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Entrar | Cadastrar