Home / Cardiologia / Adicionar ticagrelor ao AAS em paciente em pós-operatório de cirurgia cardíaca não tem benefício

Adicionar ticagrelor ao AAS em paciente em pós-operatório de cirurgia cardíaca não tem benefício

Sua avaliação é fundamental para que a gente continue melhorando o Portal Pebmed

Quer acessar esse e outros conteúdos na íntegra?

Cadastrar Grátis

Faça seu login ou cadastre-se gratuitamente para ter acesso ilimitado a todos os artigos, casos clínicos e ferramentas do Portal PEBMED

A cirurgia de revascularização do miocárdio (CRVM) é uma alternativa terapêutica à doença aterosclerótica grave das artérias coronárias. Entretanto 15% dos enxertos de safena estarão concluídos em 1 ano a despeito do uso de AAS. Pacientes pós-angioplastia com stent necessitam dupla antiagregação por determinado período de tempo. Diante destas informações o estudo POPular CABG decidiu testar se a adição de ticagrelor ao AAS, pós-revascularização cirúrgica do miocárdio teria algum benefício em relação a patência dos enxertos de safena.

Leia também: Implicações a longo prazo de traqueostomia em pacientes submetidos à cirurgia cardíaca

Ticagrelor ao AAS em paciente em pós operatório de cirurgia cardíaca não tem benefício

Método do estudo

Tratou-se de um estudo duplo-cego, randomizado, multicêntrico, placebo controlado, onde os pacientes recebiam após a CRVM com pelo menos 1 enxerto de safena AAS e ticagrelor ou AAS e placebo durante 1 ano.  O desfecho primário era a oclusão de algum enxerto de safena, avaliado em 1 ano através angiotomografia de coronária. O desfecho secundário foi um composto de oclusão da safena, revascularização da safena, infarto do miocárdio, e infarto do miocárdio na área nutrida pela safena ou morte súbita.

Saiba mais: Cirurgia cardíaca: novidades no tratamento de complicações no pós-operatório imediato

Foram 499 pacientes, a idade média era de 68 anos, 87% eram homens, a indicação de cirurgia foi infarto agudo do miocárdio em 31% dos casos e 92% dos procedimentos foram necessários CEC. O desfecho primário ocorreu em 10,5% do grupo do ticagrelor e 9,5% no grupo placebo, um odds ratio de 1,29 [95% IC, 0,73–2,30] P=0,38. O desfecho secundário ocorreu em 14,2% dos pacientes e 11,6% no grupo placebo, odds ratio de 1,22 [95% IC, 0,72–2,05].

Conclusão

Após 12 meses a adição de ticagrelor não mudou o desfecho primário, portanto não há indicação de uso do ticagrelor em adição ao AAS nessas circunstâncias até o momento.

Autor(a):

Referências bibliográficas:

  • Willemsen LM, Janssen PWA, Peper J, et al. Effect of Adding Ticagrelor to Standard Aspirin on Saphenous Vein Graft Patency in Patients Undergoing Coronary Artery Bypass Grafting (POPular CABG): A Randomized, Double-Blind, Placebo-Controlled Trial. Circulation 2020; 142:1799. doi: 10.1161/CIRCULATIONAHA.120.050749

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

×

Adicione o Portal PEBMED à tela inicial do seu celular: Clique em Salvar na Home Salvar na Home e "adicionar à tela de início".

Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.