Pebmed - Notícias e Atualizações em Medicina
Cadastre-se grátis
Home / Anestesiologia / Analgesia intra-articular guiada por ultrassom em luxação acromioclavicular
médico segurando prancheta de paciente que realizou analgesia guiada por ultrassom

Analgesia intra-articular guiada por ultrassom em luxação acromioclavicular

Esse conteúdo é exclusivo para
usuários do Portal PEBMED.

Tenha acesso ilimitado a todos os artigos, quizzes e casos clínicos do Portal PEBMED.

Faça seu login ou inscreva-se gratuitamente!

As luxações acromioclaviculares (LAC) são muito comuns nos departamentos de emergência, correspondendo a cerca de 40% das lesões de ombro e são muito comumente associadas a traumas especialmente ocasionados por esportes. Normalmente se apresentam como processos bastante dolorosos e tratados com analgésicos orais, porém muitos pacientes são refratários a esse tratamento e acabam se beneficiando com a administração de opioides venosos.

Atualmente, em época da prática “opioide free” a realização de injeção intra-articular de anestésico local demonstrou grande eficácia em relação à analgesia, porém nunca foi descrita como parte da analgesia multimodal no cenário atual. A técnica realizada por USG, além de ser facilmente realizada na beira do leito, demonstrou muito mais eficácia que a técnica tradicional que utiliza parâmetros anatômicos, principalmente em relação a localização correta da injeção e efetividade álgica (93,6% versus 68,2%). Nesse artigo iremos relatar o primeiro caso de analgesia de LAC guiada por ultrassom.

Analgesia intra-articular por ultrassom

O procedimento foi realizado no departamento de emergência em um paciente do sexo masculino de 41 anos sem histórico de comorbidades que sofreu LAC por queda de moto. Esse paciente a princípio recebeu medicação analgésica oral com 600 mg de ibuprofeno e 1 g de acetoaminofeno não apresentando nenhuma melhora da dor. A técnica de bloqueio local guiado por USG foi indicada.

Leia também: Novos anticoagulantes orais (ou clopidogrel) e a segurança da toracocentese ecoguiada

O paciente foi colocado em posição sentada e a articulação identificada com palpação suave. O transdutor foi posicionado na articulação de uma forma que a clavícula distal, o processo acrômio clavicular e o espaço articular fossem totalmente visualizados na tela. Após botão anestésico subcutâneo com lidocaína 1% para conforto do paciente, foi introduzido a agulha acoplada com a seringa contendo 3 mL de bupivacaína a 0,5% na junção acrômio clavicular.

Não foi realizada punção articular anterior e o paciente tolerou o procedimento com o mínimo de desconforto. Paciente foi reavaliado 30 minutos após o procedimento e relatou melhora do dor em uma escala de 3/10 em relação a severidade e estava apto a realizar abdução do braço completa com o mínimo desconforto. Após uma semana, paciente foi contactado e relatou melhora da dor numa escala de 1/10 com duração de 8 horas da analgesia.

Apesar da LAC ser uma lesão frequente e bastante dolorosa, não existem muitas alternativas terapêuticas atualmente realizadas além dos analgésicos orais e opioides venosos, que na maioria das vezes não são eficazes. Bloqueio de plexo braquial é eficaz para promover analgesia em fratura de clavícula, porém não apresentam grande eficácia em lesões distais. Além disso, necessitam de equipe com treinamento especializado, monitorização contínua e maior tempo de internação hospitalar, fora os riscos inerentes ao procedimento.

Mais da autora: Injeção acidental de ácido tranexâmico no bloqueio espinhal: um erro catastrófico

Injeção intra-articular com o uso de parâmetros anatômicos mostrou-se menos acurada que as injeções guiadas por USG, principalmente devido à pouca profundidade da articulação, alterações anatômicas de cada indivíduo e presença de ostófitos que podem dificultar a técnica.

Conclusão

Embora não haja relatos na literatura da prática do bloqueio guiado por USG e embora essa técnica seja amplamente utilizada no controle da dor crônica e não necessite de grande experiência com USG, esse estudo demonstrou que a técnica pode ser a solução ideal, segura, eficaz e efetiva para pacientes em sala de emergência refratários à analgesia oral e venosa, apresentando dor aguda por luxação acromioclavicular.

Autora:

Referências bibliográficas:

  • Mike C, Gelber J, Nagdev A. Ultrasound-guided analgesic injection for acromioclavicular joint separation in the emergency department. The American Journal of Emergency Medicine Volume 38, Issue 1, January 2020, Pages 162.e3-162.e
  • Sabeti-Aschraf M, Ochsner A. The infiltration of the AC joint performed by one specialist: ultrasound versus palpation a prospective randomized pilot study. Eur J Radiol, 75 (1) (2010), pp. e37-e40
  • Todd K. A review of current and emerging approaches to pain management in the emergency department. Pain Ther, 6 (2) (2017), pp. 193-202
  • Smalley C.M., Dorey A., Thiessen M., Kendall J. A survey of ultrasound milestone incorporation into emergency medicine training programs. J Ultrasound Med, 35 (7) (2016), pp. 1517-1521
  • Park KD, et al. Park Palpation versus ultrasound-guided acromioclavicular joint intra-articular corticosteroid injections: a retrospective comparative clinical study. Pain Physician, 18 (4) (2015), pp. 333-341

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

×

Adicione o Portal PEBMED à tela inicial do seu celular: Clique em Salvar na Home Salvar na Home e "adicionar à tela de início".

Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.