Leia mais:
Leia mais:
Sono saudável diminui risco de arritmias
ESC 2021: consumo de café leve a moderado pode estar relacionado a benefício cardiovascular
Café está ou não associado ao aumento do risco de arritmias?
Amiloidose: Qual a classificação e conceitos básicos de diagnóstico?
Chá verde, café e mortalidade

Café está ou não associado ao aumento do risco de arritmias?

Sua avaliação é fundamental para que a gente continue melhorando o Portal Pebmed

Quer acessar esse e outros conteúdos na íntegra?

Cadastrar Grátis

Faça seu login ou cadastre-se gratuitamente para ter acesso ilimitado a todos os artigos, casos clínicos e ferramentas do Portal PEBMED

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar seu currículo na internet, se conectar com pacientes e aumentar seus diferenciais, crie um perfil gratuito no AgendarConsulta, o site parceiro da PEBMED.

Há anos o consumo de café é associado a ocorrência de arritmias. Há plausibilidade biológica para isso, já que o café aumenta os níveis de catecolaminas séricas e a liberação de cálcio do retículo sarcoplasmático, que pode levar a alterações na despolarização. Além disso, estudos observacionais pequenos da década de 1980 mostraram aumento de arritmia relacionado a cafeína. 

Estudos mais recentes vêm mostrando que esse risco não parece ser aumentado e, inclusive, que o café pode ter benefícios como redução em câncer, diabetes, doença cardiovascular e mortalidade geral. Uma revisão recente mostrou que o café parece ter mais benefícios que malefícios para a saúde.

Leia também: Consumo de cafeína por gestantes associada à restrição de crescimento do bebê?

Foi então realizado um novo estudo, publicado recentemente no JAMA, que avaliou a associação da ingestão de café com o risco de taquiarritmias em uma grande coorte populacional. 

Café está ou não associado ao aumento do risco de arritmias?

Tome as melhores decisões clinicas, atualize-se. Cadastre-se e acesse gratuitamente conteúdo de medicina escrito e revisado por especialistas

Método do estudo e população envolvida

Foram recrutados 502.543 pacientes entre 2006 e 2010 e feito o preenchimento de questionário, avaliação física e coletados exames laboratoriais. Os participantes foram agrupados em 8 categorias de acordo com o consumo de café: 0, menos que 1, 1, 2, 3, 4, 5 e 6 ou mais xícaras de café. 

O desfecho primário foi ocorrência de taquiarritmia entre 2006 e 2018, obtida a partir dos registros de atendimento dos pacientes. Foram incluídas fibrilação ou flutter atrial (FA), taquicardia supraventricular (TSV), taquicardia ventricular (TV) e extra-sístoles atriais (ESA) ou ventriculares (ESV). A análise secundária avaliou a ocorrência de cada tipo de arritmia isoladamente. 

Além disso, foi feita análise genética dos pacientes: mais de 95% da cafeína é metabolizada pelo gene CYP1A2 e a variabilidade de sua atividade enzimática é fortemente associada a variabilidade do metabolismo do café. Foi criado um score com as principais variantes genômicas e os maiores scores representam metabolismo mais lento da cafeína. Nesse estudo foi testada também a hipótese de que metabolizadores mais rápidos consomem mais café. 

Resultados

Os 502.543 participantes consumiram uma mediana de 2 xícaras de café ao dia. Deste total, 22,1% não tomavam café, 61,7% faziam uso do café com cafeína e 14,8% sem cafeína. Na análise final foram incluídos 386.258 participantes com média de idade de 56 anos, sendo 52,3% do sexo feminino. 

Pessoas que consumiam mais que a mediana diária de café eram mais velhos, brancos, do sexo masculino, com maior ocorrência de doença arterial periférica, câncer, tabagismo e etilismo e tinham menos hipertensão, diabetes e doença renal crônica. 

No seguimento médio de 4,5 anos, ocorreram 16.369 arritmias, sendo a grande maioria FA (12.811), seguida de TSV (1.920) e o restante extrassístoles e arritmias não especificadas. Após ajuste para as comorbidades dos pacientes, para cada xícara ingerida a mais houve redução de 3% no risco de arritmia. Na análise dos tipos isolados de arritmia houve associação negativa com FA e TSV.  A FA ocorre quando há menor período refratário efetivo atrial e a cafeína parece prolongar este período. Além disso, ela bloqueia receptores de adenosina, que em altas doses é capaz de desencadear FA. Ainda, a cafeína tem efeitos antioxidantes e anti-inflamatórios, o que pode contribuir para a menor ocorrência das arritmias. 

Saiba mais: Cafeína pode estimular a produção do tecido adiposo marrom e ajudar no combate à obesidade

Houve associação positiva da ocorrência de arritmia com tabagismo (HR 1,09, IC95% 0,03 – 1,15, p = 0,002). Em relação as variantes genéticas, participantes com variantes relacionadas a metabolismo mais lento da cafeína consumiram menos café, porém não houve associação com o risco de arritmia. 

Análises adicionais de sensibilidade encontraram probabilidade 7% menor da ocorrência de arritmia para cada xícara adicional de café, sem evidência de relação do score genético ou variantes da CYP1A2 com o risco de arritmia. 

Conclusão

Este foi um estudo populacional grande prospectivo que mostrou que o maior consumo de cafeína está associado a menor ocorrência de arritmias e essa associação não foi afetada pelas variantes genéticas associadas ao metabolismo da cafeína. A proibição do consumo de café para reduzir arritmias não se justifica e não deve ser realizada na prática clínica. 

Autor(a):

Referências bibliográficas:

  • Kim E-j, et al. Coffee Consumption and Incident TachyarrhythmiasReported Behavior, Mendelian Randomization, and Their Interactions. JAMA Intern Med. 2021 July. doi:10.1001/jamainternmed.2021.3616
Cadastre-se ou faça login para acessar esse e outros conteúdos na íntegra
Cadastrar Fazer login
Veja mais beneficios de ser usuário do Portal PEBMED: Veja mais beneficios de ser usuário
do Portal PEBMED:
7 dias grátis com o Whitebook Aplicativo feito para você, médico, desenhado para trazer segurança e objetividade à sua decisão clínica.
Acesso gratuito ao Nursebook Acesse informações fundamentais para o seu dia a dia como anamnese, semiologia.
Acesso gratuito Fórum Espaço destinado à troca de experiências e comentários construtivos a respeito de temas relacionados à Medicina e à Saúde.
Acesso ilimitado Tenha acesso a noticias, estudos, atualizacoes e mais conteúdos escritos e revisados por especialistas
Teste seus conhecimentos Responda nossos quizes e estude de forma simples e divertida
Conteúdos personalizados Receba por email estudos, atualizações, novas condutas e outros conteúdos segmentados por especialidades

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar seu currículo na internet, se conectar com pacientes e aumentar seus diferenciais, crie um perfil gratuito no AgendarConsulta, o site parceiro da PEBMED.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Entrar | Cadastrar