Cardiologia

Cardiopatas possuem maior risco na pandemia da Covid-19?

Tempo de leitura: 2 min.

No dia 04/06, os autores solicitaram ao The New England of Medicine a retirada do estudo após não conseguirem realizar uma auditoria externa dos dados. Saiba mais aqui.

Em outras ocasiões já abordamos esse tema no portal, entretanto os dados eram iniciais e maiores conhecimentos foram adquiridos ao longo da evolução da pandemia de Covid-19. Inicialmente estudos observacionais tem procurado entender o comportamento da infecção pelo novo coronavírus, mas um grupo em especial tem chamado muito a atenção, os cardiopatas.

Esses pacientes são desproporcionalmente afetados pelo vírus, diversos mecanismos foram postulados em relação, dentre eles o mais pesquisado consiste na utilização dos receptores da enzima conversora de angiotensina 2 (ECA 2) como ponte para a entrada nas células pelo vírus.

O uso de inibidores da enzima conversora de angiotensina (IECA) ou bloqueadores dos receptores de angiotensina (BRA) teria o poder de expor mais os receptores de ECA2 ao vírus, facilitando sua entrada nas células e deixando os pacientes cardiopatas especialmente vulneráveis. Entretanto, como não há nenhuma evidência concreta desse efeito as principais sociedades de cardiologia pelo mundo não recomendam a descontinuação destes medicamentos.

Tome as melhores decisões clinicas, atualize-se. Cadastre-se e acesse gratuitamente conteúdo de medicina escrito e revisado por especialistas
Cadastrar Login

Cardiopatas na pandemia de Covid-19

Um grande estudo multicêntrico, observacional em 169 hospitais com maios 8.000 pacientes decidiu investigar a relação entre a doença cardiovascular e o uso dessas medicações.

Dos 8.910 pacientes internados 515 vieram a óbito (5,8%), com o restante recebendo alta. Os fatores de risco relacionados a morte destes pacientes foram, idade maior que 65 anos, doença arterial coronariana, insuficiência cardíaca, doença pulmonar obstrutiva crônica, arritmias cardíacas e tabagismo.

Não foi encontrada, no estudo, nenhuma evidência de que os IECA ou BRA estiveram relacionados a um aumento de mortalidade.

Estes dados corroboram que cardiopatas em geral estão mais propensos a ter um desfecho pior durante a infecção pelo coronavírus, entretanto não foi observada uma relação entre o uso de IECA ou BRA e um aumento de mortalidade.

Estudos observacionais são excelentes para ser ter um panorama geral da situação, entretanto devemos aguardar os estudos randomizados e controlados, avaliado outros desfechos clínicos como infarto do miocárdio, acidente vascular encefálico e morte cardiovascular para contar com dados mais robustos.

Autor:

Referências bibliográficas:

  • Mehra MR, Desai SS, Kuy S, Henry TD, Patel AN. Cardiovascular disease, drug therapy, and mortality in Covid-19. N Engl J Med.
Compartilhar
Publicado por
Gabriel Quintino Lopes

Posts recentes

Efeito das lentes de contato rígidas gás permeáveis no Ceratocone

O uso de lentes de contato é uma das medidas muito utilizadas na reabilitação visual…

1 dia atrás

Whitebook: Intoxicação por cloroquina no ECG

Em nossa publicação semanal de conteúdos compartilhados do Whitebook vamos falar um pouco sobre a…

1 dia atrás

O paciente como um todo: entendendo o indivíduo, a família e o contexto

A experiência que cada paciente tem é única e esse entendimento, pelo médico, é fundamental…

2 dias atrás

As aplicabilidades da escala de coma de Glasgow [podcast]

No episódio de hoje, Felipe Nobrega comenta sobre o uso da escala de coma de…

2 dias atrás

Tempo mínimo de tratamento para a pneumonia adquirida na comunidade: o estudo PCT

A duração difundida do tratamento antimicrobiano para pneumonia adquirida na comunidade, de 5 a 10…

2 dias atrás

Modelo de predição de parto prematuro para mulheres em trabalho de parto prematuro

O paradigma envolvendo o parto prematuro é a dificuldade de diagnóstico, uma vez que seus…

2 dias atrás