Covid-19: recomendações para a trombocitopenia trombótica imune induzida pela vacina

Foram publicados na literatura casos de trombocitopenia e eventos trombóticos após administração da vacina Oxford (AstraZeneca).

O Portal PEBMED é destinado para médicos e demais profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar esse conteúdo crie um perfil gratuito no AgendarConsulta.

A vacinação contra a infecção pelo novo coronavírus é uma medida fundamental para conter o avanço da pandemia. Muito se tem discutido sobre a Covid-19 e as vacinas disponíveis, principalmente quanto à eficácia e à segurança de cada uma. Foram publicados na literatura casos de trombocitopenia e eventos trombóticos após administração da vacina Oxford (AstraZeneca), e estudos mostram a presença de anticorpos contra o complexo heparina/fator-4-plaquetário, sugerindo a participação de mecanismos imunológicos.

A International Society on Thrombosis and Haemostasis (ISTH) publicou, no final de abril/2021, orientações quanto ao diagnóstico e do manejo da trombocitopenia trombótica imune induzida pela vacina (TTIIV).

Leia também: Ministério da Saúde retira grávidas sem comorbidades do grupo de vacinação contra a Covid-19

Covid-19: recomendações para a trombocitopenia trombótica imune induzida pela vacina

Diagnóstico

Deve-se suspeitar da condição nos indivíduos com manifestações clínicas de tromboembolismo, de instalação recente (ex.: cefaleia intensa e persistente com ou sem alterações visuais, dor abdominal de forte intensidade e longa duração, dor e/ou edema em membro inferior, dor torácica e/ou dispneia), que tenham sido submetidos à vacinação contra a Covid-19 há 4-28 dias (vacina AstraZeneca). Importante ressaltar que é necessária a presença dos dois critérios: clínica de tromboembolismo + vacinação recente. Pacientes com apenas um dos critérios não devem ser considerados como casos suspeitos de TTIIV.

Quando há suspeita clínica baseada nos critérios acima, a sociedade recomenda a realização de exames laboratoriais e de imagem (de acordo com a sintomatologia de cada paciente). Caso a plaquetometria esteja normal (acima de 150.000/mm³) e/ou não seja evidenciado evento tromboembólico ao exame de imagem, não se deve considerar o diagnóstico de TTIIV.

Saiba mais: Covid-19: FDA autoriza uso emergencial da vacina Pfizer em adolescentes de 12 a 15 anos

Por outro lado, se houver confirmação de tromboembolismo agudo e trombocitopenia, é possível tratar-se de TTIIV. Nesse contexto, exames adicionais são indicados para melhor elucidação diagnóstica: coagulograma, fibrinogênio, D-dímero e pesquisa de anticorpos anti-fator-4-plaquetário. Se tal pesquisa for negativa, o diagnóstico é excluído e a investigação de outras causas deve ser realizada.

O diagnóstico é confirmado quando há evidência de anticorpos anti-fator-4-plaquetário. No entanto, em algumas situações, tal exame não se encontra disponível. Nesses casos, níveis muito elevados de D-dímero sugerem TTIIV, e o tratamento empírico pode ser considerado.

Manejo

O tratamento consiste na administração de imunoglobulina (0,5-1 g/kg/dia por 2 dias). Corticoterapia está indicada se trombocitopenia grave. Casos refratários podem requerer a realização de plasmaférese, que age removendo os anticorpos.

Transfusão de plaquetas deve ser evitada, uma vez que pode aumentar o risco trombogênico. Recomenda-se reservar tal medida para casos de trombocitopenia grave (plaquetometria menor que 50.000/mm³) associada à hemorragia ou à necessidade de procedimento invasivo com alto risco de sangramento.

O uso de heparina (seja de baixo peso molecular, seja não fracionada) não é recomendado devido às semelhanças na fisiopatologia da TTIIV e da trombocitopenia induzida por heparina. Apesar de não haver dados na literatura que comprovem a associação, acredita-se que o anticoagulante possa exacerbar a condição. Se plaquetometria maior que 50.000/mm³, na ausência de eventos hemorrágicos, anticoagulação pode ser feita com outras drogas, como fondaparinux e novos anticoagulantes orais. Antagonista de vitamina K também deve ser evitado pelo risco de microtromboses.

Referências bibliográficas:

Cadastre-se ou faça login para acessar esse e outros conteúdos na íntegra
Cadastre-se grátis Fazer login
Veja mais beneficios de ser usuário do Portal PEBMED: Veja mais beneficios de ser usuário
do Portal PEBMED:
7 dias grátis com o Whitebook Aplicativo feito para você, médico, desenhado para trazer segurança e objetividade à sua decisão clínica.
Acesso gratuito ao Nursebook Acesse informações fundamentais para o seu dia a dia como anamnese, semiologia.
Acesso gratuito Fórum Espaço destinado à troca de experiências e comentários construtivos a respeito de temas relacionados à Medicina e à Saúde.
Acesso ilimitado Tenha acesso a noticias, estudos, atualizacoes e mais conteúdos escritos e revisados por especialistas
Teste seus conhecimentos Responda nossos quizes e estude de forma simples e divertida
Conteúdos personalizados Receba por email estudos, atualizações, novas condutas e outros conteúdos segmentados por especialidades

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo

Selecione o motivo:
Errado
Incompleto
Desatualizado
Confuso
Outros

Sucesso!

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo.

Você avaliou esse artigo

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Baixe e-books, e outros materiais para aprimorar sua prática médica e gestão Baixe e-books, e outros materiais
para aprimorar sua prática
médica e gestão