Dia Mundial da Tuberculose: dificuldades no diagnóstico em crianças e adolescentes

Estudo brasileiro destaca as dificuldades no diagnóstico da tuberculose com apresentação atípica ou em pacientes com formas paucibacilares.

O Portal PEBMED é destinado para médicos e demais profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar esse conteúdo crie um perfil gratuito no AgendarConsulta.

Um recente estudo brasileiro realizado na cidade do Rio de Janeiro e publicado no International Journal of Infectious Diseases destaca as dificuldades no diagnóstico da tuberculose (TB) quando a apresentação é atípica ou em pacientes com formas paucibacilares.

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), o Brasil tem uma alta carga de coinfecção de TB e TB associada ao vírus da imunodeficiência humana (HIV). A TB extrapulmonar (TBEP) representa 13,4% dos casos de TB no país. Em um primeiro relatório sobre dados nacionais de TB que incluiu crianças e adolescentes divulgado pelo governo brasileiro em 2019, a taxa de incidência de TB era de 35 casos/100.000 habitantes e, entre 73.584 casos novos, 1.646 (2,2%) ocorreram em crianças com menos de dez anos de idade. Além disso, houve 39 novos casos de TB miliar e meningite tuberculosa (MTB) em crianças com idade inferior a cinco anos. A segunda maior incidência de TB no Brasil ocorre no Rio de Janeiro (93,7 casos/100.000 habitantes), onde a taxa de mortalidade por TB é a quarta maior no país (4,6 óbitos/100.000 habitantes).

Leia também: Uso de IGRA no diagnóstico de tuberculose em crianças HIV positivas

Infelizmente, a quantidade limitada de informações publicadas sobre TBEP entre crianças e adolescentes é em grande parte devido à dificuldade de diagnóstico laboratorial e à variedade de apresentações clínicas. Dessa forma, com o objetivo de comparar as características sociodemográficas, clínicas, diagnósticas e os desfechos do tratamento entre TBEP e TB pulmonar (PTB) em crianças e adolescentes na cidade do Rio de Janeiro, pesquisadores da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) conduziram um estudo retrospectivo, utilizando dados de pacientes com TBEP e TBP com idades entre 0 e 18 anos, notificados em duas bases de dados nacionais no período de 2014 a 2016.

Dia Mundial da Tuberculose: dificuldades no diagnóstico em crianças e adolescentes

Metodologia

Foi realizado um estudo retrospectivo comparando as formas de TBP e TBEP em crianças e adolescentes de 0 a 18 anos diagnosticados no Rio de Janeiro e notificados no Sistema de Informação de Agravos de Notificação em Tuberculose [SINAN-TB], de 1º de agosto de 2014 a 1º de agosto de 2016, durante o período da implementação do Xpert MTB/RIF (Xpert, Cepheid, Sunnyvale, CA, EUA) no município como a primeira abordagem laboratorial para diagnóstico de TBP e TBEP, em substituição à baciloscopia de escarro. Os pesquisadores também utilizaram outro banco de dados nacional, o Gerenciamento do Ambiente Laboratorial (GAL), responsável pelo monitoramento e gerenciamento dos dados laboratoriais, para verificar os resultados do laboratório por meio de uma ligação manual entre os dois bancos de dados.

O Quadro abaixo mostra as definições que foram utilizadas no estudo:

Tuberculose pulmonar (TBP) TB afetando o parênquima pulmonar, incluindo linfonodos intratorácicos ou mediastinais.
Tuberculose extrapulmonar (TBEP) TB afetando outros órgãos: laringe, pleura, linfonodos periféricos, osteo articulações, meningite tuberculosa, aparelho geniturinário, olhos, pele, abdome e pericárdio.
TB miliar TBEP de acordo com o banco de dados do SINAN.
Casos novos, retratamento e transferência A categoria “transferidos para” refere-se aos pacientes identificados em uma unidade de saúde vindos de outra para continuar o tratamento sem interrupção por mais de 30 dias.
Pacientes extremamente vulneráveis Pacientes com, pelo menos, uma das seguintes características: moradores de rua, presidiários e/ou usuários de tabaco, drogas ilícitas ou álcool.
Confirmação laboratorial Qualquer resultado positivo (baciloscopia de escarro, Xpert, cultura de micobactérias ou histopatologia) que tenha confirmado o diagnóstico de tuberculose.
Cura Foi determinada com base em duas baciloscopias de escarro negativas: uma durante o acompanhamento do tratamento (qualquer mês) e outra ao final do tratamento da TB.
Término de tratamento Paciente que completou o tratamento sem evidências de falha e recebeu alta com base em exames clínicos e radiológicos.
Perda de acompanhamento Interrupção do tratamento por 30 dias consecutivos ou mais ou quando o paciente diagnosticado não tenha iniciado o tratamento.
Óbito O paciente faleceu devido à TB como causa básica. Óbito por outras causas foi definido quando a causa básica do óbito não era TB, embora estivesse associada.
Legenda: TB – tuberculose.

Resultados

Foram incluídos 1.008 pacientes. Destes, 144 (14,2%) apresentaram TBEP. Os pacientes com TBEP apresentaram maior chance de diagnóstico no hospital (odds ratio [OR]: 6,76, com intervalo de confiança de 95% [IC 95%] = 4,62–9,90; p < 0,001), sem confirmação laboratorial (OR: 4,9; IC 95%: 3,07 – 7,85; p < 0,001) e ter idade inferior a 14 anos (OR: 3,13; IC 95%: 2,18–4,49) do que aqueles com TBP.

O tempo médio desde a coleta da amostra até o início do tratamento foi significativamente maior em pacientes com TBEP (nove dias) do que naqueles com TBP (cinco dias). A perda de acompanhamento foi significativamente mais comum em pacientes com TBP do que aqueles com TBEP. No entanto, não foi observada uma diferença significativa no tempo de diagnóstico para a perda de acompanhamento.

A morte devido a TB foi significativamente maior entre pacientes com TBEP (5 [33,3%]) do que aqueles com TBP (4 [3,6%]), e o desfecho desfavorável mais frequente em TBEP. O sucesso do tratamento da TB foi o resultado mais frequente em TPB (681 [78,8%]) e TBEP (103 [71,5%]).

A mediana de dias desde o diagnóstico até o óbito por MTB foi de 24,5, e 50% dos pacientes morreram dentro de 14 dias do diagnóstico. Quatro (80%) pacientes morreram devido a MTB.

Saiba mais: Estudo brasileiro cria metodologia para diagnóstico e acompanhamento da tuberculose

As formas pleurais foram mais frequentes nos pacientes com idades entre 10-14 e 15-18 (35/61 [57,4%]). As formas de linfonodos periféricos foram mais frequentes nos pacientes com idade inferior a 5 anos (10 / 27 [37%]) e com idades entre 5 e 9 (9/20 [45%]). A MTB foi mais frequente em crianças com menos de 5 anos (9 [33,3%]).

A notificação hospitalar (22/61 [36,1%]) e o diagnóstico realizado fora da área de residência foram menos frequentes entre os 15 a 18 anos (17/61 [27,9%]). Perda de acompanhamento foi mais frequente entre aqueles com idade entre 10 e 14 (2/36 [5,6%]) e 15 e 18 anos (7/61 [11,5%]), enquanto a transferência foi mais frequente entre aqueles com menos de cinco anos (6/27 [22,2%]). Os adolescentes foram os únicos pacientes com comorbidades:

  • Doenças hematológicas: 6 TBP/0 TBEP;
  • Desnutrição: 2 TBP/2 TBEP;
  • Lúpus eritematoso sistêmico: 0 TBP/2 TBEP;
  • Artrite: 2 TBP/2 TBEP;
  • Hepatite C: 1 TBP/0 TBEP;
  • Desnutrição e paralisia cerebral: 1 TBP/0 TBEP;
  • Deficiência de IgG: 1 TBP/0 TBEP;
  • Rim único congênito: 1 TBP/0 TBEP;
  • Doença de Chron: 1 TBP/0 TBEP;
  • Paralisia cerebral: 3 TBP/0 TBEP;
  • Epilepsia: 1 TBP/1 TBEP;
  • Cardiopatias: 2 TBP/0 TBEP;
  • Síndrome genética não especificada: 1 TBP/0 TBEP;
  • Diabetes: 9 TBP/0 TBEP;
  • Comorbidades não especificadas: 13 TBP/1 TBEP.

O diagnóstico sem investigação laboratorial foi observado em 301/864 (34,8%) pacientes com TBP, 48/144 (33,3%) com TBEP e entre aqueles com idade inferior a cinco anos com TBEP (15/27 = 55,6%). A proporção de resultados positivos entre pacientes TBEP com confirmação laboratorial foi de 8/12 (66,7%), 10/14 (71,4%), 11/25 (44%), 25/45 (55,6%), entre os pacientes com menos de cinco anos, 5 a 9 anos, 10 a 14 anos e 15 a 18 anos, respectivamente. Em todas as idades, a confirmação laboratorial foi baseada na histopatologia e cultura, exceto para apenas 3/144 (2,1%) adolescentes: dois com Xpert e outro com resultados positivos para baciloscopia de escarro. O Xpert foi realizado em apenas 10,4% dos pacientes com TBEP e produziu 14,2% de resultados positivos. Por outro lado, a confirmação laboratorial com Xpert ou baciloscopia de escarro foi realizada em 424/864 (49,1%) pacientes com TBP, principalmente entre adolescentes (403/424 [95%]).

Comentários

De acordo com os pesquisadores, os resultados do presente estudo mostram a dificuldade em diagnosticar e tratar TBEP no Brasil. Eles também descreveram a associação entre TBEP e diagnósticos realizados fora da área de residência do paciente e pacientes transferidos para fora, sugerindo a busca de recursos adicionais durante o tratamento, representando perdas econômicas para a família, pois ela pode ter que se afastar ainda mais de casa para ter o diagnóstico ou para completar o tratamento.

O tempo do diagnóstico até a perda de acompanhamento foi semelhante, provavelmente porque os pacientes com TBP e algumas formas de TBEP enfrentam a mesma rotina de tratamento e desafios nas unidades de saúde, apontando que a TB como um todo é um grande desafio para a adesão ao tratamento.

Ao contrário de outros estudos, os pesquisadores não puderam estabelecer nenhuma associação de coinfecção TB-HIV. As razões prováveis são a exclusão de pacientes com TBEP associada a TBP e a proporção relativamente alta de pacientes sem teste de HIV. Esse dado é bastante preocupante, pois a coinfecção TB-HIV é um risco que promove maior morbidade e mortalidade.

É importante observar que, nesse estudo, os pacientes com TBEP tiveram um tempo maior desde a coleta da amostra até o início do tratamento, provavelmente pela maior complexidade diagnóstica. É possível que o tratamento tenha sido iniciado com base na história epidemiológica e exame clínico, principalmente nas crianças com menos de 10 anos de idade.

Um ponto de extrema relevância abordado pelos pesquisadores é que, desde 2002, o Programa Nacional de Controle da Tuberculose (PNCT) recomenda o sistema de pontuação, validado nacionalmente, para diagnosticar TBP em crianças e adolescentes sem investigação laboratorial ou com investigação inicialmente negativa. Todavia, a baciloscopia de escarro foi realizada em menores de dez anos com os formulários TBP e TBEP, mesmo não sendo uma recomendação nacional e havendo a disponibilidade do Xpert, ilustrando desafios e controvérsias em torno da confirmação laboratorial em crianças. Apesar de totalmente disponível durante o período do estudo, o Xpert foi realizado em uma pequena parcela da população, o que, segundo os pesquisadores, pode refletir um período de adaptação às novas diretrizes do PNCT quanto ao seu uso, baixa confiança dos profissionais de saúde na metodologia, ou mesmo limitações associadas à técnica. Esse dado reforça a importância de amostras de boa qualidade em crianças para obtenção de resultados positivos, pois são paucibacilares e volumes adequados são difíceis, contribuindo para a dificuldade de diagnóstico. Dessa forma, profissionais de saúde bem treinados e materiais de alta qualidade são desejáveis, embora nem sempre disponíveis, e são tão importantes quanto a sensibilidade do teste para se obter resultados positivos.

A relevância desse estudo está no fato de que os seus resultados sugerem um atraso substancial no diagnóstico e posteriormente no tratamento, o que representa um desafio significativo para a redução da mortalidade por tuberculose. De fato, é inegável que a TBEP represente um desafio para os diagnósticos clínicos e laboratoriais que representam uma ameaça à mortalidade e morbidade devido ao atraso no início do tratamento. O estudo de Oliveira e colaboradores salienta as dificuldades no diagnóstico da tuberculose quando a apresentação é atípica ou em pacientes com formas paucibacilares. Além disso, apesar de o Xpert Ultra preencher uma lacuna importante no diagnóstico laboratorial das formas de TB paucibacilar, ele não conseguirá contornar o atraso clínico entre a identificação da TB e a confirmação e subsequente início do tratamento adequado.

Leia os outros textos sobre o Dia Mundial de Combate à Tuberculose no site.

Referências bibliográficas:

  • de Oliveira MCB, Sant’Anna CC, Raggio RL, Kritski AL. Tuberculosis among children and adolescents in Rio de Janeiro, Brazil – Focus on extrapulmonary disease [published online ahead of print, 2021 Feb 14]. Int J Infect Dis. 2021;105:105-112. doi:1016/j.ijid.2021.02.023
Cadastre-se ou faça login para acessar esse e outros conteúdos na íntegra
Cadastre-se grátis Fazer login
Veja mais beneficios de ser usuário do Portal PEBMED: Veja mais beneficios de ser usuário
do Portal PEBMED:
7 dias grátis com o Whitebook Aplicativo feito para você, médico, desenhado para trazer segurança e objetividade à sua decisão clínica.
Acesso gratuito ao Nursebook Acesse informações fundamentais para o seu dia a dia como anamnese, semiologia.
Acesso gratuito Fórum Espaço destinado à troca de experiências e comentários construtivos a respeito de temas relacionados à Medicina e à Saúde.
Acesso ilimitado Tenha acesso a noticias, estudos, atualizacoes e mais conteúdos escritos e revisados por especialistas
Teste seus conhecimentos Responda nossos quizes e estude de forma simples e divertida
Conteúdos personalizados Receba por email estudos, atualizações, novas condutas e outros conteúdos segmentados por especialidades

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo

Selecione o motivo:
Errado
Incompleto
Desatualizado
Confuso
Outros

Sucesso!

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo.

Você avaliou esse artigo

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Baixe e-books, e outros materiais para aprimorar sua prática médica e gestão Baixe e-books, e outros materiais
para aprimorar sua prática
médica e gestão