Leia mais:
Leia mais:
Efetividade das intervenções dietéticas no tratamento da endometriose
IM/ACP 2022: comida pode ser um remédio?
Associação entre dieta e atividade física pré-natais, ganho de peso e o impacto na gestação
Prasugrel melhor que ticagrelor no infarto com angioplastia
Dicas de como manejar um infarto sem supra de ST

Dieta mediterrânea reduz riscos de recidiva de infarto agudo do miocárdio?

Sua avaliação é fundamental para que a gente continue melhorando o Portal Pebmed

O Portal PEBMED é destinado para médicos e demais profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar seu currículo na internet, se conectar com pacientes e aumentar seus diferenciais, crie um perfil gratuito no AgendarConsulta, o site parceiro da PEBMED.

Um dos componentes principais de avaliação dos hábitos de vida durante os atendimentos em atenção primária é referente à alimentação. O estilo de dieta é ponto chave dos fatores modificações que está relacionado à prevenção e parte estrutural do atendimento em cenários de atenção primária.

Em relação a isso, em diversos meios de comunicação, várias informações com teores distintos de rigor científico estão disponíveis acerca da dieta mediterrânea. Quais os benefícios cardiovasculares associados à essa modalidade de dieta? Seria essa dieta capaz de reduzir a ocorrência de infarto agudo do miocárdio?

Veja mais: Dieta do Mediterrâneo pode melhorar a depressão em idosos

médico orientando paciente idosa sobre dieta mediterrânea e infarto

Dieta mediterrânea e infarto

Para responder essa pergunta, pesquisadores realizaram uma revisão de literatura com o objetivo de entender se a dieta mediterrânea é capaz de influenciar desfechos cardiovasculares. As dúvidas sobre essa influência surgiram com a observação de epidemiologia de algumas doenças cardiovasculares em meio à população que vive no Mediterrâneo.

A prevalência de doença coronariana entre esses indivíduos é muito inferior em relação a ao restante da população mundial. Muitas foram as teorias para explicar esse evento, mas uma dieta com grandes quantidades de ácido linoleico e flavonoides parece ser a chave principal.

O que é uma dieta mediterrânea?

A dieta mediterrânea é um padrão alimentar contido em um grupo de dietas conhecidas como “plant based diet”, ou dieta baseada em plantas. Essa é uma modalidade de alimentação em que a proporção dos tipos alimentares é realizada de modo que a maior parte seja composta por plantas.

De modo extremamente simplificado uma dieta mediterrânea irá consistir em:

  • Frutas e vegetais
  • Azeite de oliva como principal fonte de gordura
  • Peixes e aves em quantidades moderada a baixa
  • Consumo diário de queijos e iogurtes
  • Carne vermelha consumida em baixas quantidades
  • Vinho tinto em baixas a moderadas quantidades.

Dietas com esse padrão são pobres em gorduras saturadas e omega-6, ao passo que são ricas em omega-3, ácidos oleicos, fibras, antioxidantes proteínas, vegetais e vitaminas do complexo B.

Leia também: Saúde global: poluição atmosférica pode ser causa de infarto agudo do miocárdio?

O estudo

Os pesquisadores evidenciaram na revisão os achados principais de um ensaio clínico duplo-cego controlado e randomizado de prevenção em sobreviventes de um único infarto agudo do miocárdio. O estudo foi parte de uma intervenção da American Heart Association (AHA) envolvendo 605 indivíduos. Nesse estudo os indivíduos foram acompanhados ao longo de 5 anos. Os pacientes ficaram randomizados em um grupo com dieta mediterrânea e outro com dieta livre. No grupo intervenção as quantidades de óleos similares ao azeite de oliva, porém com maiores teores de ácido linoleico, foram oferecidas livremente.

O estudo foi interrompido antes de se completar o follow-up com aproximadamente quatro anos devido ao grande benefício encontrado na intervenção frente ao grupo controle. O desfecho morte foi observado em 8% dos pacientes do grupo controle ao passo que no grupo intervenção esse desfecho foi de 4,6% (p=0,03). Outros desfechos como neoplasias e infartos não fatais foram observados também. O grupo controle apresentou 5,6% de neoplasias descobertas, frente à 2,3% no grupo intervenção. Em relação aos infartos não fatais a prevalência foi de 8,2% no grupo controle contra 2,6% no grupo intervenção.

Variáveis de confusão entre os grupos, como tabagismo, uso de medicações, atividade física, hipertensão arterial, fatores psicossociais e peso foram avaliadas e normalizadas, de modo que não houve diferença entre os grupos. A única diferença significativa encontrada foi o padrão alimentar. De modo paradoxal, os níveis sérios de colesterol total, triglicérides e HDL foram semelhantes entre os participantes de ambos os grupos ao final do estudo.

Os resultados do estudo devem ser compreendidos no âmbito de suas limitações. Seguir o grau de aderência à cada modalidade de dieta entre os participantes é um fator de limitação. O uso de formulários e questionários para identificar a aderência não é tão objetivo e depende em muito da relação com os sujeitos de pesquisa.

Por outro lado, a magnitude dos resultados é algo que impressiona. Ao se normalizar a comparação da dieta mediterrânea com o uso de estatina para prevenir mortalidade após o primeiro episódio de infarto agudo do miocárdio encontramos que a cada 30 pacientes que realizam a dieta um irá ser salvo enquanto para o uso de estatinas para que se evite uma morte é necessário tratar 83 pacientes. Além disso, a dieta foi eficaz em reduzir outros desfechos secundários negativos, sem implicar em nenhum dano aos pacientes que aderiram.

Conclusões

Dessa forma, a mensagem a ser levada para casa é a cada 18 pacientes tratados uma recidiva de infarto agudo do miocárdio é evitada com uso da dieta, e cada 30 uma morte é evitada como igualmente o é para prevenção de surgimento de neoplasias. Isso significa que ao se abordar prevenção de eventos cardiovasculares enfatizar a dieta e hábitos de vida é mais importante em termos de eficácia do que se pensar em adesão farmacológica propriamente dita. Da próxima vez em que abordar o tema no consultório, lembre-se de incentivar mudanças de hábitos e na construção de planos terapêuticos lembre-se de consultar aqui o que é o núcleo de uma dieta mediterrânea.

Referências bibliográficas:

  • de Lorgeril M, Salen P, Martin, J, et.al. Mediterranean Dietary Pattern in a Randomized Trial. Archives of Internal Medicine 1998, 158: 1181-7.
  • de Lorgeril M, Renaud S, Mamelle N, et al. Mediterranean alpha-linolenic acid-rich diet in secondary prevention of coronary heart disease. The Lancet; Jun 11, 1994; 343:1454-9.
  • Coronary heart disease in seven countries. Summary. Circulation, 1970. Apr;41(4 Suppl):I186-95.
  • Control of bias in dietary trial to prevent coronary recurrences: The Lyon diet heart study. European Journal of Clinical Nutrition 1997. 51: 116-122
Autor(a):

Cadastre-se ou faça login para acessar esse e outros conteúdos na íntegra
Cadastrar Fazer login
Veja mais beneficios de ser usuário do Portal PEBMED: Veja mais beneficios de ser usuário
do Portal PEBMED:
7 dias grátis com o Whitebook Aplicativo feito para você, médico, desenhado para trazer segurança e objetividade à sua decisão clínica.
Acesso gratuito ao Nursebook Acesse informações fundamentais para o seu dia a dia como anamnese, semiologia.
Acesso gratuito Fórum Espaço destinado à troca de experiências e comentários construtivos a respeito de temas relacionados à Medicina e à Saúde.
Acesso ilimitado Tenha acesso a noticias, estudos, atualizacoes e mais conteúdos escritos e revisados por especialistas
Teste seus conhecimentos Responda nossos quizes e estude de forma simples e divertida
Conteúdos personalizados Receba por email estudos, atualizações, novas condutas e outros conteúdos segmentados por especialidades
Referências bibliográficas:

    O Portal PEBMED é destinado para médicos e demais profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

    Caso tenha interesse em divulgar seu currículo na internet, se conectar com pacientes e aumentar seus diferenciais, crie um perfil gratuito no AgendarConsulta, o site parceiro da PEBMED.

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado.

    Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.