Diretivas antecipadas de vontade: SBGG cria aplicativo Minhas Vontades

Tempo de leitura: 2 minutos.

Diante de uma condição ameaçadora à vida, é dever das equipes de saúde e direito das pessoas idosas (ou não) que haja a oferta de cuidado de maneira integral com o devido respeito à autonomia. As diretivas antecipadas de vontade (DAV) são uma ferramenta de proteção à autonomia dos indivíduos que se encontram sem condições de expressar suas vontades no que se refere aos cuidados à saúde diante de uma condição grave e potencialmente sem possibilidade de cura.

O que são diretivas antecipadas de vontade?

Uma forma de deixar registrados os desejos e preferências no que se refere aos cuidados à saúde diante de uma condição ameaçadora à vida.

Além do registro de suas próprias vontades, o indivíduo pode também indicar uma pessoa que o represente caso não seja possível se expressar.

Desde 2012, o Conselho Federal de Medicina dispõe que “nas decisões sobre cuidados e tratamentos de pacientes que se encontram incapazes de comunicar-se, ou de expressar de maneira livre e independente suas vontades, o médico levará em consideração suas diretivas antecipadas de vontade”.

Leia também: Autonomia de vontade: a criança pode decidir sobre o seu tratamento?

Aplicativo para estimular a reflexão

Pensando em um meio de fazer com que a criação das diretivas antecipadas de vontade sejam mais discutidas entre as pessoas idosas e os profissionais, a Comissão Permanente de Cuidados Paliativos da Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia (SBGG) criou o aplicativo Minhas Vontades®, que estimula a reflexão sobre autonomia em saúde, além de disponibilizar conteúdos sobre o tema.

Prático, ele pode ser encontrado nas lojas de aplicativos para celular Android e também na Apple Store, e possui um visual fácil de ser usado e bem intuitivo, basta seguir os passos:

  1. Baixe o aplicativo e clique em “Novo”;
  2. Preencha a identificação;
  3. Explore a teoria sobre DAV;
  4. Siga os passos do registro de suas preferências, com pausas para reflexão, até concluir o documento.

Veja mais: Cuidados paliativos: quando a legitimidade traduz um dever médico

É recomendado que posteriormente, o documento seja debatido com o geriatra e compartilhado com todos os que assistem a sua saúde e seus cuidados. Não é necessário registrar em cartório nem passar por advogados.

O assunto é delicado, mas é hora de pensarmos e conversamos com nossos pacientes e familiares sobre este assunto. Melhor antes…

Conheça mais sobre as Diretivas Antecipadas de Vontade e o novo aplicativo Minhas Vontades®, da SBGG, neste vídeo.

Texto baseado na divulgação escrita pela SBGG, com a colaboração da Dra Cláudia Burlá (geriatra, RJ).

Autor:

Relacionados