EAP 2021: como os pais agem frente à febre em crianças?

Febre é uma das maiores queixas dos pais que vão ao pronto-socorro. Pesquisadores avaliaram o conhecimento deles sobre a febre em crianças.

O Portal PEBMED é destinado para médicos e demais profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar esse conteúdo crie um perfil gratuito no AgendarConsulta.

A febre é uma das maiores queixas dos pais que procuram atendimento em serviços de emergência pediátrica. No Marrocos, os pais frequentemente a veem de uma forma equivocada, pois informações sobre como cuidar de crianças febris em casa são raras no país.

O European Academy of Pediatrics Congress (EAP 2021) mostrou o estudo dos pesquisadores Widad Lahmini, Karim Lakraïmi e Mounir, de Marrakesh, cujo objetivo foi avaliar o conhecimento, as atitudes e as práticas dos pais marroquinos frente a uma criança febril.

mão segurando termômetro em frente a bebê que está com febre

Febre em crianças

Foi realizado um survey descritivo e analítico durante o período de um ano (1° de fevereiro de 2017 a 31 de janeiro de 2018) no departamento de emergência pediátrica do Marrakech’s Mohammed VI University Hospital. Um questionário pré-formulado foi respondido pelos pais de crianças que levaram seus filhos à emergência pediátrica por queixa de febre no período do estudo.

Foram respondidos 1.500 questionários por pais que procuraram o pronto-socorro pediátrico devido a queixa de febre na criança (a idade variou desde a criança recém-nascida até 15 anos). Todos foram incluídos no estudo. A idade média dos pais foi 37 anos (18-62). A maioria deles era analfabeta ou tinha completado somente o ensino primário (66,5%). Mais de 1/3 dos pais tinha baixo nível socioeconômico. A maioria das mães era do lar (69,5%).

Além disso, 53,9% dos pais tinham três ou mais filhos. Apenas 25% dos pais sabiam o limiar exato da temperatura definindo um estado febril e 40,1% determinavam a febre do filho subjetivamente sem um termômetro. Trinta por cento dos pais não tinham um termômetro em casa.

Todos os pais consideraram a febre uma condição muito grave que pode ter efeitos colaterais. Os mais citados foram: danos neurológicos (65,1%), óbito (39,1%), desidratação (13,6%) e complicações renais (10,2%). A automedicação era praticada por 45,6% dos pais, 31,3% compareciam à consulta após terem feito tratamento em casa e 23,1% iam diretamente para a emergência.

Com relação ao uso de medicamentos, 53,2% dos pais administravam paracetamol, 23,2% davam ibuprofeno e 7,6% recorriam ao ácido acetilsalicílico. Medidas não farmacológicas incluíram o uso de toalha molhada (53,9%), bebidas geladas (9,7%), banhos frios (24,9%) e despir a criança (14,7%). Por fim, muitos pais eram adeptos de métodos tradicionais: M’khinza (erva conhecida no Brasil como mastruz – 87,6%), limão (59,6%), vinagre (32,55) e água de rosas (23,1%).

Menos da metade dos pais (43,3%) relataram nunca terem recebido nenhum tipo de informação sobre febre. A maior fonte de informação dos pais que responderam o questionário era composta pelos profissionais de saúde (36,4%). No entanto, 6% responderam que a família era uma fonte de informação. As redes de comunicação (TV, rádio e Internet) representaram 6,7%.

Conclusões

O que chama atenção nesse estudo é que ele enfatiza que existe uma notória falta de conhecimento, percepção e cuidado dos pais marroquinos sobre a febre infantil. As lacunas foram mais marcantes entre pais de baixo nível socioeconômico e intelectual.

Dessa forma, os pesquisadores reforçam a necessidade de uma campanha de saúde pública em grande escala para explicar, tranquilizar e informar maciçamente os pais sobre como conduzir com segurança a febre em seus filhos.

Veja mais do congresso:

Cadastre-se ou faça login para acessar esse e outros conteúdos na íntegra
Cadastre-se grátis Fazer login
Veja mais beneficios de ser usuário do Portal PEBMED: Veja mais beneficios de ser usuário
do Portal PEBMED:
7 dias grátis com o Whitebook Aplicativo feito para você, médico, desenhado para trazer segurança e objetividade à sua decisão clínica.
Acesso gratuito ao Nursebook Acesse informações fundamentais para o seu dia a dia como anamnese, semiologia.
Acesso gratuito Fórum Espaço destinado à troca de experiências e comentários construtivos a respeito de temas relacionados à Medicina e à Saúde.
Acesso ilimitado Tenha acesso a noticias, estudos, atualizacoes e mais conteúdos escritos e revisados por especialistas
Teste seus conhecimentos Responda nossos quizes e estude de forma simples e divertida
Conteúdos personalizados Receba por email estudos, atualizações, novas condutas e outros conteúdos segmentados por especialidades

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo

Selecione o motivo:
Errado
Incompleto
Desatualizado
Confuso
Outros

Sucesso!

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo.

Você avaliou esse artigo

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Baixe e-books, e outros materiais para aprimorar sua prática médica e gestão Baixe e-books, e outros materiais
para aprimorar sua prática
médica e gestão