ENDO 2021: gerenciamento de precisão dos efeitos endócrinos tardios em sobreviventes de câncer infantil

Aproximadamente um em cada 500 adultos é um sobrevivente do câncer infantil. No ENDO 2021 foram discutidos os efeitos tardios do tratamento.

O Portal PEBMED é destinado para médicos e demais profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar esse conteúdo crie um perfil gratuito no AgendarConsulta.

Aproximadamente um em cada 500 adultos é um sobrevivente do câncer infantil. A prevalência de desordens endócrinas nessa população é de cerca de 50%. Pesquisas realizadas nos últimos 20-30 anos focaram primariamente em descrever a prevalência e os fatores de risco associados a essas condições.

Consequências endócrinas, particularmente relacionadas à radioterapia, ocorrem muitos anos após o término do tratamento, e são referidas como “efeitos tardios”. Este fenômeno leva à necessidade de atenção aos riscos em longo prazo e à potencial contribuição para piores desfechos de saúde.

No ENDO 2021, Congresso da Endocrine Society, o tema foi discutido com foco nos efeitos tardios mais comuns, como deficiência de GH e problemas de tireoide relacionados ao manejo do câncer infantil, além dos desafios relacionados à obesidade e ao diabetes mellitus nesses pacientes.

Neste artigo, comentaremos os efeitos tardios que mais comumente afetam o eixo hipotálamo hipofisário.

médica conversando com paciente com efeitos tardios do câncer infantil

Disfunção hipotálamo-hipofisária como efeito tardio do tratamento do câncer infantil

Em sua abordagem ao tema, a Dra. Laurie Cohen chamou atenção para os seguintes fatos:

  1. A disfunção hipotálamo-hipofisária é frequentemente observada em sobreviventes de câncer infantil, especialmente naqueles com tumores envolvendo a região hipotálamo-hipofisária, ou naqueles previamente submetidos à radiação do sistema nervoso central.
  2. A disfunção hipotálamo-hipofisária induzida por radiação é dose e tempo dependente. O crescimento linear prejudicado e a baixa estatura adulta são mais comuns em sobreviventes expostos à irradiação do sistema nervoso central, da coluna ou do corpo total em uma idade mais jovem.
  3. Embora a investigação e o tratamento de muitos desses distúrbios em sobreviventes do câncer sejam semelhantes aos da população sem câncer, é importante observar as diretrizes específicas.
  4. A deficiência de hormônio de crescimento (GHD) é a deficiência mais comum da hipófise anterior após tratamento do câncer na infância. Há muitos desafios envolvendo o diagnóstico e o tratamento desses pacientes. Veja mais detalhes aqui.

A Dra. Laurie enfatizou que:

  • A busca pelo diagnóstico deve ser ativa, e essas crianças devem ter sua estatura aferida a cada seis a 12 meses;
  • Testes formais não são necessários para o diagnóstico da DGH se existirem três outros déficits hormonais da adeno-hipófise confirmados;
  • Deve ser mantida avaliação periódica para DGH ao longo da vida;
  • Recomenda-se retestar adultos sobreviventes de câncer expostos a radioterapia sobre o eixo hipotálamo hipofisário com diagnóstico de DGH isolada na infância, o que não é necessário na presença de 3 outras deficiências confirmadas.

Devemos lembrar que existem outros fatores além da DGH influenciando o crescimento de sobreviventes do câncer pediátrico, e eles não são totalmente compreendidos. Ou seja, déficit de crescimento nesses pacientes não é sinônimo de DGH, e o tratamento com GH só deve ser feito se houver comprovação da deficiência através de critérios específicos.

A Dra Cohen comentou ainda que após o tratamento radioterápico pode haver disfunção parcial do eixo hipotálamo-hipofisário, fazendo com que a DGH se manifeste apenas em situações de maior demanda, como por exemplo a puberdade.

O uso de GH é seguro em sobreviventes de câncer?

Não há dados que indiquem aumento de malignidades secundárias com uso de GH para tratar pessoas com deficiência. O GH pode ser prescrito com segurança nessa população, porém sugere-se iniciar a reposição após um ano livre de doença após conclusão do tratamento para a doença maligna.

Quando se tratar de doença crônica estável, e o paciente não puder ser considerado como livre de doença (particularmente tumores de via óptica), recomenda-se discutir o caso com o oncologista.

Outras disfunções hipofisárias relacionadas ao tratamento do câncer pediátrico podem se desenvolver ao longo da vida.

O GH geralmente é o primeiro hormônio a ser afetado, e a sequência temporal de deficiência de outros eixos é variável. Recomenda-se fazer screening para deficiência de LH/FSH, TSH e ACTH em casos de exposição do eixo hipotálamo hipofisário à radiação com doses >30Gy e naqueles com história de tumores ou cirurgia afetando essa região.

A maioria das deficiências são identificadas dentro dos primeiros 6 anos após o diagnóstico tumoral. Um estudo avaliando 748 adultos sobreviventes do câncer pediátrico (St Jude Lifetime Cohort Study) mostrou os seguintes resultados:

  • Deficiência de GH se desenvolveu em 48,5% dos pacientes;
  • Deficiência de FSH/LH: em 10,8%;
  • Deficiência de TSH: em 7,5%;
  • Deficiência de ACTH: em 4%.

Insuficiência adrenal secundária

Apesar da baixa frequência, é importante proceder investigação para insuficiência adrenal secundária na presença de sintomas, muitas vezes inespecíficos, como fadiga, perda de peso, tontura, dor abdominal e náuseas, hipoglicemia ou hiponatremia.

Veja abaixo alguns alertas práticos para o acompanhamento desses pacientes:

  • Em alguns casos o tratamento com GH pode normalizar a hiperatividade da 11β-HSD tipo 1 e desmascarar um quadro de insuficiência adrenal central;
  • Estrogenioterapia oral aumenta os níveis de cortisol sérico. Nesses casos a dosagem normal do cortisol não reflete necessariamente um eixo normal;
  • A reposição com levotiroxina pode precipitar crise adrenal em pacientes com doença de Addison. No caso de insuficiência adrenal secundária os dados não são tão fortes, mas cuidado é necessário.

O acompanhamento de sobreviventes de câncer infantil deve ser feito a longo prazo, com atenção especial às possíveis consequências endócrinas do tratamento da malignidade.

Mais do congresso:

Referências bibliográficas:

  • Hypothalamic–Pituitary and Growth Disorders in Survivors of Childhood Cancer: An Endocrine Society Clinical Practice Guideline. JCEM August 2018.
  • Long-Term Follow-Up Guidelines for Survivors of Childhood, Adolescent and Young Adult Cancers.
  • ENDO2021: Precision Management of Late Endocrine Effects in Cancer Survivors. Dra Laurie Cohen.
Cadastre-se ou faça login para acessar esse e outros conteúdos na íntegra
Cadastre-se grátis Fazer login
Veja mais beneficios de ser usuário do Portal PEBMED: Veja mais beneficios de ser usuário
do Portal PEBMED:
7 dias grátis com o Whitebook Aplicativo feito para você, médico, desenhado para trazer segurança e objetividade à sua decisão clínica.
Acesso gratuito ao Nursebook Acesse informações fundamentais para o seu dia a dia como anamnese, semiologia.
Acesso gratuito Fórum Espaço destinado à troca de experiências e comentários construtivos a respeito de temas relacionados à Medicina e à Saúde.
Acesso ilimitado Tenha acesso a noticias, estudos, atualizacoes e mais conteúdos escritos e revisados por especialistas
Teste seus conhecimentos Responda nossos quizes e estude de forma simples e divertida
Conteúdos personalizados Receba por email estudos, atualizações, novas condutas e outros conteúdos segmentados por especialidades

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo

Selecione o motivo:
Errado
Incompleto
Desatualizado
Confuso
Outros

Sucesso!

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo.

Você avaliou esse artigo

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Baixe e-books, e outros materiais para aprimorar sua prática médica e gestão Baixe e-books, e outros materiais
para aprimorar sua prática
médica e gestão