Leia mais:
Leia mais:
Placas para fraturas e pseudoartroses de escafoide: uma boa opção?
Fraturas estáveis da parede posterior do acetábulo têm bons resultados se tratadas conservadoramente? 
A fixação provisória com placas de minifragmentos interfere na força de compressão da síntese definitiva?
Existe relação do IMC com o risco de fraturas em crianças pré-escolares?
Vitamina D e cálcio realmente evitam fraturas?

Fraturas estáveis da parede posterior do acetábulo têm bons resultados se tratadas conservadoramente? 

Sua avaliação é fundamental para que a gente continue melhorando o Portal Pebmed

O Portal PEBMED é destinado para médicos e demais profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar seu currículo na internet, se conectar com pacientes e aumentar seus diferenciais, crie um perfil gratuito no AgendarConsulta, o site parceiro da PEBMED.

As fraturas da parede posterior são as mais comuns do acetábulo, correspondendo a 25% delas. Essas fraturas normalmente são resultantes de acidentes automobilísticos que produzem a transmissão de força através do fêmur para o quadril, com graus variados de flexão e adução. 

Historicamente, nas maiores séries publicadas, o tratamento dessas fraturas apresenta resultados mais satisfatórios com a intervenção cirúrgica. As indicações para o tratamento cirúrgico das fraturas da parede posterior são instabilidade ou incongruência da articulação do quadril, entretanto, são situações difíceis de definir e há quase sempre maior predisposição para a intervenção cirúrgica. 

Há controvérsias em relação a definição de estabilidade, com alguns advogando comprometimento de menos de 50% e outros menos de 20% de acometimento da parede posterior. Recentemente, tem se praticado o exame de estresse dinâmico sob fluoroscopia e anestesia para avaliação de instabilidade. Entretanto, há escassez de dados em relação aos resultados gerados por essa prática. 

Leia também: Redução aberta e fixação interna ou troca de componente para fraturas de fêmur distal pós ATJ?

Fraturas estáveis da parede posterior do acetábulo têm bons resultados se tratadas conservadoramente? 

O estudo 

Foi publicado no último mês no Journal of Orthopaedic Trauma um estudo prospectivo com o objetivo de avaliar os resultados de pacientes com fraturas de acetábulo com menos de 50% de acometimento da parede posterior (AO 62-A1) tratadas conservadoramente após teste de estresse dinâmico. Foram incluídos 24 pacientes de um total de 93 que, entre 2007 e 2012, foram tratados no hospital universitário de Saint Louis, no Missouri. Os critérios de exclusão foram imaturidade esquelética, outras doenças do quadril ou fêmur, cirurgia prévia ou tratamento cirúrgico devido a instabilidade após o teste. 

Dos 24 pacientes, 7 (29%) perderam o follow-up com menos de 6 meses, deixando apenas 17 para as avaliações. A idade variou de 17 a 62 anos, sendo 7 mulheres e 10 homens e o tamanho do fragmento da parede posterior variou entre 6 e 41%, com média de 24%. Os resultados radiográficos foram classificados como “excelentes” em 16 pacientes e “bom” em 1 caso. Depois, percebeu-se que esse caso considerado “bom” já possuía artrose prévia e deveria ser excluído do estudo. 

Saiba mais: Fraturas da diáfise do úmero: quão eficaz é o uso da órtese funcional?

Nenhum dos pacientes demonstrou sinais de instabilidade durante o tempo de follow-up. Na avaliação pelo escore funcional MMA (Merle d’Aubigné modificado) para o quadril, as pontuações ficaram entre “razoável” (14 pontos) e “excelente” (18 pontos), com uma média de 17 pontos (“muito boa”). Não houve correlação entre o tamanho do fragmento e o escore (r=0,199). O escore do questionário SMFA (Short Musculoskeletal Function Assessment) também demonstrou bons resultados. 

Conclusão

A conclusão gerada pelo estudo é que pacientes com fraturas da parede posterior do acetábulo com fragmento menor que 50% avaliados sob fluoroscopia e anestesia com teste de estresse e considerados estáveis apresentam bons resultados funcionais e radiográficos se tratados conservadoramente.  

Referências bibliográficas:

  • McNamara AR, Boudreau JA, Moed BR. Nonoperative Treatment of Posterior Wall Acetabular Fractures After Dynamic Stress Examination Under Anesthesia: Revisited, Journal of Orthopaedic Trauma: 2022 Feb 1;36(Suppl 2):S1-S6. doi: 10.1097/BOT.0000000000002344.
Autor(a):

Cadastre-se ou faça login para acessar esse e outros conteúdos na íntegra
Cadastrar Fazer login
Veja mais beneficios de ser usuário do Portal PEBMED: Veja mais beneficios de ser usuário
do Portal PEBMED:
7 dias grátis com o Whitebook Aplicativo feito para você, médico, desenhado para trazer segurança e objetividade à sua decisão clínica.
Acesso gratuito ao Nursebook Acesse informações fundamentais para o seu dia a dia como anamnese, semiologia.
Acesso gratuito Fórum Espaço destinado à troca de experiências e comentários construtivos a respeito de temas relacionados à Medicina e à Saúde.
Acesso ilimitado Tenha acesso a noticias, estudos, atualizacoes e mais conteúdos escritos e revisados por especialistas
Teste seus conhecimentos Responda nossos quizes e estude de forma simples e divertida
Conteúdos personalizados Receba por email estudos, atualizações, novas condutas e outros conteúdos segmentados por especialidades
Referências bibliográficas:

    O Portal PEBMED é destinado para médicos e demais profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

    Caso tenha interesse em divulgar seu currículo na internet, se conectar com pacientes e aumentar seus diferenciais, crie um perfil gratuito no AgendarConsulta, o site parceiro da PEBMED.

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado.

    Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.