Leia mais:
Leia mais:
Placas para fraturas e pseudoartroses de escafoide: uma boa opção?
Fraturas estáveis da parede posterior do acetábulo têm bons resultados se tratadas conservadoramente? 
Osteoartrite do joelho: diagnóstico e tratamento [podcast]
A fixação provisória com placas de minifragmentos interfere na força de compressão da síntese definitiva?
Existe relação do IMC com o risco de fraturas em crianças pré-escolares?

Redução aberta e fixação interna ou troca de componente para fraturas de fêmur distal pós ATJ?

Sua avaliação é fundamental para que a gente continue melhorando o Portal Pebmed

O Portal PEBMED é destinado para médicos e demais profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar seu currículo na internet, se conectar com pacientes e aumentar seus diferenciais, crie um perfil gratuito no AgendarConsulta, o site parceiro da PEBMED.

Com o número de artroplastias totais de joelho (ATJ) subindo, as complicações como fraturas periprotéticas do fêmur distal também passaram a ser mais vistas. Esse tipo de fratura tem uma incidência estimada de 0,3 a 2,5%, gera grande morbidade ao paciente e é de difícil tratamento. Apesar da maior popularidade da redução aberta e fixação interna (RAFI), a revisão e troca aguda do componente femoral vêm sendo também praticada recentemente.

A RAFI teria como benefícios a preservação do estoque ósseo e menor dificuldade do procedimento embora a taxa de pseudoartrose possa chegar a 16%. A troca imediata do componente femoral pode gerar uma independência imediata em relação à fratura e sustentação de carga precoce.

Leia também: Exposição à radiação e tempo operatório no tratamento cirúrgico das fraturas transtrocanterianas do fêmur

Estudos anteriores comparando diretamente os dois métodos de tratamento são sujeitos a vieses de acordo com a expertise de seus cirurgiões em trauma ou artroplastia. Foi publicada nesse mês no Journal of Orthopaedic Trauma uma revisão sistemática comparando a RAFI e a troca do componente femoral aguda em fraturas periprotéticas do fêmur distal pós ATJ.

Redução aberta e fixação interna ou troca de componente para fraturas de fêmur distal pós ATJ

O estudo

Os estudos incluídos deveriam ter pelo menos 5 pacientes de 55 anos ou mais e demonstrar resultados funcionais e/ou taxa de complicações em pacientes submetidos a RAFI (placa ou haste intramedular) ou troca de componente femoral após fraturas periprotéticas. No total, puderam ser aproveitados 54 estudos com 1484 pacientes, sendo que 14 (272 pacientes) avaliaram a revisão protética (RP) e 44 (1212 pacientes) a RAFI. Os pacientes da RP foram significativamente mais velhos (RP: 78,14 vs RAFI: 74,05, p < 0,001) e tiveram follow-up mais longo (RP: 34,91 meses vs RAFI: 26,59 meses, p < 0,05).

Saiba mais: Fraturas atípicas do fêmur e o uso de bifosfonatos

A diferença na taxa de complicações não foi significativa após ser ajustada para o tempo de follow-up [IRR (95%IC): 0,78 (0,59 – 1,03)] assim como a taxa de reoperação [IRR (95% IC): 0,71 (0,49 – 1,04)]. A pseudoartrose foi vista em 84 casos de RAFI e o tempo de consolidação médio foi de 16,7 semanas. Além disso, a taxa de infecção superficial e profunda foi semelhante nos dois tratamentos e a taxa de mau-alinhamento foi significativamente menor no grupo RP [IRR (95% IC): 0,11 (0,02 – 0,82)].

Quanto à avaliação de escores funcionais e retorno ao estágio de deambulação pré-operatório, os resultados também foram semelhantes. Entretanto, o arco de movimento médio foi superior no grupo submetido a RAFI (RP: 90,47 vs RAFI: 100,36, p < 0,05).

Conclusão

Em conclusão, os dois tipos de tratamento apresentaram resultados bem semelhantes, com o melhor arco de movimento nos casos de RAFI não gerando diferença nos escores funcionais. Estudos prospectivos poderão auxiliar os cirurgiões no melhor entendimento acerca de vantagens e desvantagens entre as técnicas.

Referências bibliográficas:

  • Wadhwa H, Salazar BP, Goodnough LH, Van Rysselberghe NL, DeBaun MR, Wong HN, Gardner MJ, Bishop JA. Distal Femur Replacement Versus Open Reduction and Internal Fixation for Treatment of Periprosthetic Distal Femur Fractures: A Systematic Review and Meta-Analysis. J Orthop Trauma. 2022 Jan 1;36(1):1-6. DOI: 10.1097/BOT.0000000000002141.
Autor(a):

Cadastre-se ou faça login para acessar esse e outros conteúdos na íntegra
Cadastrar Fazer login
Veja mais beneficios de ser usuário do Portal PEBMED: Veja mais beneficios de ser usuário
do Portal PEBMED:
7 dias grátis com o Whitebook Aplicativo feito para você, médico, desenhado para trazer segurança e objetividade à sua decisão clínica.
Acesso gratuito ao Nursebook Acesse informações fundamentais para o seu dia a dia como anamnese, semiologia.
Acesso gratuito Fórum Espaço destinado à troca de experiências e comentários construtivos a respeito de temas relacionados à Medicina e à Saúde.
Acesso ilimitado Tenha acesso a noticias, estudos, atualizacoes e mais conteúdos escritos e revisados por especialistas
Teste seus conhecimentos Responda nossos quizes e estude de forma simples e divertida
Conteúdos personalizados Receba por email estudos, atualizações, novas condutas e outros conteúdos segmentados por especialidades
Referências bibliográficas:

    O Portal PEBMED é destinado para médicos e demais profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

    Caso tenha interesse em divulgar seu currículo na internet, se conectar com pacientes e aumentar seus diferenciais, crie um perfil gratuito no AgendarConsulta, o site parceiro da PEBMED.

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado.

    Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.