Hemostasia na infecção pelo HIV - PEBMED

Hemostasia na infecção pelo HIV

Sua avaliação é fundamental para que a gente continue melhorando o Portal Pebmed

Quer acessar esse e outros conteúdos na íntegra?

Cadastrar Grátis

Faça seu login ou cadastre-se gratuitamente para ter acesso ilimitado a todos os artigos, casos clínicos e ferramentas do Portal PEBMED

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Seu conteúdo tem o objetivo de informar panoramas recentes da medicina, devendo ser interpretado por profissionais capacitados.

Para diagnósticos e esclarecimentos, busque orientação profissional. Você pode agendar uma consulta aqui.

Indivíduos infectados pelo HIV têm vivido mais nas últimas décadas, devido ao desenvolvimento de novas drogas. No entanto, algumas complicações decorrentes da doença e/ou do tratamento instituído ainda impactam na qualidade de vida e na taxa de mortalidade de tais pacientes. Inflamação e hipercoagulabilidade são observadas na infecção pelo HIV, sendo diretamente proporcionais à idade do paciente. A infecção crônica promove mudanças na hemostasia secundárias às alterações no sistema imunológico, na macro e microcirculação e na síntese hepática de fatores da coagulação. Recente estudo brasileiro avaliou as alterações na hemostasia de 115 idosos (idade > 60 anos) com HIV, comparando-os com 88 idosos saudáveis.

Leia também: CROI 2021: PrEP para HIV – o que podemos esperar para o futuro?

Hemostasia na infecção pelo HIV

Tome as melhores decisões clinicas, atualize-se. Cadastre-se e acesse gratuitamente conteúdo de medicina escrito e revisado por especialistas

Características do estudo

Entre os indivíduos infectados, 63 (54,8%) eram do sexo feminino e 52 (45,2%) do sexo masculino, com mediana de idade de 66 anos. No grupo controle, havia 64 (72,7%) mulheres e 24 (27,3%) homens, com mediana de idade de 71 anos. Analisando o grupo infectado, 88 (76,52%) tinham contagem de linfócitos T CD4+ ≥ 400/mm³, 53 (46,08%) estavam em uso de inibidor de protease (IP), e 97 (84,34%) tinham carga viral (CV) indetectável.

Os participantes com HIV tiveram maior alargamento no tempo de protrombina (TP) e no tempo de tromboplastina (PTT), enquanto que a contagem plaquetária foi discretamente menor neste grupo, independentemente do início ou não de terapia antirretroviral (TARV).

A fim de evitar a influência do sexo na análise da hemostasia, os dados foram analisados separadamente em homens e mulheres. Observaram-se maiores valores de fibrinogênio nos pacientes em uso de IP, independente do sexo, e nas mulheres com CV indetectável. Mulheres em tratamento com IP também tiveram maior alargamento de PTT. Homens com contagem de CD4+ ≥ 400/mm³ e mulheres com CV indetectável apresentaram aumento dos níveis de fator de von Willebrand.

Saiba mais: CROI 2021: risco cardiovascular em pacientes HIV

Dados da literatura indicam que a classe de IP induz alterações metabólicas, ósseas, vasculares e cardiológicas, além de participar de reações inflamatórias. Inflamação, translocação bacteriana e menor CV costumam ser observadas nos indivíduos que fazem uso de IP. Talvez tais alterações justifiquem os achados dos autores nesse subgrupo de pacientes.

O fato de o PTT encontrar-se mais alargado nas mulheres sugere a influência do climatério e das alterações hormonais na coagulação do sangue. Análises anteriores já evidenciaram associação entre alterações de estrogênio e progesterona com mudanças na hemostasia e estado pré-trombótico. Tais variações parecem ser precoces nas mulheres com HIV. No entanto, poucos estudos sobre o assunto foram publicados até o momento.

Outros autores já haviam observado relação entre climatério, CV e disfunção endotelial com aumento dos níveis de fator de von Willebrand. Tal aumento foi evidenciado em outras populações com HIV estudadas por outros pesquisadores, porém sem relação com o sexo.

Em relação à faixa etária, indivíduos infectados com 68 anos ou mais apresentaram mais alterações laboratoriais do que os indivíduos entre 60 e 67 anos e do que a população controle (ex.: maior alargamento de TP, maiores níveis de fibrinogênio). Fibrinogênio é um marcador de fase aguda, considerado como um biomarcador de risco independente na infecção pelo HIV e na população idosa. Os valores de D-dímero foram maiores entre os pacientes mais idosos com HIV do que na faixa etária menor, porém menores do que nos indivíduos saudáveis.

Um achado importante foi o aumento dos níveis de antitrombina na população com infecção pelo HIV, independente da faixa etária. Os dados na literatura sobre antitrombina e envelhecimento são um pouco conflitantes. Há estudos que mostram queda dos seus níveis com o avançar da idade, tanto em homens como em mulheres, enquanto que outros evidenciam queda entre os homens e aumento entre as mulheres. No entanto, os achados do estudo brasileiro sugerem que a idade e o sexo não tiveram impacto na antitrombina, cujo incremento poderia ser justificado pela infecção pelo HIV.

Mensagem final

São necessárias mais análises sobre o tema, preferencialmente com um maior número de participantes, porém os dados apresentados pelos autores brasileiros sugerem que o perfil hemostático dos pacientes com HIV possa refletir a eficácia da terapia.

Autor(a):

Referências bibliográficas:

  • de Magalhães MC, et al. Hemostasis in elderly patients with human immunodeficiency virus (HIV) infection—Cross-sectional study. Plos one. 2020;15(2):e0227763. doi: 10.1371/journal.pone.0227763

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Seu conteúdo tem o objetivo de informar panoramas recentes da medicina, devendo ser interpretado por profissionais capacitados.

Para diagnósticos e esclarecimentos, busque orientação profissional. Você pode agendar uma consulta aqui.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Entrar | Cadastrar