Hepatite B crônica: quando suspender análogos de nucleosídeos no tratamento?

A cura funcional da hepatite B é a melhor estratégia na atualidade, enquanto não conseguimos a eliminação total do vírus do organismo.

O Portal PEBMED é destinado para médicos e demais profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar esse conteúdo crie um perfil gratuito no AgendarConsulta.

O cccDNA (covalently closed circular DNA) do vírus da hepatite B se integra ao DNA dos pacientes infectados de forma permanente. A cura funcional da hepatite B é a melhor estratégia tangível na atualidade, enquanto não conseguimos a eliminação total do vírus do organismo. A cura funcional ocorre quando há perda do HBsAg e surgimento de Anti-Hbs. Essa situação ocorre sob uso de análogos de nucleosídeos (AN) após muitos anos de uso contínuo: 36 anos para o HbeAg positivo e 39 anos para o HBeAg negativo. No entanto, isso significa que os pacientes precisam manter terapia antiviral de forma indefinida?

Leia também: Hepatites Virais: Brasil registrou queda no número de casos, mas ainda não atingiu a meta

Hepatites virais quando suspender análogos de nucleosídeos no tratamento da hepatite B crônica

Podemos interromper os antivirais nos pacientes com infecção crônica por HBV?

Os principais guidelines de Hepatologia, como EASL, AASLD e APASL, aceitam que o portador de hepatite B, quando houve negativação do antígeno HBsAg e surgimento de Anti-HBs consolidada, por mais de 1 ano, pode interromper a terapia antiviral, desde que a monitorização esteja assegurada.

Após a retirada dos AN, a perda do HBsAg acontece com maior frequência do que sob o uso dos análogos de nucleosídeos (AN) no portador de HBeAg negativo. Essa observação na região da Ásia, desde início dos anos 2000 levou as sociedades internacionais a considerarem a estratégia de “parar para curar” como um novo paradigma. Assim, desde 2016, foi incorporada a possibilidade de parar os AN em pacientes não cirróticos com: HBeAg negativo e carga viral (CV) suprimida há ≥ 3 anos (EASL-2017).

A AASLD considera que a suspensão dos AN baseada em carga viral suprimida só deve ocorrer se houver forte racional e for assegurada monitorização de 3/3 meses, por pelo menos 1 ano. A APASL considera interromper os AN nos pacientes com HBeAg negativo sob tratamento há mais de 2 anos, com CV negativa por 3 vezes consecutivas (com intervalos de 6 meses), inclusive no contexto de cirrose compensada. A cirrose não é contemplada no guideline da EASL. A AASLD considera interrupção dos AN com HBeAg negativo antes da perda do HBsAg.

O manejo após a retirada dos AN no paciente com HBeAg negativo é complexo e exige monitorização de HBsAg quantitativo (independente da perda do HBsAg). No acompanhamento, é necessária dosagem mensal de ALT, ou quinzenal se houver elevação. Se a ALT for ≥ 5 vezes o limite superior da normalidade (LSN), também deverão ser avaliados INR e bilirrubinas. A restituição de tratamento no caso de recaída pode reduzir a chance de nova perda do HBsAg, porém o início do AN não deve ser retardado, de modo a assegurar a segurança do paciente. Tais aspectos deixam a monitorização e estratégias de seguimento complexas. Além disso, não são definidos pontos de corte para a tomada de decisão quanto ao retorno dos AN durante as recaídas.

No portador de HBeAg positivo, as sociedades EASL e AASLD consideram a interrupção de AN se soroconversão do sistema “e” consolidada há > 1 ano, em pacientes não cirróticos. A APASL considera essa mesma possibilidade de interrupção de AN na soroconversão do sistema “e”, em pacientes cirróticos e não cirróticos, desde que exista um plano de monitorização assegurado.

Saiba mais: Qual o papel da elastografia hepática na hepatite B?

Mensagem final

Existe a possibilidade de suspender os AN nos pacientes com hepatite B crônica que apresentam negativação do HBsAg e soroconversão consolidada do sistema “e”. Após a suspensão dos AN deve ser realizada monitorização de ALT e carga viral, além de HBsAg quantitativo, de forma periódica. Há menor evidência de segurança para suspensão do AN nos pacientes com HBeAg negativos e cirróticos.

Acompanhe, aqui pelo Portal PEBMED, mais conteúdos sobre hepatites virais durante todo o mês de julho.

Cadastre-se ou faça login para acessar esse e outros conteúdos na íntegra
Cadastre-se grátis Fazer login
Veja mais beneficios de ser usuário do Portal PEBMED: Veja mais beneficios de ser usuário
do Portal PEBMED:
7 dias grátis com o Whitebook Aplicativo feito para você, médico, desenhado para trazer segurança e objetividade à sua decisão clínica.
Acesso gratuito ao Nursebook Acesse informações fundamentais para o seu dia a dia como anamnese, semiologia.
Acesso gratuito Fórum Espaço destinado à troca de experiências e comentários construtivos a respeito de temas relacionados à Medicina e à Saúde.
Acesso ilimitado Tenha acesso a noticias, estudos, atualizacoes e mais conteúdos escritos e revisados por especialistas
Teste seus conhecimentos Responda nossos quizes e estude de forma simples e divertida
Conteúdos personalizados Receba por email estudos, atualizações, novas condutas e outros conteúdos segmentados por especialidades

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo

Selecione o motivo:
Errado
Incompleto
Desatualizado
Confuso
Outros

Sucesso!

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo.

Você avaliou esse artigo

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Baixe e-books, e outros materiais para aprimorar sua prática médica e gestão Baixe e-books, e outros materiais
para aprimorar sua prática
médica e gestão

Especialidades

# Kao JH, Jeng WJ, Ning Q, Su TH, Tseng TC, Ueno Y, Yuen MF. APASL guidance on stopping nucleos(t)ide analogues in chronic hepatitis B patients. Hepatol Int. 2021 Aug;15(4):833-851. DOI: 10.1007/s12072-021-10223-5. # European Association for the Study of the Liver. EASL 2017 Clinical Practice Guidelines on the management of hepatitis B virus infection. J Hepatol. 2017 Aug;67(2):370-398. DOI: 10.1016/j.jhep.2017.03.021. # Terrault NA, Lok ASF, McMahon BJ, Chang KM, Hwang JP, Jonas MM, Brown RS Jr, Bzowej NH, Wong JB. Update on prevention, diagnosis, and treatment of chronic hepatitis B: AASLD 2018 hepatitis B guidance. Hepatology. 2018 Apr;67(4):1560-1599. DOI: 10.1002/hep.29800.