Leia mais:
Leia mais:
ADA 2022: empaglifozina ou agonistas de GLP-1 em internações por infarto?
Check-up Semanal: encefalopatia hepática, colicistite aguda e mais! [podcast]
Rivaroxabana profilática pós-infarto previne formação de trombo em ventrículo esquerdo?
Prasugrel melhor que ticagrelor no infarto com angioplastia
Dicas de como manejar um infarto sem supra de ST

Inibidor de P2Y12 deve ser usado como pré-tratamento no infarto agudo sem supra de ST?

Sua avaliação é fundamental para que a gente continue melhorando o Portal Pebmed

O Portal PEBMED é destinado para médicos e demais profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar seu currículo na internet, se conectar com pacientes e aumentar seus diferenciais, crie um perfil gratuito no AgendarConsulta, o site parceiro da PEBMED.

Nos últimos anos tem-se discutido o uso de inibidor de P2Y12, como clopidogrel, ticagrelor e prasugrel, no tratamento do infarto agudo do miocárdio (IAM) sem supra desnivelamento do segmento ST (SSST). O pré-tratamento, que consiste na administração da medicação antes da coronariografia, geralmente no momento do diagnóstico, tem como objetivo levar a maior antiagregação plaquetária no momento da angioplastia e reduzir eventos isquêmicos até a sua realização.

A recomendação do pré-tratamento, ainda presente em alguns guidelines, vem de estudos antigos e dados indiretos. Recentemente, a Sociedade Europeia de Cardiologia fez uma mudança na sua diretriz de IAMSSST, recomendando que esta medicação não seja mais realizada antes da coronariografia, tendo como base alguns trials e estudos observacionais que mostraram que o pré-tratamento gera maior risco de sangramento no momento da angioplastia, atraso no tratamento cirúrgico quando este é indicado e sangramento quando há diagnósticos alternativos como dissecção de aorta.

Leia também: AHA 2021: revascularização cirúrgica precoce pós-infarto é segura quando em uso de ticagrelor?

Foi feita então uma revisão sistemática e metanálise, publicada recentemente, para avaliar o pré-tratamento do IAMSSST com um inibidor de P2Y12 em relação a desfechos isquêmicos e sangramento, usando apenas estudos randomizados.

Inibidor de P2Y12 deve ser usado como pré-tratamento no infarto agudo sem supra de ST

Métodos do estudo e população envolvida

Foram feitas pesquisas nas principais bases de dados com os critérios de inclusão a seguir: ensaio clínico randomizado, pacientes com IAMSSST, pré-tratamento com inibidor de P2Y12 (antes da coronariografia) comparado a inibidor de P2Y12 após coronariografia, relato de desfechos primário ou secundário pré-especificados, publicação em inglês. O desfecho primário pré-especificado foi composto por eventos cardiovasculares adversos maiores (do inglês, MACE) e os desfechos secundários chave foram IAM e morte cardiovascular, todos avaliados em 30 dias. O desfecho primário de segurança foi sangramento maior.

Saiba mais: Prasugrel melhor que ticagrelor no infarto com angioplastia

Três análises de subgrupos foram realizadas para os desfechos acima levando-se em conta o tipo de inibidor de P2Y12 utilizado, a estratégia cirúrgica utilizada (angioplastia ou não) e a via de acesso arterial (radial ou femoral).

Resultados

Foram incluídos 7 estudos randomizados com um total de 13.226 pacientes, sendo 6.603 randomizados para receber o pré-tratamento e 6623 para não receber o pré-tratamento. A idade média era 63,5 anos e 27,2% eram mulheres. O risco de viés foi considerado baixo em 6 estudos e moderado em um estudo.

Dos 7 estudos, cinco incluíram apenas pacientes com IAMSSST e dois incluíram coortes mistas, com síndrome coronariana aguda SSST em 92,8% dos pacientes (61,7% IAMSSST e 31,1% angina instável). A coronariografia foi radial em 32,6% e femoral em 67,3%. Quanto ao tratamento, quatro estudos incluíram apenas pacientes submetidos a angioplastia e os demais incluíram todos os tipos de tratamento.

O pré-tratamento foi realizado com clopidogrel em 3 estudos, prasugrel em 1 estudo e ticagrelor em 3 estudos. A dupla antiagregação foi mantida nos dois grupos em todos, exceto no estudo PCI CURE, e o tempo médio para início da medicação até a coronariografia foi menor que 24 horas, exceto no PCI CURE, no qual foi de 144 horas.

Todos tiveram seguimento por 30 dias, exceto o estudo CREDO, com seguimento de 28 dias. Apenas 2 estudos relataram a ocorrência de MACE entre a randomização e a angioplastia: o PCI CURE mostrou diferença entre os grupos, com ocorrência de mais eventos no grupo sem pré-tratamento (5,1% x 3,6%, p 0,04). Essa diferença não foi encontrada no estudo ACCOAST.

Em relação aos desfechos, não houve diferença em relação a MACE (OR 0,95, IC 95% 0,78-1,15), IAM (OR 0,90, IC95% 0,72-1,12) ou mortalidade (OR 0,79, IC95% 0,49-1,27) em 30 dias. Quando feita avaliação em relação ao tipo de revascularização e via de acesso, esses resultados ficaram mantidos.

A presença de sangramento maior foi mais alta no grupo de pacientes que recebeu pré-tratamento com inibidor de P2Y12 e o NNH (do inglês, number needed to harm) foi de 63 pacientes, ou seja, houve 1 sangramento maior para cada 63 pacientes. Na análise de subgrupos, o risco de sangramento não foi aumentado quando o acesso era via radial e no grupo de pacientes que recebeu ticagrelor. Nos outros subgrupos, os resultados se mantiveram.

Quando avaliado o tempo para realização de coronariografia não houve associação com o desfecho primário ou desfecho de segurança, incluindo ou não o PCI CURE, que foi considerado um estudo outlier.

Conclusão

Este estudo mostrou que o pré-tratamento com inibidor de P2Y12 em pacientes com IAMSSST não reduz eventos e aumenta ocorrência de sangramentos.

Existem várias limitações deste estudo, já que é uma metanálise que avaliou estudos com medicações diferentes, alguns desfechos foram avaliados em tempos diferentes, não houve documentação na maioria dos estudos de eventos isquêmicos antes da coronariografia e a definição de sangramento maior foi diferente entre eles.

Além disso, como alguns dos estudos são mais antigos, existem algumas mudanças em relação a condutas atuais, como a via de acesso, que hoje é em dia é predominantemente radial e sabidamente leva a menor sangramento (conforme mostrado também na análise de subgrupos deste estudo), e o tempo para realização de coronariografia, que deve ser em até 24 horas, é bastante diferente do tempo do estudo PCI CURE. Porém, foi uma análise com grande quantidade de pacientes, estudos de boa qualidade e baixo risco de viés.

Na prática clínica, a administração de rotina do inibidor do P2Y12 para pacientes com IAMSSST não deve ser realizada. Porém, caso a coronariografia não esteja disponível em até 24 horas, o que é a realidade em muitos serviços de nosso país, devemos considerar seu uso com objetivo de reduzir eventos, como mostrado no estudo PCI-CURE, até a realização do exame.

Referências bibliográficas:

  • Dawson LP, et al. Assessment of Pretreatment With Oral P2Y12 Inhibitors and Cardiovascular and Bleeding Outcomes in Patients With Non-ST Elevation Acute Coronary SyndromesA Systematic Review and Meta-analysis. JAMA Network Open. 2021;4(11):e2134322. doi:10.1001/jamanetworkopen.2021.34322.
Autor(a):

Cadastre-se ou faça login para acessar esse e outros conteúdos na íntegra
Cadastre-se grátis Fazer login
Veja mais beneficios de ser usuário do Portal PEBMED: Veja mais beneficios de ser usuário
do Portal PEBMED:
7 dias grátis com o Whitebook Aplicativo feito para você, médico, desenhado para trazer segurança e objetividade à sua decisão clínica.
Acesso gratuito ao Nursebook Acesse informações fundamentais para o seu dia a dia como anamnese, semiologia.
Acesso gratuito Fórum Espaço destinado à troca de experiências e comentários construtivos a respeito de temas relacionados à Medicina e à Saúde.
Acesso ilimitado Tenha acesso a noticias, estudos, atualizacoes e mais conteúdos escritos e revisados por especialistas
Teste seus conhecimentos Responda nossos quizes e estude de forma simples e divertida
Conteúdos personalizados Receba por email estudos, atualizações, novas condutas e outros conteúdos segmentados por especialidades
Referências bibliográficas:

    O Portal PEBMED é destinado para médicos e demais profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

    Caso tenha interesse em divulgar seu currículo na internet, se conectar com pacientes e aumentar seus diferenciais, crie um perfil gratuito no AgendarConsulta, o site parceiro da PEBMED.

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado.

    Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.