Leia mais:
Leia mais:
O cuidado sobre a espiritualidade frente a pessoa com câncer
Preservação da fertilidade em mulheres submetidas a tratamentos oncológicos
Câncer de mama: saiba detalhes com o especialista [podcast]
Exigência de atestado dificulta vacinação de pacientes oncológicos contra a Covid-19
Câncer de mama supera o pulmão como o tumor mais diagnosticado no mundo

Nova imunoterapia para pacientes com câncer de pulmão

Sua avaliação é fundamental para que a gente continue melhorando o Portal Pebmed

Quer acessar esse e outros conteúdos na íntegra?

Cadastrar Grátis

Faça seu login ou cadastre-se gratuitamente para ter acesso ilimitado a todos os artigos, casos clínicos e ferramentas do Portal PEBMED

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar seu currículo na internet, se conectar com pacientes e aumentar seus diferenciais, crie um perfil gratuito no AgendarConsulta, o site parceiro da PEBMED.

Mais uma imunoterapia foi aprovada no país pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Desta vez, foi a utilização da imunoterapia atezolizumabe e do antiangiogênico bevacizumabe, associados à quimioterapia indicada para a primeira linha de tratamento em pacientes com câncer de pulmão não pequenas células metastático não escamoso. Geralmente, este subtipo do câncer leva a quadros graves, com comprometimento de outros órgãos, principalmente do fígado.

enfermeiro colocando agulha de quimioterapia em paciente com câncer de pulmão

Imunoterapia para câncer de pulmão

O tratamento funciona da seguinte maneira: enquanto o antiangiogênico inibe o crescimento de novos vasos sanguíneos no tumor, a imunoterapia bloqueia a PD-L1. Essa proteína é encontrada no tumor e tem o papel de impedir a defesa do sistema imunológico. A quimioterapia também reforça o combate às células cancerígenas.

A novidade chega aos pacientes que se encontram na primeira linha de tratamento, pois como não apresentam tumor positivo para nenhuma mutação relevante, não podem ser beneficiados por terapias-alvo.

Resultados dos estudos

Os resultados do estudo clínico IMPower 150 mostram que a nova combinação dobra a porcentagem de sobrevida livre de progressão em um ano de tratamento quando comparada à abordagem sem a aplicação da imunoterapia (36,5% versus 18%).

Outro resultado importante indica que com o uso combinado do atezolizumabe, a resposta ao tratamento com redução do tumor foi maior (63,5% versus 48%), reduzindo o risco de óbitos em 22%.

Leia também: Câncer de pulmão: é necessário estimular o rastreamento

Já outro estudo de fase III IMpower 130 demonstrou que a terapia combinada atezolizumabe ajudou os pacientes a viverem mais em comparação com a aplicação da quimioterapia sozinha (sobrevida global média de 18,6 meses versus 13,9 meses). O tratamento ainda reduziu o risco de agravamento ou óbito pela doença, com sobrevida livre de progressão de 7 meses versus 5,5 meses.

Outro resultado animador da nova combinação foi conseguir reduzir o tamanho dos tumores em 49,2% dos pacientes estudados. Os que receberam apenas quimioterapia tiveram os seus tumores reduzidos em 31,9%. A duração média da resposta foi de 8,4 meses versus 6,1 meses.

“Geralmente, pacientes com este tipo de câncer de pulmão são tabagistas e apresentam várias comorbidades. Uma das mais comuns é o comprometimento da função dos rins, que impossibilita a utilização de um dos tipos de quimioterapia mais comuns. Sendo assim, não tinham opção de tratamento com ativação do sistema imune para combater o câncer, que é o caso do atezolizumabe com nab-paclitaxel e carboplatina”, explica o oncologista Fernando Santini, do Hospital Sírio-Libanês.

Câncer de pulmão

Atualmente, existem nove estudos em andamento de câncer de pulmão de fase III para avaliar a ação do atezolizumabe sozinho ou em combinação com outros medicamentos em diferentes tipos de câncer de pulmão.

Segundo estimativas de entidades internacionais, o câncer de pulmão é a principal causa de morte pela doença em todo o mundo: 87%. A cada ano 1,76 milhão de pessoas morrem pelas suas complicações, o que se resulta em mais de 4.800 mortes diárias em todo o mundo.

Estima-se que ocorram 31,2 mil novos casos ao ano no Brasil, segundo o Instituto Nacional de Câncer (INCA).

Imunoterapia: avanços no tratamento do câncer

*Esse artigo foi revisado pela equipe médica da PEBMED

Autor:

Referências bibliográficas:

Cadastre-se ou faça login para acessar esse e outros conteúdos na íntegra
Cadastrar Fazer login
Veja mais beneficios de ser usuário do Portal PEBMED: Veja mais beneficios de ser usuário
do Portal PEBMED:
7 dias grátis com o Whitebook Aplicativo feito para você, médico, desenhado para trazer segurança e objetividade à sua decisão clínica.
Acesso gratuito ao Nursebook Acesse informações fundamentais para o seu dia a dia como anamnese, semiologia.
Acesso gratuito Fórum Espaço destinado à troca de experiências e comentários construtivos a respeito de temas relacionados à Medicina e à Saúde.
Acesso ilimitado Tenha acesso a noticias, estudos, atualizacoes e mais conteúdos escritos e revisados por especialistas
Teste seus conhecimentos Responda nossos quizes e estude de forma simples e divertida
Conteúdos personalizados Receba por email estudos, atualizações, novas condutas e outros conteúdos segmentados por especialidades

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar seu currículo na internet, se conectar com pacientes e aumentar seus diferenciais, crie um perfil gratuito no AgendarConsulta, o site parceiro da PEBMED.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.