O uso do probiótico LGG® na prevenção da dermatite atópica - PEBMED
Conteúdo Patrocinado Oferecimento

O uso do probiótico LGG® na prevenção da dermatite atópica

Sua avaliação é fundamental para que a gente continue melhorando o Portal Pebmed

Quer acessar esse e outros conteúdos na íntegra?

Cadastrar Grátis

Faça seu login ou cadastre-se gratuitamente para ter acesso ilimitado a todos os artigos, casos clínicos e ferramentas do Portal PEBMED

Este conteúdo foi produzido pela PEBMED, em parceria Cellera Farma de acordo com a Política Editorial e de Publicidade do Portal PEBMED.

Nas últimas décadas, diversos estudos foram realizados com objetivo de correlacionar a composição da microbiota intestinal (MI) com diversas enfermidades. Dentre as doenças hipoteticamente beneficiadas pelo uso de probióticos, destacam-se as doenças alérgicas, como a dermatite atópica (DA), uma doença crônica da pele que apresenta lesões com prurido intenso associada a um ressecamento importante, mais evidentes em regiões de flexura. Essa suposta interligação entre intestino e pele é atribuída ao papel de modulação da resposta imunológica pela MI, o que pode auxiliar na prevenção e no tratamento de doenças de fundo alérgico e imunológico. 

Uso de probióticos

Tome as melhores decisões clinicas, atualize-se. Cadastre-se e acesse gratuitamente conteúdo de medicina escrito e revisado por especialistas

O papel dos probióticos

O papel dos probióticos no tratamento da DA ainda não é completamente esclarecido, além do que a microbiota intestinal dos pacientes atópicos parece ser, de fato, diferente dos indivíduos não alérgicos. A ação de diversas cepas foi avaliada em uma série de pesquisas, ainda sem resultados amplamente reprodutíveis. Possíveis justificativas para essa falta de correlação incluem o desenho dos estudos, os probióticos avaliados, a posologia utilizada, a janela de oportunidade, os fatores que interferem na suplementação dos probióticos (fatores ambientais, idade do paciente, dieta realizada, a presença obesidade e outras comorbidades, e também a etnia), entre outros. 

Dentre os diversos probióticos avaliados no contexto da DA, o Lactobacillus rhamnosus GG (LGG®) é uma das cepas mais bem estudadas, com uma quantidade considerável de evidências correlacionando esses assuntos. 

Um estudo duplo-cego, controlado, envolvendo 62 gestantes com história familiar positiva para DA, foi realizado para avaliar a ação dos LGG® no desenvolvimento de DA em crianças cujas mães utilizaram o probiótico durante a gestação e a amamentação. Esse estudo demonstrou que filhos de mães que receberam LGG® nessa fase, apresentaram menor risco de desenvolver DA nos primeiros 2 anos de vida. 

Outro estudo duplo-cego randomizado, conduzido com 27 bebês entre 4 e 6 meses, diagnosticados com eczema atópico, demonstrou melhora clínica significativa após 2 meses de uso de LGG®. Vários outros estudos com LGG® corroboram os resultados descritos, sendo os achados mais promissores aqueles relacionados à prevenção da DA. 

O uso dos probióticos é seguro, com efeitos colaterais raros relacionados principalmente ao trato gastrointestinal, como constipação, flatulência, náuseas e soluços. O cuidado na prescrição dos probióticos deve ser maior em pacientes imunossuprimidos, uma vez que eles podem, teoricamente, apresentar risco de infecções potencialmente graves (sepse, endocardite, abscesso hepático) pelas bactérias que compõem as medicações.

Diante da possibilidade de prevenir o surgimento da DA e de melhorar seu controle clínico de forma segura, o uso de probióticos – sendo o LGG® um dos mais amplamente estudados – tem se mostrado útil no manejo da doença. A prescrição deve ser individualizada para cada paciente. Além disso, novos estudos com um tempo maior de acompanhamento devem ser realizados, para avaliação prospectiva a longo prazo dos efeitos benéficos e, também, de potenciais efeitos colaterais. 

Autor(a):

Referências bibliográficas: 

  • Islam SU. Clinical Uses of Probiotics. Medicine (Baltimore). (2016) Feb;95(5)-e2658. doi- 10.1097/MD.0000000000002658. 
  • Powers, C. E., McShane, D. B., Gilligan, P. H., Burkhart, C. N., & Morrell, D. S. (2015). Microbiome and pediatric atopic dermatitis. The Journal of Dermatology, 42(12), 1137–1142. doi-10.1111/1346-8138.13072
  •  Wu, Y. J., Wu, W. F., Hung, C. W., Ku, M. S., Liao, P. F., Sun, H. L., Lu, K. H., Sheu, J. N., & Lue, K. H. (2017). Evaluation of efficacy and safety of Lactobacillus rhamnosus in children aged 4-48 months with atopic dermatitis: An 8-week, double-blind, randomized, placebo-controlled study. Journal of microbiology, immunology, and infection = Wei mian yu gan ran za zhi, 50(5), 684–692. https://doi.org/10.1016/j.jmii.2015.10.003
  • D’Elios S, Trambusti I, Verduci E, Ferrante G, Rosati S, Marseglia GL, Drago L, Peroni DG. Probiotics in the prevention and treatment of atopic dermatitis. Pediatr Allergy Immunol. 2020 Nov;31 Suppl 26-43-45. doi- 10.1111/pai.13364. PMID- 33236423
  • Adler-Neal AL, Cline A, Frantz T, Strowd L, Feldman SR, Taylor S. Complementary and Integrative Therapies for Childhood Atopic Dermatitis. Children (Basel). 2019 Oct 30;6(11)-121. doi- 10.3390/children6110121. PMID- 31671707; PMCID- PMC6915597.pdf
  • Souza FS, Cocco RR, Oselka R, Sarni ROSS, Mallozi MC, Solé D. Prebióticos, probióticos e simbióticos na prevenção e tratamento das doenças alérgicas. Rev Paul Pediatr 2010;28(1):86-97. 

Este conteúdo foi produzido pela PEBMED, em parceria Cellera Farma de acordo com a Política Editorial e de Publicidade do Portal PEBMED.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Entrar | Cadastrar