Página Principal > Clínica Médica > Obesidade apresenta maior risco para diabetes que fatores genéticos
paciente obeso em consulta médica por risco de diabetes

Obesidade apresenta maior risco para diabetes que fatores genéticos

Tempo de leitura: 3 minutos.

A obesidade é o maior fator de risco para o desenvolvimento de diabetes tipo 2, de acordo com um grande estudo realizado na Dinamarca.

Especificamente, entre as pessoas a partir de 50 anos, a probabilidade do desenvolvimento da doença durante a próxima década era seis vezes maior se elas fossem obesas do que com peso normal – muito maior que o risco de um estilo de vida ruim.

“É importante ressaltar que o estudo mostrou que pessoas com estilo de vida desfavorável e obesidade correm maior risco de diabetes tipo 2, independentemente do risco genético”, explica Hermina Jakupović, PhD, MSc, do Centro de Pesquisa Metabólica Básica da Fundação Novo Nordisk, da Universidade de Copenhague, na Dinamarca.

Os resultados destacam que os médicos devem alertar os seus pacientes da importância do controle de peso na prevenção do diabetes tipo 2 em todos os grupos de risco genético.

“Como a perda de peso pode atrasar o início do diabetes tipo 2 entre pacientes obesos com tolerância à glicose diminuída, quanto mais cedo começarmos a implementar essas intervenções, melhor será o efeito”, acrescenta Hermina Jakupović.

As descobertas corroboram as de uma meta-análise publicada recentemente que mostrou que o risco de diabetes diminui em 75% com intervenções combinadas no estilo de vida.

 

cadastro portal

Como o peso, o estilo de vida e os genes são fatores de risco para diabetes

Pesquisas anteriores mostraram que intervenções no estilo de vida e a perda de peso bem-sucedida podem retardar o início do diabetes tipo 2. Além disso, outros estudos identificaram cerca de 200 mutações genéticas relacionadas ao risco de diabetes.

Mas ainda não estava claro até que ponto essas três características: obesidade, estilo de vida não saudável e predisposição genética para diabetes, são preditores independentes de diabetes incidente.

Leia também: Profissionais da saúde que trabalham à noite têm maior tendência à obesidade

Por isso, os pesquisadores realizaram um estudo de coorte de caso com 57.053 participantes do estudo Diet, Cancer and Health, na Dinamarca. Destas, pouco menos de 10 mil pessoas tinham dados genotípicos disponíveis e, durante um seguimento médio de 14,7 anos, 49,5% desenvolveram diabetes tipo 2.

Os pesquisadores compararam os 4729 novos casos de diabetes com 5402 participantes que permaneceram livres de diabetes.

No início, os participantes tinham uma idade média de 56,1 anos e 49,6% eram mulheres.

Cerca de um terço apresentava índice de massa corporal normal (IMC <25 kg / m 2 ), e o restante apresentava excesso de peso (43%; IMC> 25 a 30 kg / m 2 ) ou obeso (22,8%; IMC> 30 kg / m 2) 2 )

Os pesquisadores definiram um estilo de vida favorável como tendo três entre quatro bons hábitos de saúde: não fumar, praticar atividade física regular, comer uma dieta saudável e consumir uma quantidade moderada de álcool (até 1 bebida / dia) para mulheres e 2 bebidas / dia para homens).

Com base nesses critérios, 53,3% dos participantes apresentaram consumo moderado de álcool; 64,1% não fumavam; 50,3% praticavam atividade física regularmente; e 52,8% tinham dieta saudável.

Em termos diferentes, 40% tinham um estilo de vida favorável, 25% um estilo de vida ruim (nenhum ou apenas um desses bons hábitos de saúde) e 35% um estilo de vida considerado intermediário.

Veja também: Relação entre Diabetes Melitus tipo 2 e Insuficiência Cardíaca

Os pesquisadores calcularam uma pontuação de risco genético para diabetes para cada participante, com base em 193 polimorfismos de nucleotídeo único (SNPs) fortemente associados ao diabetes tipo 2.

Eles classificaram os participantes como tendo baixo, intermediário ou alto risco genético (20%, 60% do meio e 20% dos riscos genéticos, respectivamente).

Conclusões

Comparado a ter um baixo risco genético, ter um alto risco genético dobrou o risco de desenvolver diabetes (razão de risco [HR], 2,0), após o ajuste para múltiplos fatores de confusão.

Ter um estilo de vida pouco saudável elevou moderadamente o risco de desenvolver diabetes em 18% (HR, 1,18) em comparação com um estilo de vida saudável.

Mas, em comparação com ter um peso corporal normal, ser obeso conferia um risco muito maior, quase seis vezes maior de diabetes (HR, 5,81). Portanto, a obesidade ainda é um fator de risco dominante para o diabetes, apesar dos bons genes.

Mesmo no subconjunto de pessoas com baixo escore de risco genético, em comparação com pessoas com peso normal, os indivíduos obesos tiveram um risco mais de seis vezes maior de desenvolver diabetes (HR, 6,63).

Além disso, nesse subconjunto de baixo risco genético, em comparação com pessoas com peso normal e estilo de vida saudável, as pessoas obesas e com estilo de vida saudável apresentaram um risco quase dez vezes maior de desenvolver diabetes tipo 2 (HR, 9,94).

A conclusão final dos pesquisadores é que o efeito da obesidade no risco de diabetes tipo 2 é dominante sobre outros fatores de risco.

*Esse artigo foi revisado pela equipe médica da PEBMED

Com o Whitebook você tem a melhor abordagem diagnóstica e terapêutica para o diabetes a seu alcance. Baixe grátis!

Autor:

Referências bibliográficas:

  • Obesity Poses Much Bigger Risk for Diabetes Than Bad Genes – Medscape – Sep 17, 2019;
  • Diabetes Risk Plummets by 75% When Multiple Risk Factors Tackled – Medscape – Sep 10, 2019.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.



Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.