Pacientes com FA anticoagulados podem apresentar trombo em átrio esquerdo?

Estudo avaliou a prevalência de trombo no AE em pacientes com FA/flutter em uso de anticoagulação oral por pelo menos três semanas.

O Portal PEBMED é destinado para médicos e demais profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar esse conteúdo crie um perfil gratuito no AgendarConsulta.

Pacientes com fibrilação atrial (FA) ou flutter com trombo em átrio esquerdo (AE) têm contraindicação para realizar cardioversão e ablação por cateter, pois pode haver deslocamento do trombo e acidente vascular cerebral (AVC) cardioembólico. Nesses casos, indica-se anticoagulação pré-procedimento ou screening com ecocardiograma transesofágico (ETE).

Com o aumento da disponibilidade de anticoagulantes o ETE vem sendo cada vez menos utilizado, já que quando a anticoagulação é realizada por pelo menos 3 semanas sua realização não é necessária. Em relação a ablação esta prática é um pouco diferente, com recomendação de ETE se o paciente estiver em FA, independente da anticoagulação.

A recomendação de anticoagulação mínima por 3 semanas vem de estudos observacionais antigos que sugeriam que essa abordagem era segura, pois traria resolução do trombo, quando presente. Porém, para alguns pacientes, esse tempo pode ser insuficiente e pode explicar a ocorrência de AVC em até 1,9% dos pacientes submetidos a cardioversão ou ablação mesmo com anticoagulação conforme o recomendado

Foi feita então uma revisão sistemática e metanálise para entender melhor a utilidade e indicações do ETE pré-procedimento nesses pacientes. 

Leia também: ACC 2021: a ingestão de álcool realmente induz fibrilação atrial?

Pacientes com FA anticoagulados podem apresentar trombo em átrio esquerdo?

Método do estudo e população envolvida

O estudo avaliou a prevalência de trombo no AE em pacientes com FA/flutter em uso de anticoagulação oral por pelo menos três semanas. Foi feita também análise de acordo com o tipo de anticoagulante, padrão de FA, indicação do ETE (cardioversão ou ablação), CHADS2 e CHA2DS2VASc para identificar pacientes com maior risco, no qual o uso do ETE teria maior ganho e benefício.

Foram utilizadas as bases de dados MEDLINE, EMBASE, CENTRAL até julho de 2020 e selecionados estudos que relataram a prevalência de trombo em AE em pacientes com FA/flutter que fizeram uso de anticoagulação oral com anticoagulantes de ação direta (DOAC) ou inibidores da vitamina K (IVK) por pelo menos 3 semanas antes de realizar o ETE. Estudos com menos de 100 participantes foram excluídos pelo risco de viés. 

Resultados

Foram incluídos 35 estudos com 14.653 pacientes. Todos foram estudos observacionais, sendo 10 prospectivos e 25 retrospectivos. Dezoito eram exclusivamente com pacientes submetidos a ablação, 7 com pacientes submetidos a cardioversão, 5 mistos e 5 não especificavam a indicação do ETE.

A prevalência de trombo em AE encontrada foi de 2,73%, com alta heterogeneidade interestudos. Essa prevalência não foi alterada com a exclusão dos estudos que tinham risco médio ou alto de viés, FA valvar, interrupção da anticoagulação imediatamente antes do ETE, uso de anticoagulante endovenoso como ponte ou anticoagulação subterapêutica (p > 0,05 para todos). A exclusão de estudos com menos de 150 pacientes reduziu levemente essa prevalência para 2,40% (p = 0,048).

Quanto à análise de subgrupos, não houve diferença ao se comparar DOAC com IVK (2,8% x 3,12%, p = 0,674) e pacientes com FA não paroxística tinham prevalência quatro vezes maior que pacientes com FA paroxística (4,81% x 1,03%, p < 0,001). Em relação aos scores de risco, a prevalência quando CHADS ≤ 1 era de 0,82% e quando CHADS ≥ 2 era de 4,24%, quando CHA2DS2VASc ≤ 2 era de 1,06% e quando CHA2DS2VASc ≥3 de 3,61%, ambos com p < 0,001. 

A prevalência também era maior quando o paciente seria submetido a cardioversão elétrica quando comparado a ablação por cateter (5,55% x 1,65%, p < 0,001), que pode ser justificado pelas diferenças entre esses dois grupos: pacientes submetidos a cardioversão eram mais velhos e tinham scores de risco mais altos e os submetidos a ablação eram internados eletivamente, enquanto o grupo de cardioversão também incluiu pacientes hospitalizados. 

Por estes achados temos que a prevalência de trombo em AE em pacientes anticoagulados não é desprezível e este resultado é semelhante a de alguns estudos prévios, como metanálise que avaliou pacientes sem anticoagulação e mostrou prevalência de trombo em AE de 9,8% e na análise de subgrupos de pacientes anticoagulados mostrou prevalência de 3,4%. Em outro estudo, com pacientes em uso de DOAC, a prevalência foi de 2,5%.

Saiba mais: Sacubitril/valsartana para insuficiência cardíaca com fração de ejeção preservada

Algumas limitações deste estudo são que a presença de trombo não leva necessariamente a evento embólico e não é possível estimar a proporção de pacientes que realmente evoluem com AVC. Além disso, este é apenas um dos mecanismos de AVC periprocedimento e pode haver confundidores que não foram avaliados.  

Conclusão 

Neste estudo, pacientes com FA paroxística, CHADS ≤ 1 ou CHA2DS2VASc ≤ 2 tiveram prevalência bem mais baixa de trombo em AE (aproximadamente 1%) e não necessitariam do ETE, sendo poupados de procedimento invasivo e não isento de riscos. Porém, alguns grupos de pacientes podem ter benefício e redução adicional do risco embólico com a realização do exame, mesmo estando anticoagulados pelo tempo mínimo de três semanas. Mais estudos são necessários para confirmar este benefício e levar a uma possível mudança futura dos guidelines

Referencias bibliográficas:

  • Lurie A, et al. Prevalence of Left Atrial Thrombus in Anticoagulated Patients With Atrial Fibrillation. Journal of the American College of Cardiology. 2021;77 (23)2875-2886. doi: 10.1016/j.jacc.2021.04.036
Cadastre-se ou faça login para acessar esse e outros conteúdos na íntegra
Cadastre-se grátis Fazer login
Veja mais beneficios de ser usuário do Portal PEBMED: Veja mais beneficios de ser usuário
do Portal PEBMED:
7 dias grátis com o Whitebook Aplicativo feito para você, médico, desenhado para trazer segurança e objetividade à sua decisão clínica.
Acesso gratuito ao Nursebook Acesse informações fundamentais para o seu dia a dia como anamnese, semiologia.
Acesso gratuito Fórum Espaço destinado à troca de experiências e comentários construtivos a respeito de temas relacionados à Medicina e à Saúde.
Acesso ilimitado Tenha acesso a noticias, estudos, atualizacoes e mais conteúdos escritos e revisados por especialistas
Teste seus conhecimentos Responda nossos quizes e estude de forma simples e divertida
Conteúdos personalizados Receba por email estudos, atualizações, novas condutas e outros conteúdos segmentados por especialidades

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo

Selecione o motivo:
Errado
Incompleto
Desatualizado
Confuso
Outros

Sucesso!

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo.

Você avaliou esse artigo

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Baixe e-books, e outros materiais para aprimorar sua prática médica e gestão Baixe e-books, e outros materiais
para aprimorar sua prática
médica e gestão

Especialidades