Página Principal > Infectologia > Pacientes idosos com câncer apresentam maior risco de infecção C difficile
médico em consulta com paciente idoso

Pacientes idosos com câncer apresentam maior risco de infecção C difficile

Tempo de leitura: 4 minutos.

Idosos com câncer, especialmente hematológicos ou recém-diagnosticados com tumores sólidos metastáticos, apresentam um risco maior de contrair infecção por Clostridium difficile (CDI). Isso em comparação aos demais indivíduos sem câncer, de acordo com um estudo publicado no periódico online Emerging Infectious Diseases.

Por ser a principal causa de infecção associada aos cuidados médicos de saúde nos Estados Unidos, é 26 vezes mais provável que a C difficile  atinja pacientes com mais de 65 anos, nos quais os sintomas são mais graves.

Uma união perfeita de fatores predisponentes pode tornar adultos com mais idade com câncer em risco elevado de ICD. Efeitos da quimioterapia que perturbam a resistência à colonização por C difficile no trato gastrointestinal acompanham fatores de risco, como o uso de antimicrobianos, exposição a bactérias em hospitais e baixa imunidade humoral.

Para complicar ainda mais o quadro clínico, tanto a quimioterapia como o CDI podem causar  diarreia grave. Um relatório de 1992 publicado no JAMA Internal Medicine identificou aumento do risco de ICD em pacientes recebendo quimioterapia que não haviam tomado antimicrobianos.

Um grupo de pesquisadores liderado por Mini Kamboj, MD, epidemiologista-chefe médico para controle de infecções no Centro de Câncer Memorial Sloan Kettering, em Nova York, procuraram desvendar a conexão entre câncer e risco elevado de CDI. Eles buscaram identificar fatores que poderiam ser usados ​​para prevenir a infecção em pacientes com certos tipos de câncer.

Leia também: Diarreia por C. difficile: uso de probióticos na prevenção / tratamento é eficaz?

médico em consulta com paciente idoso

Metodologia aplicada

Os cientistas realizaram um estudo de coorte retrospectivo de base populacional com uma análise de controle de caso aninhada para investigar se o risco de ICD é maior entre os idosos com câncer do que entre os idosos sem câncer.

O estudo comparou o registro de câncer de Vigilância, Epidemiologia e Resultados Finais com informações de registro do Medicare de 2011 para controles que não tinham câncer nas regiões geográficas do SEER. Os pacientes com câncer tinham tumores sólidos (mama, cólon, pulmão, próstata e cabeça e pescoço) ou tumores hematológicos (linfoma, mieloma , leucemia) e foram diagnosticados entre 2006 e 2010.

Cinco controles foram combinados aleatoriamente para cada paciente para idade e sexo. Todos os beneficiários do Medicare considerados no estudo tinham, no mínimo, 66 anos em 2011 e foram hospitalizados, pelo menos, uma vez naquele ano.

Os pesquisadores avaliaram a incidência de infecção como a porcentagem da coorte na qual o CDI se desenvolveu durante o período do estudo. Eles calcularam odds ratio (OR) ajustadas e não ajustadas para a incidência de ICD, considerando o tipo de tumor, estágio no diagnóstico de câncer e ano de diagnóstico.

Saiba mais: Risco de Clostridium difficile no paciente internado aumenta quando o ocupante anterior do leito utilizou antibióticos

Resultados

Dos 93.566 beneficiários, 2,6% tiveram CDI durante o período do estudo. Em análises não ajustadas, 2,8% das pessoas com câncer apresentaram CDI, em comparação com 2,4% para indivíduos que não tiveram câncer.

A proporção de pessoas com CDI foi maior entre os beneficiários que eram do sexo feminino ou residentes da região nordeste dos Estados Unidos. O risco de ICD, avaliado para intervalos de cinco anos, revelou um aumento de 1,9% para pacientes entre 66 e 69 anos, para 2,9% para pacientes com 85 anos ou mais.

A análise de controle de caso aninhada comparou 2421 casos de pacientes com ICD a 12.105 controles. Os pacientes com casos eram mais propensos a ter câncer (54%) do que os controles (49%). Os pacientes com casos também eram mais propensos a terem sidos hospitalizados mais de uma vez ou tinham permanecido em uma instalação de enfermagem especializada.

As chances de desenvolver CDI foram maiores entre os pacientes com câncer do que os pacientes sem câncer (OR ajustado, 1,15, intervalo de confiança de 95% [IC], 1,04 – 1,26, P = 0,005).

Ter um tumor hematológico foi significativamente associado com aumento do risco de CDI em comparação com nenhum diagnóstico de câncer (OR ajustado, 1,74; 95% CI, 1,48 – 2,06; P <0,001), mas com um tumor sólido não foi ajustado (OR, 1,05 IC95%, 0,95 a 1,16), a menos que o diagnóstico fosse desde 2009. Se assim fosse, a fase do tumor não alterava o risco elevado de infecção. Os pesquisadores acreditam que o risco elevado deriva de uma quimioterapia mais intensiva no momento do diagnóstico de um tumor sólido.

Ter mais de duas hospitalizações ou uma permanência em uma enfermaria especializada foi cada uma associada a uma maior probabilidade de ocorrência de ICD, independentemente de o paciente apresentar câncer ou não.

“Nossas descobertas coletivamente expandem o conhecimento de como o diagnóstico do câncer afeta a doença associada ao CDI entre adultos com mais idade. Essa avaliação baseada na população pode ser usada para identificar alvos para a prevenção do CDI”, concluem os pesquisadores. 

Eles citam dois estudos que discutem tais medidas: um medicamento (bezlotoxumabe) para prevenir a recorrência de CDI e o transplante de microbiota fecal.  

“Nosso estudo define o subconjunto de idosos com câncer que provavelmente se beneficiariam mais com essas terapias para minimizar a vulnerabilidade ao CDI durante o tratamento do câncer”, escrevem os pesquisadores. 

Eles também apontam que o CDI pode atrasar ou desqualificar um paciente de um novo tratamento para o câncer. “Os efeitos abrangentes do CDI nessa população justificam a avaliação das estratégias de prevenção primária”, concluem.

As limitações do estudo incluem a incapacidade para distinguir se o tipo de tratamento do câncer ou utilização excessiva de antibióticos foi associado com o aumento do risco CDI. Além disso, o estudo não inclui casos de CDI adquiridas na comunidade que não resultam em hospitalização, possivelmente identificando de modo errado alguns casos recorrentes como incidente.

*Esse artigo foi revisado pela equipe médica da PEBMED

Autora: 

Referências:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.



Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.