Pneumonia adquirida na comunidade: conheça novas opções terapêuticas

Sua avaliação é fundamental para que a gente continue melhorando o Portal Pebmed

Quer acessar esse e outros conteúdos na íntegra?

Cadastrar Grátis

Faça seu login ou cadastre-se gratuitamente para ter acesso ilimitado a todos os artigos, casos clínicos e ferramentas do Portal PEBMED

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Seu conteúdo tem o objetivo de informar panoramas recentes da medicina, devendo ser interpretado por profissionais capacitados.

Para diagnósticos e esclarecimentos, busque orientação profissional. Você pode agendar uma consulta aqui.

Tempo de leitura: [rt_reading_time] minutos.

A pneumonia é a infecção mais comum causadora de sepse e choque séptico. O patógeno mais implicado é o Streptococcus pneumoniae, seguido do Haemophilus influenzae, Staphylococcus aureus, Mycoplasma pneumoniae, estreptococo do grupo A, Legionella, Chlamydophila e Moraxella catarrhalis.

A causa da pneumonia adquirida na comunidade pode variar de acordo com as comorbidades do paciente. Em indivíduos com acidente vascular cerebral recente, os patógenos predominantes foram gram-negativos e cocos gram-positivos. Entre os pacientes com doença pulmonar obstrutiva crônica, há predomínio de infecções por Streptococcus pneumoniae, seguido de vírus respiratórios, Pseudomonas aeruginosa, patógenos atípicos e Haemophilus influenzae.

Os critérios de definição de pneumonia adquirida na comunidade severa são evolução para insuficiência respiratória aguda grave que requer ventilação invasiva e/ou choque séptico. Os indivíduos que atendem a esses critérios apresentam mortalidade maior.

A terapia empírica inadequada, ou seja, sem atividade contra os patógenos agressores, também tem associação com maior morbimortalidade. Há estudos demonstrando que a cobertura de patógenos “atípicos” é controversa, com benefício duvidoso.

Novos agentes estão em desenvolvimento para cobertura de espécies resistentes a macrolídeos e MRSA. A lefamulina possui forte atividade contra MRSA, Haemophilus influenzae, M. pneumoniae, C. pneumoniae e Legionella pneumophila, conseguindo extensa penetração no fluido de revestimento epitelial pulmonar.

Leia maisUso de opioides aumenta risco de pneumonia adquirida na comunidade?

A omadaciclina tem potência excelente contra estafilococos e estreptococos resistente a macrolídeos. Atinge concentrações elevadas no plasma e no fluido pulmonar. Recentemente aprovada para tratamento de pneumonia bacteriana adquirida na comunidade. O delafloxacino tem potência aprimorada em ambientes ácidos. Apresenta cobertura ampla contra gram-positivos, gram-negativos, anaeróbios e microrganismos intracelulares.

A solitromicina tem atividade potente contra os patógenos mais comuns, mas o FDA recomendou um estudo de avaliação de toxicidade hepática com o uso da medicação, uma vez que causou elevação das transaminases. A nemonoxacina apresenta um perfil de resistência reduzido comparado às demais fluoroquinolonas, além de atividade ampla contra cocos gram-positivos, bacilos gram-negativos e bactérias atípicas.

Assim, novos antibióticos estão em estudo, alguns já em fase 3, a fim de oferecer uma oportunidade para tratamento empírico aprimorado de patógenos resistentes.

É médico e quer ser colunista do Portal da PEBMED? Inscreva-se aqui!

Autor:

Referências:

  • Kollef, MH; Betthauser, KD. New Antibiotics for Community-Acquired Pneumonia. Current Opinion in Infectious Diseases, 32(2), p. 169–175, 2019.

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Seu conteúdo tem o objetivo de informar panoramas recentes da medicina, devendo ser interpretado por profissionais capacitados.

Para diagnósticos e esclarecimentos, busque orientação profissional. Você pode agendar uma consulta aqui.

Tags

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Entrar | Cadastrar