Valproato na gestação pode aumentar risco de TDAH - PEBMED

Valproato na gestação pode aumentar risco de TDAH

Sua avaliação é fundamental para que a gente continue melhorando o Portal Pebmed

Quer acessar esse e outros conteúdos na íntegra?

Cadastrar Grátis

Faça seu login ou cadastre-se gratuitamente para ter acesso ilimitado a todos os artigos, casos clínicos e ferramentas do Portal PEBMED

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Seu conteúdo tem o objetivo de informar panoramas recentes da medicina, devendo ser interpretado por profissionais capacitados.

Para diagnósticos e esclarecimentos, busque orientação profissional. Você pode agendar uma consulta aqui.

Tempo de leitura: [rt_reading_time] minutos.

valproato já foi associado a malformações em bebês. As últimas recomendações da American Academy of Neurology e da American Epilepsy Society já orientam contra o uso da droga durante o período da gestação. Agora, um novo artigo, publicado no Journal of the American Medical Association (JAMA), associou o uso desse antiepiléptico na gravidez ao risco de transtorno do déficit de atenção com hiperatividade (TDAH) na prole.

Para chegar nessa conclusão, pesquisadores realizaram um estudo de coorte de todas as crianças nascidas vivas na Dinamarca entre janeiro de 1997 e dezembro de 2011, totalizando 913.302 participantes (idade mediana de 9,4 anos). As informações sobre exposição pré-natal aos antiepilépticos, incluindo valproato, e o diagnóstico de TDAH foram obtidas do registro nacional do país.

Gestantes com epilepsia: ácido fólico beneficia linguagem do bebê

valproato

Tome as melhores decisões clinicas, atualize-se. Cadastre-se e acesse gratuitamente conteúdo de medicina escrito e revisado por especialistas

Valproato e TDAH: evidências

No total, 580 bebês foram expostos ao valproato durante a gravidez da mãe; destes, 49 (8,4%) apresentaram transtorno do déficit de atenção com hiperatividade posteriormente. Já entre as crianças que não foram expostas ao antiepiléptico, 29.396 (3,2%) tiveram TDAH.

O uso pré-natal de valproato aumentou em 48% o risco da prole desenvolver o transtorno (hazard ratio [HR] ajustada de 1,48; IC de 95%: 1,09 a 2,00), em comparação com o não uso. O risco absoluto em 15 anos de ter TDAH foi de 11% (IC de 95%: 8,2% a 14,2%) em crianças expostas ao valproato vs. 4,6% (IC de 95%: 4,5% a 4,6%) em não expostas. Essa associação não foi encontrada com outras drogas antiepilépticas analisadas.

Conclusões

Para os pesquisadores, os achados reafirmam os perigos do valproato durante a gestação e devem ser levados em consideração no aconselhamento dos pacientes.

Antiepilépticos: veja as orientações da nova diretriz da AAN

Referências:

  • Christensen J, Pedersen LH, Sun Y, Dreier JW, Brikell I, Dalsgaard S. Association of Prenatal Exposure to Valproate and Other Antiepileptic Drugs With Risk for Attention-Deficit/Hyperactivity Disorder in Offspring. JAMA Netw Open. 2019;2(1):e186606. doi:10.1001/jamanetworkopen.2018.6606

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Seu conteúdo tem o objetivo de informar panoramas recentes da medicina, devendo ser interpretado por profissionais capacitados.

Para diagnósticos e esclarecimentos, busque orientação profissional. Você pode agendar uma consulta aqui.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Entrar | Cadastrar