Home / Colunistas / Risco de deslocamento secundário em fraturas proximais do úmero tratadas conservadoramente

Risco de deslocamento secundário em fraturas proximais do úmero tratadas conservadoramente

Sua avaliação é fundamental para que a gente continue melhorando o Portal Pebmed

Quer acessar esse e outros conteúdos na íntegra?

Cadastrar Grátis

Faça seu login ou cadastre-se gratuitamente para ter acesso ilimitado a todos os artigos, casos clínicos e ferramentas do Portal PEBMED

As fraturas da região proximal do úmero são lesões comuns, correspondendo a 5% de todas as fraturas. Apresentam incidência aumentada em pacientes idosos e do sexo feminino. Grande parte das fraturas é de tratamento conservador sendo manejadas com imobilização utilizando tipoia seguida de reabilitação com fisioterapia.

A decisão quanto a indicação de cirurgia leva em consideração a presença de desvio, sendo escolhidas para o tratamento conservador fraturas sem desvio ou com desvio mínimo. O uso da Classificação descrita por Neer pode auxiliar na decisão. São consideradas 4 partes no úmero (tuberosidade maior, tuberosidade menor, cabeça e diáfise) definidas como desviadas ao apresentar mais de 10 mm ou 45° de desvio. Fraturas não desviadas são tratadas se maneira não cirúrgica.

Leia também: Características e prognóstico precoce de pacientes com Covid-19 e fraturas

Mesa de consultório médico com exames de paciente que apresenta fraturas da região proximal do úmero

Estudo recente investigou a chance de desvio secundário em fraturas de tratamento conservador

Trata-se de um estudo retrospectivo publicado na revista The Bone and Joint Journal em junho de 2020. Foram incluídos pacientes tratados entre janeiro de 2015 e maio de 2018 em um centro de trauma. Foram incluídos pacientes com diagnóstico de fratura proximal do úmero maiores de 18 anos e excluídos pacientes apresentando fraturas desviadas, patológicas ou associadas a outras fraturas do membro superior ipsilateral e com seguimento radiológico incompleto. Após as exclusões, 163 fraturas foram analisadas (em 162 pacientes).

A idade média dos pacientes estudados foi de 69 anos, sendo 56% com mais de 70 anos. A maioria dos pacientes era do sexo feminino (106 versus 56). As fraturas foram estudadas com radiografias nas incidências em AP e perfil de escápula, sendo consideradas para o tratamento não cirúrgico aquelas que apresentavam desvio inferior a 10 mm e 45°.

Saiba mais: Avaliação do aumento no risco de fraturas ósseas em crianças com fraturas prévias

Avaliação de registros

Os registros foram avaliados considerando fatores de risco para cicatrização de fraturas: demência, osteoporose, diabetes, doenças neurológicas (Doença de Parkinson, AVE ou epilepsia) e abuso de álcool ou tabaco. A influência de cada fator para o desvio secundário foi determinada.

Escores para osteoporose e Osteoartrite glenoumeral (OA) foram avaliados. Translação da cabeça superior a 10 mm no seguimento radiográfico foi definido como desvio secundário.

Nas radiografias em incidência Anteroposterior (AP) e Perfil foram calculados o índice excêntrico da cabeça que descreve o offset do centro da cabeça umeral em relação ao eixo diafisário. Na radiografia em AP o alinhamento cortical medial proximal e distal à fratura foi considerado para avaliar a integridade da dobradiça medial.

Entre as 163 fraturas proximais do úmero, o deslocamento secundário ocorreu em 41 (25,2%). O desvio foi observado após uma média de 11 dias. Em 33 fraturas (80,4%), o deslocamento secundário foi diagnosticado nos primeiros 14 dias.

Os fatores de risco clínicos para o desvio encontrados foram abuso de álcool (OR 6,8; p = 0,025) e osteoporose previamente diagnosticada (OR 4,6; p = 0,136).

Os fatores de risco radiológicos encontrados foram OA grau 3 (OR 16,4; p = 0,107) e osteoporose (OR 10; p = 0,031). Um índice excêntrico da cabeça alto (AP/Neer > 0,4, OR 18,9 p = 0,002/p = 0,033) e a interrupção da dobradiça medial (OR 3,7; p = 0,039) aumentaram o risco de deslocamento secundário significativamente.

Whitebook

Conclusão

Durante o tratamento conservador, um quarto dos pacientes apresentou deslocamento secundário da fratura de pelo menos 10 mm. Pacientes com abuso de álcool, OA grave e osteoporose estão em risco. A avaliação do índice excêntrico da cabeça umeral e da dobradiça medial interrompida permitem prever o deslocamento secundário das fraturas de tratamento conservador.

Autor(a):

Referências bibliográficas:

 

  • Frank FA, Niehaus R, Borbas P, Eid K. Risk factors for secondary displacement in conservatively treated proximal humeral fractures. Bone Joint J. 2020;102-B(7):881-889. doi:10.1302/0301-620X.102B7.BJJ-2020-0045.R1

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

×

Adicione o Portal PEBMED à tela inicial do seu celular: Clique em Salvar na Home Salvar na Home e "adicionar à tela de início".

Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.